Pular para o conteúdo principal

Sobrevivente


Chegando em casa, após uma reunião de trabalho, ele se sentiu diferente de todo mundo, um ser de outro planeta.  Tinha a impressão de ser o único determinado a atingir o objetivo. Esse sentimento de exclusividade naturalmente sinalizava exagero, mas no momento não lhe ocorreu.  

Na situação vivida no trabalho, se sentiu como um agente da Swat, postado armado, todos os alertas ativados, pronto para invadir o posto inimigo. Infravermelho da arma iluminando o alvo, preparado para apertar o gatilho, dependendo da reação. E, todos os seus companheiros de missão conversando sobre assuntos aleatórios e diversos, podendo até estar sinalizando posição do grupo para o inimigo. Pode isso ?  
Sentou-se no escuro de sua sala, pensativo,  e depois de alguma reflexão concluiu: “Devo estar doente. Só eu fico focado, sigo a estratégia combinada, fico ansioso porque ninguém está fazendo o que deveria.  Por que sou assim e os demais não?  Estou estressado,  ou o quê ?’ 
Mais tarde, já um pouco mais calmo, chegou à conclusão que era vítima do tipo de vida que vinha levando.  Tinha pouco tempo para realizar tudo o que ‘devia’ fazer, e foi se tornando um ansioso detalhista, perfeccionista tenso, depurador, eliminador de recorrências:
o    Recebia dezenas de e-mails diariamente; não conseguia ler todos. Então, antes de lê-los, passou a selecioná-los por assunto e, ultimamente, por  remetente
o    Recebia dezenas de informações, reclamações, sugestões e pedidos de pessoas.  Também  começou a filtrá-los, e tomava providências dependendo do remetente, e das consequências do não atendimento.
o    Tomava conhecimento das noticias e informações de Jornais, revistas, catálogos, panfletos, programas de rádio e TV.  Ficava filtrando: interessa, não interessa... Já havia se flagrado ouvindo três emissoras do rádio do carro, simultaneamente: “este programa, esta noticia, não interessa; passa para outra, passa para a outra .... “
 “No eu me transformei? Num robô, como aquele do filme ‘O Exterminador do Futuro’?  Onde está aquele cara tranquilo, disponível, interessante  que acho que eu era ?  Está certo isso ?”
Ocorreu-lhe, então, que ele poderia ser um daqueles dinossauros da National Geograph, que habitaram o nosso planeta a milhares de anos atrás, e que , na sua grande maioria, foram extintos. Bichos que durante milhões de anos foram senhores absolutos da Terra mas que, a partir de determinado momento, por isso ou por aquilo, começaram a desaparecer e desapareceram.  
Naturalmente, alguns desses seres perceberam que as coisas já não eram as mesmas, e que havia necessidade de se adaptar para sobreviver.
Começaram a se alimentar de acordo com as circunstâncias atuais - ao invés de folhas altas, folhas mais acessíveis; animaizinhos comuns, ao invés daqueles mais saborosos, porém espertos, difíceis de caçar; ...  E,  pouco a pouco, foram se adaptando, seus corpos ficando mais adequados para as atender as exigências do novo estilo de vida. No finalmente, acabaram por se transformar nesses bichos simpáticos, que ficam pulando alegremente de galho em galho, ou andando nas florestas, voando no céu, nadando nos mares e rios, nos rodapés dos nossos sótãos, ou naqueles que estão instalados confortavelmente nos Zoológicos. 
Concluiu que era isso que devia fazer.  Para facilitar, não deixará que os outros percebam que agora está consciente de  que, se continuar agindo como vinha agindo, de acordo com sua rotina recorrente, logo logo iria se transformar num ser totalmente descartável, um inútil perdido nos detalhes.  
Definitivamente iria mudar seus hábitos: no dia a dia, passaria a se satisfazer apenas com ‘bananas’ e ‘bichos pequenos’ - nada de especial ou chamativo. Passaria a ser mais seletivo nas suas metas – quanto menos olímpicas, melhor.  Dedicaria a maior parte do seu tempo para executar aquilo que definisse como sendo prioritário, o mais significativo para ele como pessoa. E, além disso,  tentaria fazer com que as metas selecionadas dentro dessa nova ótica, acontecessem sem estresse, de uma forma  discreta, planejada  e  eficaz.   

Assim, para ele, o amanhã será primeiro dia de uma nova época, inicio de um período de adaptação, ao final do qual ele sairá transformado para melhor, um novo ser, um sobrevivente.
Pensando assim, foi dormir mais tranquilo.

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,