Pular para o conteúdo principal

Mundos Paralelos

Ele teve uma origem muito simples. Seus pais, como tantos, vieram do interior para uma grande cidade, sem formação superior, aprenderam uma profissão, trabalharam, criaram uma família. Procuraram dar para os seus filhos aquilo que eles não tiveram  - estudo. Imaginavam que assim eles teriam maiores oportunidades e facilidades do que tiveram.  Verdade.
Entretanto, o que eles legaram para seus filhos, mais do que tudo, foi a consciência de que eram capazes de qualquer coisa, que tinham uma origem especial e uma  força que sempre os ajudaria, em qualquer situação. De onde tiraram isso, não se sabe, mas acreditavam e passaram para eles.  
Sempre ajudaram a todos que precisaram, sem medir esforços. Quantas vezes, ao chegar em casa ele encontrava uma família, às vezes estranha, com seus móveis espalhados pelos ambientes – haviam perdido a sua própria casa e, momentaneamente não tinham para onde ir. Eram ali recebidos, acolhidos. Ali também frequentemente havia uma pessoa hospedada; alguém que havia vindo do interior, que estava sendo orientada por eles para conseguir colocação, começar uma nova vida aqui na cidade. Ocorreu até com pessoas de outros países, imigrantes italianos, como foram os pais do pai dele.  
Mesmo com todos os gastos e desprendimento natural, nunca faltou dinheiro na casa. O pai, fez dois negócios significativos na sua vida, aconselhado e orientado por amigos. Comprou um grande terreno na periferia da cidade, e um pequeno apartamento no bairro com o qual eles sempre se identificaram - bairro onde eles ficaram pela primeira vez, quando aqui chegaram.
Esse terreno e apartamento  doaram para seus filhos ainda em vida, por isso sou por aquilo. Esses imóveis, mais tarde, foram  vendidos e serviram de base para os filhos poderem comprar cada um  o seu próprio, para viver com suas famílias, sem precisar pagar aluguel.
Ele e os irmãos,  e todos que os conheceram, cuidaram dos pais na velhice, e nunca lhes faltou nada, até o fim.
Procurou viver observando os princípios com os quais foi criado, tendo sempre fé que no final tudo daria certo. Procurou ser justo com as pessoas e nunca negou ajuda para quem precisasse, desinteressadamente.  Quando passou dificuldade sempre alguém se aproximou e o ajudou. Sentia esse carinho, mesmo por parte de quem nunca tinha ajudado.  Por que isso acontecia?
Muitos afirmaram que viam nele um ser especial, iluminado. Sempre de bem com a vida, mesmo nos momentos mais difíceis.  Ponderado, bem humorado, procurava ser útil, mesmo quando, muitas vezes, precisava mais do que nunca de ajuda.  Ajuda que sempre acabava vindo. Ele às vezes nem acreditava, pois não havia um explicação lógica para algumas.
Por exemplo: Estava já há seis meses sem poder pagar a faculdade.  O diretor lhe chamou e lhe disse que sentia muito, mas que não tinha mais o que fazer. Ele precisaria fazer o acerto, senão não poderia concluir o curso. Então, ocasionalmente,  ele soube de alguém precisava vender uma propriedade rural e, paralelamente, soube de alguém que estava procurando um imóvel assim para comprar. Fez a venda, recebeu uma comissão que nem chegou a entrar na sua conta bancária – foi direto para pagamento da faculdade. Ele nunca havia feito algo assim. Numa outra vez, por sugestão da esposa, foi visitar uma casa para comprar. Assim como toda a família, adorou a casa, o lugar. Quando iam saindo, sua filha mais nova, de três anos, do banco de trás do carro, lhe perguntou: ‘- E então, o que você achou?’ Ele respondeu que havia gostado muito, mas que não havia chance;  não tinha como pagar o que estava sendo pedido. Então, a filha lhe disse ‘-Se você quiser mesmo, você consegue’.  Ele considerou essa fala meio profética, vindo da boca de uma criança. Acreditou, foi e frente, e tudo deu certo até o final.  Haviam essas e outras histórias que tinham em comum o inacreditável.
A explicação para o inacreditável que lhe ocorreu é que havia uma espécie de banco de energia, que ficava em algum lugar.  Nesse banco as pessoas depositavam  suas energias positivas – geradas pelas suas boas ações, debitavam as negativas, e resgatavam o saldo necessário quando precisassem.  Esse banco era comum para todos, embora elas não tivessem consciência disso.  As energias positivas poderiam e eram utilizadas por quem precisasse;  a ajuda necessária  viria através de qualquer um, às vezes estranhos, na forma de uma coincidência, inspiração,....  Quanto maior o crédito de cada um, maior a possibilidade de ajuda. O importante era não ficar fazendo a contabilidade, ou contar com a ajuda desse mundo paralelo. A energia, para ser positiva, para ser creditada, precisava ser gerada desinteressadamente, motivada principalmente pelo amor e carinho pelo próximo.  E a ajuda, ocorreria espontaneamente, no seu tempo e forma. 

Pensando assim, continuou sendo como sempre foi, observando os princípios que lhe foram passados, e que também procurou passar para a sua família.
E tudo, no final, deu certo, tanto para ele como para os seus, como sempre. 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,