Pular para o conteúdo principal

Katharina von Bora e a Reforma Protestante



A freira alemã, Katharina von Bora, fugiu de um convento católico ao se identificar com as ideias protestantes de Martinho Lutero
“Em outubro de 1517, portanto há 500 anos, o padre e teólogo alemão Martinho Lutero publicou as suas ‘95 Teses’, uma série de afirmações com as quais contestava práticas e interpretações da Igreja Católica. Esse é considerado, pela maioria dos historiadores, como o marco zero da Reforma Protestante.
Lutero é o principal líder do movimento que se espalhou por diversas partes da Europa no século 16, e acabou por redesenhar o mapa religioso do continente, antes predominantemente católico. Lutero ganhou apoio de religiosos que se identificavam com suas ideias reformistas, mas também de governantes e outros líderes políticos, muitas vezes interessados em que o papa tivesse menos poder numa Europa ainda fragmentada, com Estados soberanos nascendo.
Algumas das teses de Lutero
24. Assim sendo, a maioria do povo é ludibriada com as pomposas promessas do indistinto perdão, impressionando-se o homem singelo com as penas pagas.
52. Esperar ser salvo mediante breves de indulgência é vaidade e mentira, mesmo se o comissário de indulgências e o próprio papa oferecessem sua alma como garantia.
 79. Alegar ter a cruz de indulgências, erguida e adornada com as armas do papa, tanto valor como a própria cruz de Cristo é blasfêmia.
Entre tantos apoiadores, um deles esteve presente no dia a dia de Lutero, nos últimos 20 anos da vida do teólogo. Na verdade, era uma apoiadora, chamada Katharina von Bora, ex-freira alemã que foi casada com Lutero.
Bora nasceu em 1499, em uma família empobrecida da nobreza alemã. Ainda criança, começou a receber educação formal em um convento católico, onde foi alfabetizada, aprendeu latim e música. Bora prestou votos e virou freira.
A partir das ‘95 Teses’, em 1517, os pensamentos de Lutero foram ganhando força pela Europa. Todo o clero passou a ter contato com as ideias do teólogo alemão, criticando-as ou apoiando-as, pois eram o grande acontecimento da Igreja na época.
Mesmo na clausura de um convento, Bora teve contato com as críticas de Lutero e se identificou com elas. Junto com outras freiras também interessadas na Reforma, conseguiu se comunicar com religiosos próximos a Lutero e, em 1523,  arquitetaram uma fuga, à noite, dentro de uma carruagem que transportava peixe.
O grupo que ajudou as freiras a fugirem também passou a buscar pretendentes para elas — naquela época, mulheres solteiras carregavam um forte estigma social, e tinham poucas chances de se sustentar financeiramente.
Bora negou pedidos de casamento, e disse que se casaria apenas com Lutero ou com Nicolau von Amsdorf, também teólogo reformista. Ela então se casou com Lutero, em 1525.
Na época do casamento, Lutero já havia sido excomungado (expulso) da Igreja Católica pelo papa Leão 10º, que o considerava subversivo, após se negar a revogar as suas contestações. e queimar um documento papal em público. Com apoio político, Lutero evitou a pena de morte.
O casamento entre uma ex-freira e um ex-padre não era bem visto por algumas pessoas do círculo mais próximo de Lutero, que temiam um escândalo que enfraquecesse o movimento reformista. Outro grupo defendeu o matrimônio, pois seria um rompimento definitivo entre a Igreja Católica e Lutero, ao contrariar a norma do celibato.
Anos antes, Lutero já havia escrito a favor do casamento de clérigos, mas não havia se dedicado a procurar uma esposa. A proposta partiu de Bora.
Estudiosos indicam que o casamento dos dois foi importante, na tradição cristã protestante, para consolidar o casamento de líderes religiosos, o que é proibido no catolicismo. Foi um precedente poderoso por se tratar do maior líder protestante. Eles tiveram seis filhos.
Os adversários de Lutero tentaram utilizar Bora como um ‘ponto fraco’, a fim de prejudicar a credibilidade dele perante os cristãos. Ela foi tachada de alcoólatra, interesseira e vadia, por quem fazia propaganda anti-Lutero. Também disseram que ela tinha filhos fora do casamento. Usaram ainda o fato de ser uma ex-freira, algo escandaloso para a moral da época, como um ataque ao movimento da Reforma.
O lar dos dois, em Wittenberg (Alemanha), passou a servir não só como residência. Eles ofereciam abrigo a cristãos perseguidos por apoiar as ideias reformistas, recebiam personalidades políticas interessadas em falar com Lutero, promoviam encontros para congregar intelectuais e líderes da Reforma, ofereciam pensionato para estudantes, entre outras atividades.
A grande responsável por administrar tantos eventos era Bora. Além disso, também comandava as finanças da casa e da propriedade, na qual que produziam cerveja, criavam animais, e também cultivavam um pomar.
Bora também participava das discussões dos intelectuais da Reforma, em Wittenberg, sobre religião e política. Tratou algumas vezes sobre as publicações do marido com seus editores, insistiu que ele escrevesse uma resposta ao padre e teólogo holandês Erasmo de Roterdã, um dos grandes críticos de Lutero. Ela detinha, portanto, uma posição e prestígio raros para uma mulher na Europa do século 16.
O pensamento de Bora é pouco conhecido pois não restaram muitos de seus escritos. Sabine Kramer, historiadora e pastora luterana alemã que fez sua tese de doutorado sobre Bora, disse à revista National Geographic que, nas transcrições e publicações dos debates da época sobre a Reforma Protestante, muitas das contribuições de Bora foram retiradas ou atribuídas a homens.
Lutero morreu em 1546, aos 62 anos, em Eisleben, sua cidade natal. Em seu testamento, deixava tudo para a esposa. Isso ia na contramão das leis da época, que estabeleciam que deveria haver um homem entre os herdeiros. Katharina von Bora morreu em 1552, aos 53 anos, na cidade de Torgau, depois de deixar Wittenberg sucessivas vezes após a morte de Lutero, por razões como guerras, surto de doenças e dificuldades financeiras.”

Texto: Matheus Pimentel  | =Nexo Jornal
Imagem: Katharina von Bora  -  pintura do alemão Lucas Cranach, 1529



(JA, Out17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,