Pular para o conteúdo principal

Despedida


Ele sempre foi um homem responsável, conservador, tinha muitos amigos,  era considerado boa gente, e foi alguém que se deu bem acima da média na vida profissional - além de participar dos empreendimentos administrados por sua família. A mulher e os filhos eram o seu mundo, o lugar que prezava e procurava refúgio. Entretanto, sentia um certo afastamento da esposa a quem sempre prezou muito. Procurava incluí-la nos seus programas, sem sucesso. Foram se falando cada vez menos, até que não se falavam mais. Como ela era que tinha um contato mais frequente com os filhos, pouco a pouco foi reduzindo o contato com eles também. 
Comentava que o seu melhor amigo na casa, que era quem o recebia com alegria quando chegava, era o cachorro. Alguém que esteve na casa dele, comentou que o seu quarto – sim porque ele não dormia mais no mesmo quarto que a esposa – era o menor da casa, e estava todo desarrumado, com roupas espalhadas por todo canto...
Eventualmente um conhecido comentou com o irmão dele que a mulher – a cunhada -  estava tendo um caso com o dentista dela. O irmão por  sua vez, se achou na obrigação de colocá-lo a par. A acusação era gravíssima,  mas ele se recusou a acreditar e a esclarecer. Ficou assim. 
Dizia para os amigos que iria fazer uma viagem com ela, e tentar restabelecer relação. E quem conhecia a história não acreditava nessa possibilidade. Corria o boato de ela havia se casado com ele por interesse e que, mais tarde, descobriu que o ‘pacote’ não incluía tudo aquilo que ela imaginava.  Uma vez lhe disseram: : “Não sei porque você ainda insiste. Seu casamento está morto já há muito tempo. Neste caso, não resta mais nada a fazer, senão o funeral dele, da melhor maneira possível.“  Mas não adiantava, ele se auto iludia, não querendo acreditar no que era óbvio para todos.
O tempo foi passando, a situação ficando cada vez pior, e ele acumulando  mágoas.  Até que, num dia daqueles, em que parece as coisas chegaram num ponto limite, tomou a decisão que deveria ter tomado já há muitos anos, e colocou um ponto final na história. Foi curto, grosso, e decisivo na sua mensagem:
"Desde o início da nossa relação deixamos claro que ela só teria sentido se fosse prazerosa, não causasse estresse, não prejudicasse ninguém. Que viria acrescentar, proporcionar bons momentos, nos  tornar mais felizes.Infelizmente, não é isto que está acontecendo. Ultimamente, tenho ficado dependente da sua disponibilidade, intenção, interesse. Raramente você me procura e, quando a procuro, frequentemente não sou atendido. Se combinamos alguma coisa, você deixa de cumprir, por isto ou por aquilo.O que você faz, contraria o seu discurso - sinto-me manipulado, desprezado. Isto, naturalmente, não me traz bons momentos, não me faz mais feliz - muito pelo contrário.Por que?  A única explicação que me ocorre é que tenha havido uma perda do seu interesse, da motivação inicial. Este seu comportamento, mesmo que inconsciente, sinaliza distanciamento, rompimento... Teria sido tão mais simples se você me tivesse assumido isso e me  colocado a par do que estava sentindo, da suas dúvidas, da sua intenção...Mas, não importa, tudo tem seu tempo, mesmo que, muitas vezes, tenhamos dificuldade para entender, aceitar. Como disse Fernando Pessoa: "As coisas não têm explicação, têm existência".  Assim, com um grande atraso, entendi, aceito, e vou interromper agora o que, por você, já está interrompido .Basta. Fica a história que construímos juntos, a qual já faz parte de nossas vidas, que não pode ser ignorada e, muito menos, apagada. Entretanto, a partir daqui vamos encarar a realidade, não há motivo para continuar representando nossos 'papéis' originais. Siga seu caminho, encontre o que você procura, precisa, fique bem.  Eu, farei o mesmo."
Esse fato veio confirmar o que as pesquisas, na fronteira entre a sociologia, a psicologia e a neurociência, concluíram:
‘Numa decisão relevante para as nossas vidas, as emoções são significativamente mais importantes do que a razão’. 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,