Pular para o conteúdo principal

O ‘Quase-Rei’ de São Paulo




Tudo ocorreu em 1641 e o Mosteiro de São Bento colonial foi o cenário deste episódio 



‘Aclamação de Amador Bueno’, 1931   Oscar Pereira da Silva, 1865-1939


Durante os mais de 500 anos da história do Brasil, grandes e curiosos episódios passaram despercebidos na nossa trajetória. O mais emblemático deles talvez seja o ‘quase-rei’ de São Paulo, figura essa, que atende pelo nome de Amador Bueno de Ribeira, 1584~1649.

Em 1640 tomava posse dos domínios portugueses o rei Dom João IV, Duque de Bragança, retomando o reino, e marcando a independência de Portugal. Esse  período ficou conhecido como ‘Restauração’. Era o fim da União Ibérica, iniciada em 1580, quando Portugal ficou sob o domínio espanhol.

Nessa época, em São Paulo haviam muitos espanhóis. Eles acreditavam que a capitania de São Vicente poderia ficar sob domínio da Espanha se os paulistas decidissem se separar de Portugal. No entanto, eles não podiam revelar suas verdadeiras intenções, e propuseram nomear um rei paulista. O escolhido foi o rico fazendeiro Amador Bueno da Ribeira.


Amador Bueno, desenho de Belmonte, 1941


Esse icônico personagem vinha de uma próspera família de raízes hispânicas - seu pai era espanhol, e participou da Câmara da Vila de Piratininga. Ele possuía uma grande fazenda de trigo, na qual trabalhavam muitos índios guaranis.

Argumentavam que os paulistas não poderiam, não deveriam, reconhecer por um soberano um príncipe português, a quem ainda não haviam jurado obediência.

Lembravam ainda que, nessa investida, poderiam utilizar os milhares de índios e escravos que controlavam, podendo formar ‘exércitos formidáveis’, intento  que seria facilitado pela localização de São Paulo, isolada do mar pela serra.

Pela Vila foi-se espalhando que São Paulo teria um rei, e a população se exaltou, aclamando popularmente Amador Bueno como ‘Rei de São Paulo e dos Paulistas’.

Quando recebeu a proposta para ser o ‘rei’ de São Paulo, Bueno ficou pasmo. Lembrou a todos que todos deviam aceitar o destino do reino de Portugal, e se recusou travar uma guerra contra o resto do país em prol do interesse espanhol, contra o poder da coroa portuguesa.

Mas sua recusa não teve o efeito desejado. A população não aceitou sua decisão, e o ameaçou de morte caso não empunhasse o cetro.

Ele teria saído de sua casa escondido, com a espada na mão, caminhando apressado para o Mosteiro de São Bento. Mas todos corriam atrás gritando: ‘Viva Amador Bueno, nosso rei!’. Ao que ele respondeu muitas vezes, em voz alta: ‘Viva o senhor D. João IV, nosso rei e senhor, pelo qual darei a vida!’.

Chegando ao mosteiro, Amador Bueno pediu a intervenção do abade e dos monges para ajudá-lo a traçar uma estratégia para convencer a turba acerca do legítimo direito da Casa de Bragança ao trono lusitano.

Em seguida, o aclamado, juntamente com os clérigos, se dirigiu ao encontro dos revoltosos que estavam agrupados na porta do mosteiro para obrigá-lo a empunhar o cetro, ou matá-lo, caso continuasse a se recusar.

Contudo, os argumentos de que com a morte do último rei da dinastia de Avis, o Cardeal D. Henrique, a Coroa passaria naturalmente para a Casa de Bragança - se os reis de Castela não tivessem usurpado tal direito, conseguiram levar os amotinados ao arrependimento e a aderir ao movimento restaurador.

Assim, em 3 de abril de 1641, Dom João IV foi solenemente reconhecido soberano dos paulistas, que a ele juraram fidelidade e obediência. Portanto, o ‘reinado’ de Amador Bueno durou pouco.

Por esse ato, Amador Bueno recebeu carta de el-rei qual que lhe agradecia a lealdade. Quase duzentos anos depois, Dom Pedro I fez questão de ressaltar que foi aclamado Imperador pela primeira vez, na terra do ‘fidelíssimo, e nunca assaz louvado, Amador Bueno de Ribeira’.




Atualmente, há diante da portaria do mosteiro uma placa lembrando este episódio, bem como, na lateral da Igreja São Bento, na Rua Florêncio de Abreu, uma efigie de Amador Bueno, rejeitando a coroa que se encontra aos seus pés.  Amador Bueno empresta seu nome a uma rua próxima ao Largo Treze de Maio, em São Paulo, e a uma estação da CPTM, que faz parte da extensão operacional da Linha 8–Diamante, localizada no município de Itapevi.

O principal relato da aclamação de Amador Bueno é o de frei Gaspar da Madre de Deus, 1715-1800, um padre que viveu entre Santos, Rio de Janeiro e São Paulo, tendo chegado ao cargo de abade no Rio em 1766. Frei Gaspar foi autor das ‘Memórias Para a História da Capitania de São Vicente’, em que narrou a aclamação de 1641. A narrativa começa quando chega a São Paulo a notícia de que o duque de Bragança tinha sido aclamado rei de Portugal, com o nome de D. João IV.




Fonte: São Paulo in Foco, WP,  Dvs


(JA, Set19)



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,