Pular para o conteúdo principal

Lembranças

Ele trabalhava numa multinacional alemã, na área de sistemas e métodos.  Eram vários analistas separados pela área de atividade em que atuavam, mas muito próximos pelo interesse  comum e pela convivência diária.  Eram jovens mas tinham acesso a todos os níveis da empresa e, normalmente, eram muito bem recebidos, aceitos, pelo seu conhecimento e pela importância do que faziam. Tinham as mesmas dificuldades, mais ou menos a mesma idade e formação, almoçavam juntos quase todos os dias e, eventualmente, se socializavam fora do horário do expediente.
Um deles era o Buckman. Um cara muito comunicativo, alegre, sempre muito boa companhia. Entretanto - sempre tem um entretanto -, embora casado, era muito mulherengo. Isso era de conhecimento geral e este fato o ajudava no processo de conquista – ter acesso a muitas mulheres significava para as demais que ele tinha algo especial e, além disso, despertava o espírito competitivo muito comum entre muitas mulheres disponíveis nessa parte. Era um ótimo marketing, como ele próprio dizia.  Dava aula numa faculdade à noite, e se comentava que era para facilitar o contato, se relacionar com as ‘menininhas’.
Num determinado dia, o grupo estava almoçando numa mesma mesa, no restaurante da empresa. Passaram pelo eles duas moças loiras, muito bonitas, novas no pedaço, dirigindo-se ao bufê.  Depois ficaram sabendo que eram duas irmãs, recém chegadas da Suécia. Alguém perguntou, apontando as garotas:
¾          Então Buckman, já chegou aí? Ele respondeu:
¾           Já.  Todos zoaram, não acreditando. Ele disse:
¾          E com as duas.”  A zoada foi maior ainda.
¾           E juntas!’
¾           Ah! Não! Você está brincando?! Ninguém acreditava...
¾          Vocês são muito tontos. Vejam, quando tenho oportunidade, que aliás as crio, faço normalmente dez tentativas com diferentes garotas. Me dou bem em duas. Ou seja, 20%. E vocês? Vocês fazem duas tentativas em média, esporadicamente. Mantidas a proporção, vocês não conseguem, não ficam com  nenhuma. Certo? Então ...
Todos tiveram que concordar com a sua lógica e, daí em diante, todos passaram a respeitá-lo mais. Sua teoria ficou sendo conhecida como a ‘Lei de Buckman’.
Por que ele se lembrou disso agora, tantos anos depois?  O que lhe ocorre é que agora está tendo uma dificuldade fundamental para deslanchar a sua vida profissional. Está tendo dificuldade para conquistar clientes, convencer as pessoas das suas ideias, enfim para  vender o seu ‘peixe’.
Será que ele está agindo como um tonto, será que não está aplicando a Lei de Buckman:  fazendo marketing pessoal, frequentando ambientes onde estão os clientes em potencial, aumentando a quantidade de contatos?  Certamente não está. Então? Então vamos mudar, vamos aplicar a Lei, vamos conquistar.
Algumas lembranças especialmente boas, são como um tesouro, que  guardamos com muito carinho dentro do nosso peito. Nada consegue apagá-las.  Recorremos a elas de vez em quando. Mas, principalmente, quando elas querem nos dizer algo no presente.

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,