Pular para o conteúdo principal

Guerra


Individualmente, desde que nascemos começamos a disputar, a ter atitude para conquistar ‘nossos’ espaços: no berço, no seio da mãe, no meio familiar, na escola, entre os colegas, no emprego,...  É da nossa natureza. Enfim, desde sempre estivemos em estado de guerra com alguém, havendo ou não conflito.
Repudiamos e consideramos nosso inimigo quem não reconhece os méritos que julgamos ter, quem não nos dá passagem no trânsito, aquele condômino ou síndico  que, nas reuniões de condomínio, não te escuta ou não respeita suas opiniões, o colega que te sabota  na empresa, o chefe que não reconhece efetivamente a sua importância, e por aí vai.  Entre se sentir prejudicado e ir à luta, há um espaço muito pequeno. Esse espaço, felizmente, quase nunca é ultrapassado, limitados que somos pela razão, pela consciência das consequências.
Além disso, nem todos se sentem assim ao mesmo tempo - o estresse de um é anulado pela tolerância do outro, e assim vai. Pouco a pouco, com a experiência de vida, deixamos de registrar os ataques a que somos frequentemente submetidos; vamos filtrando melhor as causas que merecem que sacrifiquemos o nosso tempo, energia e que justifiquem que assumamos os eventuais riscos a que estaremos expostos se formos tentar corrigir.  Por segurança, passamos a evitar ambientes de conflito, e procuramos seguir os caminhos mais seguros e pacíficos. É claro que nem sempre isso é possível.
Uma outra opção, quase nunca praticada, é tentar entender o lado do ‘adversário’ – suas motivações, seus valores, e, quem sabe, concluir que ele, embora possa não ter razão, tenha motivos que justifiquem o que fez/faz,  e tudo bem. Isso é o perdão. Porém, perdão para ter valor tem que ser verdadeiro, ou seja, não deve deixar resíduos de rancor, raiva, ódio. A propósito, não é demais lembrar a famosa  frase atribuída a Oscar Wilde:
“Nunca deixe de perdoar seus inimigos - nada os aborrece tanto".
Em termos de sociedade, tem sentido a afirmativa que diz que, para se superar tempos difíceis, são  necessárias respostas coletivas.  Recentemente, a primeira página de um grande jornal aqui de São Paulo trouxe estampada uma foto com a seguinte legenda:
“Egípcio joga pedra contra policiais em protesto que deixou dois mortos e 220 feridos no Cairo”. 
Aquela foto passou  o que aquele homem, maduro, sério, consciente, vitima de um sistema opressor, com o braço erguido para atirar a pedra, estava sentindo no momento. A mão que atira uma pedra contra os opressores, não atira apenas uma pedra. Atira todo seu ressentimento, frustração, raiva, ódio, contra aquele que limitou a sua liberdade, não respeitou a sua propriedade, a sua integridade física, a da sua família, as suas opiniões,... São tantas as coisas levadas por aquela pedra que alivia quem atira, machuca quem for atingido, mas é não apenas isso. Este ato carrega toda uma carga de energia que alimenta a nuvem da razão, que quando satisfeita, alimentará a esperança de sucesso e a geração de novas ações que, pouco a pouco, poderão trazer para o povo sofrido, para aquele pais, uma nova época, um novo e melhor momento.
No Brasil de hoje ocorre uma batalha de verdade, com armas, mortos, feridos e centenas de ônibus que servem para o transporte público incendiados. Essa batalha ocorre paradoxalmente nas chamadas 'favelas pacificadas', as quais os narcotraficantes começam a reconquistar das mãos da polícia. O crime tentando subjugar toda uma sociedade carente, e a força de policia constituída com a missão de  protegê-la.
Quem está certo? Quem está errado? Devemos fazer guerra, ou sermos passivos, tolerantes, e aceitar o que não acreditamos, não merecemos, não queremos?  É difícil dizer.  Entretanto,  podemos ter certeza de duas coisas, valendo para todos os envolvidos:
  •  Se houver chance de resolver o conflito mediante negociação, entendimento, sempre é a melhor opção, em relação ao conflito, à guerra. Os prejuízos e mágoas serão infinitamente menores.
  • As batalhas e  as vitórias mais importantes,  são aquelas que sinalizam um novo e melhor recomeço. Não havendo esse objetivo, essa proposta, essa possibilidade, a batalha e a vitória perdem a razão de ser. 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,