Pular para o conteúdo principal

Voluntários da Pátria






As lembranças da Guerra do Paraguai estão espalhadas pelas cidades brasileiras.

A Guerra do Paraguai foi o maior conflito bélico que envolveu o Brasil em sua história. Foi também a maior guerra já havida na América do Sul e resultou em mais de 70 mil mortos. Entre 1864 e 1870 a jovem nação se mobilizou para a luta e em muitos momentos o patriotismo tomou conta.

Os Voluntários da Pátria foram criados por D. Pedro II, em janeiro de 1865, para reforçar com voluntários o pequeno exército brasileiro, insuficiente para fazer frente a uma guerra. Em todas as províncias do império os cidadãos atenderam ao pedido do Imperador e formaram batalhões que lutaram no Paraguai. É em homenagem a eles que muitos municípios do Brasil possuem uma rua ou avenida chamada Voluntários da Pátria. Como é o caso de São Paulo que tem uma rua com esse nome no bairro de Santana.

Mas esta não é a única rua da cidade de São Paulo que lembra a Guerra do Paraguai. Bem no centro fica a Rua 24 de Maio, que rememora a data do mais sangrento episódio dessa guerra, a Batalha de Tuiuti ocorrida em 24 de maio de 1866. No centro fica também a Rua Riachuelo, nome do local onde se deu a mais importante batalha naval da guerra, sendo as forças brasileiras comandadas pelo Almirante Tamandaré, uma rua no bairro da Liberdade. A batalha ocorreu em 11 de junho de 1865, e a data dá nome a uma rua da Vila Mariana. Na Bela Vista fica a Rua Humaitá, outra batalha.

O comandante do exército também está presente no mapa das ruas paulistanas. Próximo a Sala São Paulo fica o Largo General Osório. Em 1866 ele foi substituído pelo Duque de Caxias, que além de uma avenida central, ganhou também um monumento equestre que é a maior estátua de bronze da cidade, com 48 metros de altura. Antes de o monumento ser inaugurado, o governador Adhemar de Barros promoveu um almoço para 50 pessoas que foi servido na barriga do cavalo, no Liceu de Artes e Ofícios, onde a estátua foi fundida.

Hoje a guerra do Paraguai é pouco lembrada, mas as ruas das cidades brasileiras guardam um pouco da sua história.






Fonte:  culturasp


(JA, Set19)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,