Pular para o conteúdo principal

Paulo Freire - Patrono da Educação Brasileira



Com a ‘Pedagogia do Oprimido’, Paulo Freire mudou a maneira que a educação é pensada no mundo




Paulo Reglus Neves Freire, 1921-1997, foi um educador e filósofo brasileiro. É considerado um dos pensadores mais notáveis na história da pedagogia mundial, tendo influenciado o movimento chamado pedagogia crítica. É também o Patrono da Educação Brasileira.

Paulo Freire tem uma grande influência no mundo todo quando o assunto é educação. Seu trabalho e sua teoria são estudados, não apenas na faculdade de pedagogia, como também em diversos outros cursos ao redor do globo.

Para se ter uma ideia da importância de suas pesquisas para o desenvolvimento do saber, ele atualmente ocupa a posição no ranking dos pensadores mais citados em trabalhos acadêmicos. Ou seja, suas ideias têm servido de base para que muitos outros pesquisadores desenvolvam seus trabalhos.


Quem foi Paulo Freire

Alvo de sentimentos extremos por parte da nação brasileira, poucas pessoas realmente sabem quem foi Paulo Freire e qual é a importância de sua Pedagogia do Oprimido.

Freire desenvolveu uma nova maneira de educar, que se contrapunha diretamente ao método que era utilizado nas chamadas ‘escolas burguesas’ – a ‘educação bancária’, tecnicista e alienante, que colocava o professor como dono do conhecimento e o aluno como apenas um ‘receptáculo’ do que o professor teria a passar. Segundo Freire, isso não era o suficiente para ensinar as crianças e adolescentes a pensar.

Foi então que ele desenvolveu uma experiência de ensino a partir do mundo conhecido pelos alunos, não se restringindo apenas a crianças e adolescentes, mas alcançando também os adultos.

Através desse método, que foi nomeado ‘Pedagogia do Oprimido’, Freire e outros professores conseguiram ensinar 300 adultos a ler e escrever em menos de 40 horas. O fato aconteceu na pequena cidade de Angicos, no Rio Grande do Norte, em 1963.

Essa metodologia se baseava em ensinar fonemas por meio de palavras que fizessem parte do dia a dia dos trabalhadores, como tijolo, cimento ou vassoura. Esse episódio, da alfabetização em massa, inspirou um Plano Nacional de Alfabetização, que, infelizmente, foi arquivado com o Golpe de 1964 e nunca mais retomado.


Pedagogia do Oprimido - o que tem de polêmico

Paulo Freire era um grande crítico da já citada ‘escola bancária’. Segundo ele, esse método de ensino não era apenas ineficiente – por tornar o aluno quase incapaz de aprender sozinho sobre novos assuntos –, como também era alienante. Afinal, ao estudar a partir de coisas que não pertenciam à sua realidade, o aluno não era convidado a pensar sobre a própria vida e sua subjetividade.

Freire escreveu que ‘os homens se educam entre si mediados pelo mundo’. Ou seja, a educação só é possível quando o mundo é levado em consideração nessa prática.

A Pedagogia do Oprimido é, portanto, uma metodologia que, ao levar em conta o contexto em que a pessoa está inserida, convida a uma autorreflexão sobre a própria realidade e as coisas que lhe atingem.

Por ser uma metodologia crítica às opressões, a Pedagogia do Oprimido e Paulo Freire foram tratados como se fossem muito subversivos pela Ditadura Militar. Ele foi obrigado a se manter exilado no Chile, logo após ter permanecido 70 dias preso. Com a anistia, Freire voltou ao país em 1979, mais de 10 anos após ter saído do Brasil.

Apesar de jamais ter tido seu projeto plenamente adotado a nível nacional, Freire é considerado o patrono da educação brasileira, pois suas ideias foram responsáveis por várias reformulações dos métodos de ensino, ainda que uma parte conservadora lute para manter a ‘educação bancária’.

Foi o brasileiro mais homenageado da história, com pelo menos 35 títulos de Doutor Honoris Causa de universidades da Europa e América; e recebeu diversos galardões como o prêmio da UNESCO de Educação para a Paz em 1986. Em 13 de abril de 2012 foi sancionada a Lei nº 12.612, que declara o educador Paulo Freire Patrono da Educação Brasileira. Segundo uma pesquisa envolvendo três estados brasileiros, Paulo Freire é o nome de escola mais comum.

Paulo Freire é, ainda hoje, a utopia da educação brasileira, democratizada e acessível para todos.







Fonte:  Débora Ramos,   Capital News  |  WP  |  Dvs



(JA, Set19)





Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,