Pular para o conteúdo principal

A Viagem da Vida


Viver é como fazer uma viagem. Eventualmente, podemos até dar uma paradinha para tomar folego, descansar, mas o avançar é compulsório.
Vamos seguindo, passando por lugares maravilhosos, às vezes inóspitos, às vezes, assustadores, às vezes parados, sem vida, aborrecidos. Planícies a perder de vista, morros e vales, desfiladeiros, cachoeiras. Alguns lugares estimulam nossas  lembranças;  outros, nos parecem muito estranhos.
Faz sol, chove, escurece, amanhece. Faz frio, calor. Procuramos nos adaptar o melhor possível, a cada momento, a cada estação.
De quando em quando, caímos, nos machucamos. Levantamos. Às vezes, obtemos algum sucesso, nos alegramos, comemoramos. E continuamos.  O tempo vai passando.
Se nos encontrarmos em um lugar desagradável, pensamos:  vai passar. Sabemos que, provavelmente, lá na frente, deve haver um lugar  melhor. Então, procuramos nos distrair, pensando nos lugares e momentos bons que que conhecemos ou vivemos, nas pessoas interessantes com as quais nos relacionamos, nos amigos, parentes, nas  que não tiveram a mesma sorte que tivemos.  Ao contrário, se nos deparamos com um lugar agradável, aproveitamos o momento o melhor possível - as atrações, as companhias -, enriquecemos as nossas lembranças. Muitas vezes consideramos a possibilidade de ficar ali para sempre. Entretanto, esse lugar, essas pessoas, pouco a pouco, acabam se transformando (ou somos nós que nos transformamos?) E, afinal, acabamos por ir embora. Continuamos.  
No nosso caminhar, aqui e ali, cruzamos com outras pessoas com as quais simpatizamos, nos socializamos, descobrimos pontos e interesses afins, compartilhamos momentos, situações, podemos até seguir juntos por algum tempo, construir algo em comum. Mas, essa relação, por isso ou por aquilo, também se transforma e deixa de ser como era. Nada dura para sempre, a não ser o nosso caminhar, imaginamos.
Até que, de repente, inesperadamente, alcançamos o que parece ser o nosso destino, a chegada, o fim. Será que é?  Nunca teremos certeza até ultrapassarmos esse ponto. O que sabemos é apenas onde estamos agora. Porém, não sabemos se é aqui mesmo que deveríamos ter vindo - se é que deveríamos -, e para onde iremos em seguida, se é que vamos.
 A vida é uma viagem, talvez eterna.  

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,