Pular para o conteúdo principal

Valorização do Bem


Pelo noticiários diários fica claro que está havendo uma tendência de alta na quantidade de atos cruéis praticados contra pessoas comuns. A maldade invade nossos carros, nossas casas, nossas escritórios, nosso restaurante, nossas ruas.
Não sabemos aonde isso vai parar: ladrões colocam fogo na pessoa  por ela não ter o que eles queriam roubar; grupo de pessoas  tidas como responsáveis, inteligentes, ‘Normais’, enfrentam a polícia, incendeiam coletivos, quebram vidros de agências bancárias e destroem patrimônio público e agridem policiais; ladrão mata a vítima, mesmo ela tendo entregue o que ele queria; sem motivo aparente, alguém captura gato caseiro e retira brutalmente parte do seu couro e o solta; e por aí vai.  O que está acontecendo?
Existem muitas explicações para essa degradação moral, para essa banalização do mau. 
Diante da dificuldade em explicar, creio que para valorizar o bem, cada um, dentro das suas possibilidades, poderia fazer o seguinte:
  •          Rejeitar qualquer tipo de ato que envolva violência, dano físico.
  •     Ajudar efetivamente quem de alguma forma esteja sofrendo algum tipo de dor – ou    por ter sido   vítima desses imbecis, ou por doença. 
  •     Apoiar movimentos ou projetos de lei que prevejam penas mais duras para crimes que envolvam   violência física
  •    Mostrar para nossas crianças a importância da conservação do corpo físico, considerando sua   fragilidade, e que ele, de uma forma ou de outra, irá nos acompanhar durante toda a nossa vida.
  •      Apoiar todos os movimentos que visem resgatar os menores da rua e proporcionar a eles uma   formação que os afaste da convivência com os marginais e das drogas, e que permita a eles   encontrarem outros meios de subsistência que não seja o crime.

Esse é apenas o espírito da coisa. Naturalmente, existem outras atitudes que cada um, dentro da sua realidade, irá encontrar para ajudar a resgatar a importância do famoso lema, já roto – mais pelo tempo do que pela prática – mas que ainda carrega muito valor agregado:   
                               “Amai-vos uns aos outros como a ti mesmo!”
Nossas ações, por mais insignificantes que sejam, servirão sempre de modelo, de exemplo. Serão  como sementes lançadas, que poderão frutificar positivamente e influenciar a nossa sociedade, numa escala e dimensão muito maiores do que podemos imaginar, no nosso limitado presente. 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,