Pular para o conteúdo principal

Viver Só


Quando somos jovens, não vemos a hora de sair da casa dos nossos pais, onde fomos criados. Queremos e buscamos a nossa individualidade, liberdade - faz parte do processo de crescimento.
Com o tempo isso se torna possível -  estudamos, nos formamos, arrumamos emprego, temos o nosso dinheiro e, muito provavelmente, nos casamos. Então, passamos a ter o nosso espaço e, em princípio, não temos que dar satisfações a ninguém sobre a nossa vida – exceto para o nosso parceiro. Entretanto, ocasional e não pouco frequentemente, o casal se se separa (2,5 ocorrências para cada mil habitantes, Brasil  2012). Essa separação pode também independer de escolha, ser compulsória, no caso de um uma das partes renunciar a relação, ou  vir a falecer.  De qualquer forma, alguém poderá ser levado a viver sozinho.
Então, tudo fica diferente. Chega em casa e não encontra roupa lavada/passada, a comida não está pronta, não há  ninguém aguardando, ninguém para comentar sobre o  dia,  o noticiário e filmes da TV,...  Aprende desde logo que a liberdade tem um preço, e que também impõe limitações. Com o passar do tempo, desenvolve outros interesses e relacionamentos externos, vai se organizando, se acostumando com o novo formato de vida, encontrando compensações.  É gratificante. Sim porque viver sozinho também tem suas vantagens: teoricamente não há horário para chegar ou sair, dispõe de um banheiro exclusivo, não há críticas, nem cobranças particulares, etc.
Devemos também incluir no cenário aquelas pessoas que moram sozinhas, mesmo dividindo a sua casa com alguém. São independentes entre si - não dão satisfação para outra parte, tem seus horários e hábitos exclusivos. Estão ‘juntos’ por conveniência comum, normalmente por motivos de ordem econômico/financeira. Estão juntos, mas estão só.

Com o passar dos anos, se ainda continuar a viver sozinho, vai consolidando hábitos que cada vez mais inviabilizam uma nova vida compartilhada. Vai perdendo a flexibilidade. Os amigos vão rareando – ou porque se casaram, mudaram, perderam interesse em manter a relação, morreram ... E, paralelamente, muitas das atividades que praticou desde sempre, vão sendo deixadas de lado -  ou por limitações físicas, ou por falta de motivação, interesse.
Essa tendência vai se acentuando na velhice.  Contraditoriamente, quanto mais se precisar,  querer, a companhia ou ajuda dos outros, menos os outros estarão disponíveis. É uma realidade, muito triste.
A vida familiar, apesar de limitante, implica num exercício diário de dar e receber. Essa dupla ação é muito enriquecedora para nossa saúde mental e física, e para nossa evolução como seres humanos. A todo momento temos que ceder, defender os nossos pontos de vista, proporcionar e ganhar  atenção, carinho, apoio.  Isso, em outras palavras, é dar e receber amor, dar e receber a vida.  
Concluindo, poderia acrescentar que a maioria das pessoas que vivem sozinhas praticamente não compartilha a sua vida privada com ninguém, e nem tem interesse em participar da vida dos outros. Vão se tornando cada vez mais centradas em si mesma, egoístas, e por que não dizer, rabugentas. Nesse caso, a orientação divina que prega: "Para sermos felizes devemos amar o próximo como a nós mesmos", fica prejudicada,  e o próximo, naturalmente, acaba por se distanciar, e essas pessoas, consequentemente, se tornam infelizes.  
Muitas vezes não temos condições de optar. Mas, se houver, tenho convicção de que a vida em sociedade, principalmente a familiar, é uma opção melhor do que a vida só. Essa afirmação vem ao encontro da máxima:  "Juntos, somos mais fortes”. 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,