Pular para o conteúdo principal

Sonhos nossos

Nesta noite, embora tenha ido dormir mais tarde do que o normal, perdi o sono bem antes da hora em que costumo acordar. Como faço nessas ocasiões, comecei a ler meu livro de cabeceira. Às 6h o rádio relógio ligou automaticamente, como programado, no noticiário diário. Comecei a ouvi-lo e, em seguida, finalmente, dormi. 
Tive então um sonho surreal, como normalmente imaginamos sejam os sonhos.  

Estava dentro de um carro, parado na porta de entrada de uma oficina ou garagem. Então, um outro carro teve que sair. Para permitir a sua passagem, comecei dar a ré. Simultaneamente, vi que atrás havia um outro carro parado.  Freei o meu, mas ele não parou e, quanto mais eu freava, mais acelerava. Fui desviando de tudo como podia, sempre de ré, e, naquela corrida maluca, pressenti a batida iminente. Olhando para trás, tentando dirigir, desencostei a cabeça o mais possível do vidro lateral,  na tentativa lógica mas ingênua de me proteger melhor para quando o acidente, inevitável nestas alturas, acontecesse.
Quando tudo parecia perdido, fora do controle, racionalmente procurei com meus pés e encontrei, um outro pedal que acionei. E, surpreendente e felizmente, comecei a sentir o carro parando. Esse pedal deveria ser o verdadeiro pedal de freio. Os que assistiam o espetáculo meneavam a cabeça, demonstrando ironia, desagrado, como se eu fosse maluco, tivesse feito aquilo propositadamente.
Nesse momento, acordei sobressaltado.
Mais tarde, refletindo sobre o sonho, sobre  tudo o que aconteceu, ocorreu-me que na nossa vida, muitas vezes, nossas ações, decisões, independentemente do nosso conhecimento, da nossa experiência, podem estar equivocadas, nos levando trás. E, se insistirmos em manter esse comportamento, acabamos por perder o  controle, e, consequentemente, impotentes para reverter a tendência, acelerando assim o processo de ‘desastre’. Nessas horas, raramente recebemos ajuda de alguém. Muito pelo contrário. Por mais absurdo que seja, o mais provável e que apareçam os predadores aproveitadores - eles sabem que é mais fácil levar vantagem das pessoas em desespero, necessitadas, carentes. Além disso, quando estamos em dificuldade, frequentemente as ocasionalidades negativas ocorrem mais do que as positivas.
Se estivermos nessa situação não adianta culpar ninguém ou buscar ajuda dos que estão bem, assistindo. Assuma o problema, a responsabilidade de solução, e a gravidade do momento. Tenha consciência de que, se não encontrar uma resposta logo, pode acabar por perder tudo o que conquistou até aqui. Pare, relaxe, analise a situação, trace alternativas e, se concluir que é necessário, mesmo a custa de sacrifícios, mude o seu estilo de vida, o seu comportamento habitual.
É saudável se ter em mente que sempre  existe uma porta de saída - como existe até na cela de uma prisão. Sempre há uma ideia, uma atitude, que pode interromper um processo desse tipo que nos envolve, nos imobiliza, que nos torna vulneráveis, sem reação. E, se nos empenharmos, vamos descobri-la. Ocasionalmente, na última hora, quando o pior for eminente.
Portanto, se nesse estado, não perder a esperança, procurar se manter calmo, receptivo e consciente. Só assim estará preparado para aproveitar aquela oportunidade, aquele ‘start’ salvador, para realizar a ação positiva, a que irá modificar o cenário, abrir um novo caminho.
No meu sonho, funcionou...

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,