Pular para o conteúdo principal

Identidade Pessoal


Era um empresário bem sucedido, frio determinado, sem limites -   até cruel às vezes. Era rígido consigo mesmo e com os outros. O que regia a sua vida era o seu objetivo. Se  se sentisse prejudicado nessa parte, ele reagia com fúria, ou então estratégica e  racionalmente, dependendo da situação. Normalmente, fazia prevalecer sua opinião e castigava seu opositor, até colocá-lo impiedosamente no seu ‘devido’ lugar.
Uma vez, por exemplo: ‘Eventualmente um dos sócios da sua empresa incluiu no quadro de pessoal alguém da sua confiança, e foi delegando a ele atribuições. Este foi avançando, invadindo o território dos demais executivos, criando um clima de insatisfação. E continuou, incentivado por aquele sócio que tinha sonhos de assumir a empresa. E continuou... Ele então reuniu toda a diretoria, demonstrou claramente o que estava acontecendo, utilizando de argumentos conclusivos. Colocou o assunto de tal modo que ninguém teve dúvida da impropriedade e o apoiou. O ‘invasor’ saiu da empresa, e nunca mais voltou, repudiando quem o havia incluído nessa ‘furada’. O sócio responsável ficou desacreditado, e não criou mais problemas, se afastando também’.  Ele era assim...
No fim do dia de trabalho voltava para casa, para sua família, onde sempre foi o marido responsável e amoroso, o pai exemplar. Provedor eficiente, atencioso, caridoso na relação.
Socialmente, Era bem articulado e estimado. Convivia bem com as pessoas mais variadas, que tinham a ver com seus negócios ou com a sua vida pessoal.
Frequentava o clube esportivo da região onde morava. Lá tinha um grupo de amigos antigos e, periodicamente, praticava o seu esporte preferido. Participava de todas as atividades do grupo, era alegre e brincalhão, querido por todos. Nesse ambiente, era uma pessoa completamente diferente da que era na sua vida profissional ou familiar.
Ele mesmo, numa autoanálise,  se considerava  uma pessoa capaz, generosa, amiga, embora  também um educador - responsável, duro e exigente. Além disso, um defensor intransigente dos espaços que havia conquistado..
As pessoas de sua relação, dos diferentes grupos, se se encontrassem, dificilmente o identificariam como sendo a mesma pessoa.
Afinal, quem era esse homem, tantas identidades tinha?
Ele, provavelmente, não era nenhum daqueles que cada grupo imaginava, e nem era quem ele mesmo julgava ser. Como se diz, ele era o que era, dependendo das circunstâncias.
Aplicava, a cada momento da vida, seu conhecimento, experiência, e a fusão dos seus sentimentos predominantes. E como isso variava sempre, ele não era quem foi antes, e nem quem poderia ser, ou acabou sendo depois.
E o que há em comum em todos esses indivíduos?  É a sua estrutura. Estrutura que como o esqueleto do corpo humano, foi se consolidando com a vida,  até se estratificar num determinado momento. Esse esqueleto, comportando simultaneamente um ‘coração’ (sentimentos), um ‘cérebro’ (razão),  além de ‘músculos’ (impulso e força de vontade), e ‘artérias e pulmões’ (conexões),  permite que tudo  interaja e seja único, embora possa parecer diferente para quem conviva parcialmente com ele. 
A completitude, a identidade potencial plena de cada um, provavelmente nunca será alcançada pela maioria dos homens. Porém, se alguém tiver uma vida autêntica, voltada na prática para aquilo em que acredita, pouco a pouco, irá adquirindo um nível de ‘sabedoria’ próprio. Essa sabedoria, qualquer que seja seu nível, sempre se manifestará, levando-o a ter atitudes afins, cada vez mais independentes das circunstâncias e, afinal,  é o que acabará por definir a sua identidade pessoal, única, que o diferenciará de todos os demais, 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,