Pular para o conteúdo principal

Arte Científica



‘The Art and Science’  of Ernst Haeckel is published by Taschen



Ernst Heinrich Philipp August Haeckel (Potsdam, na Prússia, Alemanha, 1834 — Jena, 1919) foi um biólogo, naturalista, filósofo, médico, professor e artista alemão que ajudou a popularizar o trabalho de Charles Darwin e um dos grandes expoentes do cientificismo positivista.
Descreveu e nomeou várias espécies novas, mapeou uma árvore genealógica que relaciona todas as formas de vida. As contribuições de Haeckel à zoologia eram uma mistura de pesquisa e especulação, ampliou as ideias de seu mentor, Johannes Müller, argumentando que os estágios embrionários em um animal recapitulam a história de sua evolução, e, portanto, a ontogenia é a recapitulação da filogenia.
Foi médico e um artista versado em ilustração que se tornaria professor em anatomia comparada. Foi dos primeiros a considerar a psicologia como um ramo da fisiologia.
Propôs alguns termos utilizados frequentemente como filo, ecologia, antropogenia, filogenia e Reino Protista em 1866. Os seus principais interesses recaíram nos processos evolutivos e de desenvolvimento e na ilustração científica. O seu livro ‘’The Art and Science’ é um conjunto de ilustrações de diversos grupos de seres vivos.
O influente cientista evolucionário, que cunhou termos como ‘células-tronco’ e ‘ecologia’, também foi um ilustrador virtuoso. O editor do recente livro, que homenageia este trabalho, apresenta alguns destaques.


'Monografia na Radiolaria, 1862, vol 1, chapa 15' 

Haeckel (1834-1919) era um cientista, filósofo, médico, professor. Ele cunhou muitas palavras em biologia que ainda usamos hoje, como ecologia, filo e células-tronco.
Haeckel foi excelente como artista científico. Em vez de desenhar apenas uma vista frontal, ele também ilustrou o outro lado -se visível- através de lacunas e furos nos esqueletos. O resultado foi uma imagem tridimensional - raramente visto até então. Além disso, muitas das formas de vida que ele desenhou eram completamente desconhecidas para o público.




Atlas de Esponjas Calcárias, 1872, prato 6
'Nenhum outro cientista teve a capacidade de fazer obras de arte tão bonitas, além de descrever organismos com muita precisão. Muitos dos contemporâneos de Haeckel pensavam que ele estava longe demais com seu talento estilístico - mas ele sabia muito bem que era necessário chegar a um amplo público para obter suporte para as ciências naturais e a ideia da evolução. Combinar a precisão científica com a apresentação da beleza natural reflete sua filosofia - que tudo no universo é coerente.




Monografia da Medusa, vol. 1, 1879, prato 1 '
Haeckel mostrou muitas das suas águas-vivas e sifonóforas como se estivessem na água, desdobrando os braços e os melhores tentáculos, como cabelos flutuantes. Ele colocou muito esforço para organizar seus pratos de forma atraente em relação à sua estrutura geral e tamanho. Mas os objetos que Haeckel examinou são, em si, uma beleza excepcional. Existe algo mais bonito do que a natureza? Coloque todas essas coisas juntas e você tenha um ‘Haeckel’ genuíno. Isto é o que torna seu trabalho único.





'Monografia da Medusa, vol 2, 1881, prato 1
'Como professor, ele foi amado por seus alunos, muitos dos quais se tornaram professores de biologia em todo o mundo. Eles sempre descreveram Haeckel como ‘uma pessoa que só pode amar’. Mas ele teve seus inimigos como cientista, particularmente na igreja católica. Ele disse uma vez: ‘Eu sou forçado a reagir como se não fosse eu’. havia duas pessoas diferentes em Haeckel, dependendo de com quem ele estava falando.





Relatório sobre o Siphonophorae coletado pelo HMS Challenger, 1888, prato 50 
'A primeira vez que Haeckel e Charles Darwin se encontraram em 1866, Haeckel tinha 32 anos e Darwin tinha 57 anos. Darwin estava um pouco ansioso, já que a resposta à Origem das Espécies tinha sido morna na Alemanha, então ele convidou o biólogo e seu ‘bulldog’, Thomas Henry Huxley como estepe - se houvesse algum tipo de confronto, ele poderia desarmá-lo.





Cnidários, das Formas de Arte na Natureza, 1899-1904, prato 8 
'Mas Darwin disse que nunca conheceu uma pessoa tão cordial e de mente aberta como Haeckel, e escreveu isso em várias cartas aos amigos. A esposa de Darwin também estava entusiasmada com Haeckel - seu inglês estava longe de ser perfeito e às vezes ele usava as palavras erradas, então eles se divertiram muito.





Cnidarians e Siphonophores Art Forms in Nature, 1899-1904, prato 17 
'Quando Darwin perdeu sua filha mais velha Annie, em 1851, sentiu que não poderia haver nada como um Deus [no mundo]. E isso causou muitos problemas entre ele e sua esposa Emma, que era uma forte crente. Haeckel perdeu sua esposa aos 29 anos de idade. Ele já teve suas dúvidas, mas esse foi o último passo para ele dizer que não havia Deus - e se houvesse, deve ser a natureza em sua totalidade’.





Cnidários e Scyphozoans, de Art Forms in Nature, 1899-1904, prato 28 
'Durante sua vida, a maioria dos europeus era um pouco racista - e assim era Haeckel. Ele também escreveu muito sobre a pena de morte e a apoiou; Huxley e Darwin se opuseram, além de serem totalmente contra a escravidão. Eles eram muito mais humanos. Muitas das opiniões políticas de Haeckel não eram compatíveis com as de Darwin.






 Crustáceos, de Art Forms in Nature, 1899-1904, prato 56 
Depois de sua morte em 1919, o pensamento de Haeckel de que ‘política é biologia aplicada’ foi cooptada por propagandistas nazistas. Ele era um racista, mas acho que também é um mal-entendido fundamental relacioná-lo com as crenças nazistas’.






Radiolarians, de Art Forms in Nature, 1899-1904, prato 71 
Em ‘Art Forms of Nature’, ele relustrou alguns dos objetos microscópicos que tinha visto 20, 30 anos antes, mas aqui ele os mostrou em um fundo preto. Este, de protozoários, está entre os meus favoritos, porque eles mostram o que Haeckel conseguiu fazer.





Fungi - Fungos do clube, de Art Forms in Nature, 1899-1904, chapa 63 
'Haeckel nunca colocou algo em nenhum de seus desenhos que não tivesse visto. Eles são tão precisos que alguns de seus desenhos ainda são usados nos livros didáticos hoje’.








Texto: Rainer Willmann  | The Guardian
Illustration: Taschen Köln/ Universität  Heidelberg (Radiolaria)- und Niedersächsische Staats- und Universitätsbibliothek Göttingen  (demais)




(JA, Nov17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,