Pular para o conteúdo principal

Mistério do Ser



Hoje, depois de trabalhar quase toda manhã debruçado sobre seu computador, resolveu sair e tomar um café.  Foi a um lugar que conhecia, frequentado por pessoas interessantes, ligadas ao comércio do varejo - lojistas, estilistas, etc., e, convenientemente também porque tinha estacionamento 'free'.
Em seguida, ao invés de entrar no carro e voltar, foi fazer uma caminhada. Afinal, precisava se movimentar um pouco, estava uma tarde tão bonita... 
Andando por aquelas ruas, onde estão instalados as lojas e os restaurantes mais sofisticados da cidade, com as pessoas tão à vontade, tão cheias de sacolas - passeando tranquilas naquele horário -,  aparentemente tão poderosas. Como era incongruente o fato dele estar ali como estava, pensou: “desempregado já há mais de ano, sem dinheiro, sem perspectivas, entre aquelas pessoas e se sentindo tão bem...” O que o fazia sentir assim?  Alienação, irresponsabilidade, autoconfiança, ou a fé cristã de que, no final, tudo dará certo?! 
Não sabia. Só sabia que preferia se sentir assim do que ter pensamentos negativos em relação a quem o prejudicou, aqueles que não o ajudam a sair dessa situação, os que o desestimulam, os que lhe cobram solução, os que se sentem injustiçados por eu não lhes proporcionar uma vida melhor ou igual à que lhes proporcionava antes - que consideram sua, normal, de direito -, os que fingem que não percebem, ou não se incomodam com as suas carências, os que se sentem felizes por lhe verem assim, os que não o tranquilizam, os que não o apoiam, os que o ignoram. E continuou tranquilo o seu passeio.
Realmente, somos o que somos, mas raramente conseguimos nos conhecer de fato,  entender porque sentimos, pensamos e agimos assim, como acontece. E' o mistério do ser. Mas, tudo bem. O mais indicado, ao invés de tentar entender, é definir e se focar no problema principal, naquilo que já é conhecido.
A resposta pode estar ali, na próxima esquina, no próximo telefonema, no próximo e-mail, na próxima pessoa que conhecer. Certamente a solução está pronta, já existe, feita para você.  Só falta se encontrar com ela, com o seu melhor destino, com aquele quem você deve ser.  Procurar, sempre. Desistir, nunca. 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,