Pular para o conteúdo principal

Canja de Galinha

Outro dia, uma das minhas filhas pediu que fizessem 'canja de galinha' em casa. Eu concordei, mas disse que eu não gostava. Perguntaram: ‘- Por que?’ Respondi que não gostava, e pronto – não sabia porque. Entretanto, fiquei sensibilizado com uma lembrança que me ocorreu nessa hora e, dos meus olhos, saíram algumas lágrimas que naturalmente disfarcei.
Voltei no tempo, e me vi numa situação que não era incomum naquela época. Era então um garoto de cerca de 10 anos,  e minha mãe sofria de terríveis enxaquecas. Isto acontecia mais ou menos uma vez por mês e, quando acontecia, ela ficava de cama, por uns dois ou três dias seguidos, até se recuperar.  Nesse meio, tempo, eu cuidava da casa.
Ela não comia nada no início da crise e, depois, quando melhorava um pouquinho, pedia uma sopinha de arroz aquecido em água, sem tempero, que eu preparava e levava.  Ela comia em seu quarto, na cama, meio recostada. Ver aquele arroz flutuando na água – que para mim parecia vômito, me causava espécie. Mas, tudo bem.  Lembro-me que não sentia nada - apenas fazia o que deveria ser feito, como faço ainda hoje – em situações diferentes, é claro.
Não me lembrava de sentir nada, mas sentia sim - as lágrimas de agora mostraram isso. Sentia-me triste vendo aquela mulher poderosa, vencida pela dor, desesperada, gemendo, sofrendo, impotente.
Senti pena de mim mesmo, inexperiente, tendo que enfrentar e superar aquela situação, sem poder contar com ninguém. E ela, provavelmente, sofria também; tanto pela sua dor como por estar naquela situação, na dependência de uma criança, seu filho.
Todos superamos tudo. E, se não se tratar de propaganda enganosa,  ela atualmente deve estar num bom lugar - sou testemunha de que cumpriu com dignidade seu destino. Da minha parte, segui o meu caminho, e hoje, olhando para a minha história, para o meu passado, tive oportunidade de sentir o que não havia sentido antes, resgatando e externando um sentimento que carreguei inconsciente por tantos anos.
Foi como se tivesse assistido a um bom filme, ou lido um bom livro:  ‘Chorei nas partes tristes, ri nas alegres, me aborreci nas tediosas. Mas, ao  terminar, fiquei com a sensação de que valeu a pena, que ganhei alguma coisa, que cresci no processo. Minha compreensão da vida, certamente, foi ampliada’. 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,