Pular para o conteúdo principal

Lado bom de cada um


Hoje, véspera do feriado prolongado de Páscoa, muitas pessoas anteciparam suas viagens para evitar o congestionamento das estradas. Mas, nem todos. Alguns, como ele, tiveram que trabalhar e,  enfrentar o trânsito piorado das ruas e avenidas da grande cidade para se deslocar para cá e para lá. Entretanto, nesse mais parado do que em movimento, ele teve oportunidade de presenciar duas cenas muito parecidas que o levaram a refletir.
Numa delas, um menininho, desses simpáticos, que vendem balinhas nos cruzamentos, passou oferecendo seus ‘produtos’. Ele, como a maioria dos que estavam parados aguardando o farol abrir,  não comprou. Porém, um dos motoristas buzinou chamando o garoto e lhe deu uma bela bola de futebol, dessas que ele certamente não poderia comprar. Ficou tão feliz que nem gradeceu direito. Saiu correndo e foi mostrar para a mãe e as irmãs que estavam sentadas num gramado, numa praça próxima. Chegou jogando as balinhas de qualquer jeito, mostrando a bola como alguma coisa muito especial, surpreendente.
Na outra, agora já num outro farol, um vendedor vendia qualquer coisa, que ele nem prestou atenção ao que era, e já disse não. O motorista do carro da frente, um cara alto, atlético, num carro esporte conversível, desceu ao ser interpelado pelo rapaz. Todos ficaram meio que assim, esperando alguma atitude diferente.  E foi diferente mesmo. Ele, que havia saído do carro, se agachou na direção do banco traseiro, e pegou de lá uma caixinha, do tamanho de um ovo de páscoa médio, e a deu ao rapaz. O rapaz ficou super feliz e saiu agradecido, continuando na sua lida. O motorista provavelmente deu a ele um presente que ele mesmo recebeu e não precisava, ou um presente que comprou para dar para seus funcionários, sei lá.
Então, ele pensou duas coisas:
Primeiro - aqueles que receberam os presentes, foram surpreendidos positivamente pois estavam acostumados, ao invés de receberem agrados, a serem maltratados; ao invés de ganharem coisas, que lhes tirassem o pouco o que tinham. Esses presentes foram tão significativos que certamente ficarão para sempre registrados em suas mentes, e influenciarão suas decisões e ações futuras.
Segundo -  ‘Por que? Por que num mesmo dia ele viu  a mesma cena que não se recordava de ter visto antes?’ A resposta natural é: ‘Porque hoje é Páscoa’. Como poderia ser: ‘Porque hoje é Natal’, ou outra comemoração qualquer.  As pessoas ficam melhores nesses dias?  Não. As pessoas são o que são todos os dias; ninguém muda por conta do calendário.  
Em resumo, concluiu que é necessário resgatar mais frequentemente a fé e esperança desses pobres, oprimidos. E mais, ao contrário do que todos dizem, as pessoas são boas na sua essência. O que falta é terem consciência disso, e passarem a dedicar seu tempo, talento para modificar o que tem que ser modificado nessa parte, dentro dos seus limites, do seu âmbito de atuação.

Isso teria um efeito de transformação muito grande, principalmente se praticado pelos mais poderosos, por aqueles que têm a capacidade de fazer algo mais efetivo para que esses carentes se superem,  possam sair dessa vida miserável de dependência da caridade alheia, e passar a ganhar sua subsistência como de direito - como um assalariado, ou como dono do seu próprio negócio.  Aqueles que, em decorrência, forem incluídos socialmente, poderiam por sua vez, contribuir também para modificar a vida daqueles que ainda vivem como eles viviam, criando assim uma recorrência virtuosa.  
Pensando assim, seguiu o seu caminho, com a cabeça já focada nos seus próprios problemas. 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,