Pular para o conteúdo principal

Fila do Correio


Outro dia estava na fila do correio para despachar alguma coisa, quando uma senhora idosa, bem vestida,  até então desconhecida para mim, foi atendida como cliente preferencial.  Uma mulher de cerca de 30 anos, que também estava na fila, sub nutrida e mau cuidada, ficou transtornada com o privilégio e começou a externar sua opinião, falando alto, indignada.
A senhora que ouviu tudo, ao terminar, saiu normalmente, ignorando a intempestiva.  Nessas alturas, eu também estava terminando de ser atendido e, ao final, ao passar pela mau educada ainda na fila, falei para todos ouvirem, olhando nos seus olhos, no mesmo tom que ela usou:
“Um pouco de respeito com os mais velhos, não faz mau a ninguém!”
Ela, ignorando o que eu havia acabado de dizer e a minha postura evangélica, deu um tapa na minha cara.  Fiquei atônito, sem palavras. Foi a primeira vez que alguém me faz uma coisa dessas. Passou pela minha cabeça a opção de devolver o tapa. Mas, nessas alturas, um segurança da agência, se aproximou querendo saber o que estava acontecendo.  
Exatamente nesse momento, a senhora idosa, aquela que inconscientemente causou o que causou, voltou e me convidou a sair dali com ela, com o que concordei, sem falar nada. Foi uma ótima saída – todas as outras seriam piores, considerando as alternativas. 
De braços dados, dando as costas para todos, saímos calmamente da agência de Correios. A  senhora, então, me disse, em tom de confidência, que aquela mulher ‘intempestiva’ era um ‘habitué’ do pedaço, conhecida por todos como sendo uma ‘biruta’, e que eu não deveria levar em consideração o que ela disse ou fez.  Ela se despediu, agradecendo a minha atitude e, elegantemente, foi embora.
Passado tudo, refleti sobre o que aconteceu. Concluí que, algumas vezes, temos reações exageradas a determinadas atitudes, por não conhecermos exatamente o que as motivou, ou aos seus agentes. Assim, frequentemente nosso julgamento é limitado e  precipitado. 
Se, ao invés de reagirmos assim,  fôssemos   um pouco mais a fundo no contexto, procurássemos saber mais das circunstâncias, independentemente do nosso idealismo, talvez tivéssemos uma outra reação, evitássemos fazer algo injusto, algo que poderia se transformar em  um peso,  a ser  carregado para sempre.  É, a vida em sociedade não é fácil ...
Por outro lado, o comportamento daquela senhora idosa foi inspirador. Ela não ignorou o estranho solidário que estava se metendo numa grande confusão por tentar defendê-la - resgatou, aconselhou.  
Até hoje, aguardo uma oportunidade para agir como ela, passando para alguém a imagem edificante, de racionalidade tranquila e de responsabilidade social, que ela representou para mim naquele momento. 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,