Pular para o conteúdo principal

O Barbeiro


“O dono da floricultura vizinha foi ao barbeiro para cortar seu cabelo. Após o corte, perguntou ao barbeiro o valor do serviço e o barbeiro respondeu: - Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário nesta semana. O florista ficou feliz e foi embora.
No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um buquê com uma dúzia de rosas na porta e uma nota de agradecimento do florista. Mais tarde no mesmo dia veio um padeiro para cortar o cabelo. Após o corte, ao pagar, o barbeiro disse: - Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário nesta semana. O padeiro ficou feliz e foi embora.
No outro dia, ao abrir a barbearia, havia um cesto com pães e doces na porta e uma nota de agradecimento do padeiro. Naquele mesmo dia veio um deputado para um corte de cabelo. Novamente, ao pedir para pagar, o barbeiro disse: - Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário nesta semana. O deputado ficou feliz e foi embora.
No dia seguinte, quando o barbeiro veio abrir sua barbearia, havia uma dúzia de deputados fazendo fila para cortar cabelo.”

O político do passado normalmente era uma pessoa respeitada e representativa da comunidade, pelo seu conhecimento, preocupação social, etc. Ele tomava as dores do eleitores da sua região, e ia à luta procurando atender às suas demandas. Eles tinham consciência de que esse era o seu papel, que deviam àquele povo os votos recebidos, os votos que os elegeram, e poderiam reelegê-los.
Hoje diferente e infelizmente, não e bem assim... O cidadão comum, de acordo com a estorinha acima, normalmente  é   mais solidário com os seus pares do que os próprios políticos que elegeram.  Esses, via de regra se colocam num pedestal, se distanciam do povo, e empenham seus esforços para  atender aqueles que representam maior poder político ou financeiro. Ou então, tomam atitudes midiáticas, na busca de uma maior exposição pública,  para  se tornarem ainda mais conhecidos e assim despertarem atenção dos poderosos da hora, interesseiros também.  Buscam, principalmente,  satisfazer os interesses partidários ou ideológicos dos aliados, para, no finalmente,  viabilizarem sua ascensão política.
Isto é muito estranho. Esses políticos que estão no exercício de mandato, teoricamente, deveriam estar trabalhando para defender os interesses do povo, e não os deles próprios,  ou a de seu grupo político.
O que é mais estranho ainda, é que esse modo de agir, atualmente é aceito como normal por eles mesmos e pela maioria das pessoas, sem nenhum estranhamento, tão comum se tornou.
Em algum momento, esse mesmo povo - trabalhador, cordial, solidário, de boa índole, que é quem elegeu e continua elegendo esses políticos típicos do presente, vai acordar e deixar de votar neles. Esse povo passará a estimular as pessoas que comprovadamente puderem contribuir para a evolução social da comunidade -  pela sua experiência, capacidade, pelo seu comportamento -, a criarem coragem e a se candidatarem. 
Esses candidatos selecionados, munidos de seus propósitos mais positivos,  não mais precisarão ter vergonha de dizer: ‘Sou político’, com receio de  serem confundido com essa maioria vulgar,  que rasteja e urra indignada sem razão, defendendo-se das acusações merecidas, parecendo acreditar na sua inocência, para chamar atenção, e poderem continuar a vagar pelos corredores públicos das nossas cidades, do nosso país, procurando obter vantagens muitas vezes ilícitas e nada sociais. Eles serão excluídos da vida pública.  
O povo, então, irá apoiar os políticos dos novos tempos, dando chance a eles  de se elegerem, de realizar um mandato gratificante para todos.

Aos poucos, novos quadros políticos, compostos por essas pessoas, a nova e purificada classe política, irão substituindo os atuais, numa recorrência virtuosa. 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,