Pular para o conteúdo principal

Lições de Guerra



O senso comum gosta de afirmar que devemos estudar história para evitar a repetição de seus erros



      
80 anos, na data de hoje, iniciava-se o maior conflito que a espécie humana já enfrentou: a Segunda Guerra Mundial. No amanhecer de 1.º de setembro de 1939, tropas alemãs invadiram a cidade de Danzig, hoje Gdansk, arrasando a resistência polonesa e encerrando as tentativas franco-inglesas de apaziguamento. Ao final de seis anos, mais de 60 milhões de mortos completariam a estatística recorde de genocídios e devastação.

A palavra mundial é correta, no sentido de que, fiel a um fenômeno já verificado no século 18 com a Guerra dos Sete Anos (1756-63), houve batalhas em quase todos os continentes. Porém, os dois conflitos mundiais do século 20 trariam novos significados à extensão do horror.

Muitos tinham se espantado com os danos à população civil na Guerra dos Trinta Anos (1618-1648). O choque tendo por capa a ideia religiosa levou ao túmulo quase um terço da população alemã.

A Segunda Guerra traria civis de cidades como Varsóvia, Londres, Hamburgo, Hiroshima, Stalingrado como vítimas principais de uma devastação inédita. A guerra total tinha chegado e o horror excedeu tudo o que pudesse ser imaginado.

Guerra Mundial, sem dúvida, mas ainda marcada pela memória europeia. O bombardeio sistemático do Japão a cidades do litoral chinês havia começado dois anos antes, em 1937, com o incidente da Ponte Marco Polo. O número de mortos chineses excede as cifras de qualquer país europeu, com exceção da URSS. A guerra asiática começou antes e terminou depois. Enquanto a Europa suspirava, aliviada, pelo fim do conflito em maio de 1945, os asiáticos teriam de esperar até agosto/setembro do mesmo ano para que a palavra paz aparecesse.

Não existe justificativa para que se date a Segunda Guerra de setembro de 1939; há apenas a tradição eurocêntrica usual na memória. Também um foco EUA-França-Inglaterra impede de se avaliar, por vezes até hoje, o peso decisivo das tropas soviéticas na derrota do nazismo.

O mesmo ocorre com as datações da Guerra Fria como tendo origem em 1945 nas divergências dos antigos Aliados. O choque do capitalismo e do socialismo pode ser diagnosticado em questões diplomáticas após a vitória bolchevique de 1917 e na invasão do território russo logo na sequência. Toda a década de 1920 foi tomada por ações de países como França/Inglaterra/Japão contra o governo soviético. Datas são símbolos de como concebemos o mundo e o poder.

O senso comum gosta de afirmar que devemos estudar história para evitar a repetição de seus erros. Se assim for, trabalho em área inútil, porque pouco ou nada se aprende, em especial sobre guerras. Vejamos:
  • A guerra de 1914 tinha sido para acabar com todas as guerras. O lema foi reforçado pelo discurso idealista do presidente dos EUA W. Wilson. Terminou com a humilhação da Alemanha e um espírito revanchista contido no Tratado de Versalhes. 
  • Mesmo assim, avaliando o custo enorme das trincheiras com gases e metralhadoras, Londres e Paris fizeram concessões ao nazifascismo antes de 1939. As tentativas de apaziguamento, como o Acordo de Munique de 1938, de muitas formas incentivaram as ditaduras de Berlim e Roma a exigir cada vez mais. Ou seja, o aprendizado do horror da Grande Guerra tinha se revelado um incentivador para novo conflito.  Assim, da mesma forma, tendo sofrido com o pesadelo de duas frentes de batalha entre 1914 e 1917, a Alemanha, grande pátria de historiadores, refez o erro em 1941. 
  • Terminada a guerra, em 1945, temos novas ações de provocação que nos empurram para o risco de outro conflito mundial: o bloqueio de Berlim, o conflito na Coreia, os choques de fronteira entre China e URSS, a guerra do Vietnã, a crise dos mísseis de Cuba e tantos outros.

Aprendemos pouco e repetimos erros de forma sistemática. O ‘aprendizado da história’ sempre me parece como o caso do clichê tradicional de um homem que se casa cedo, constrói patrimônio com uma mulher, aprende muito, amadurece e, quando chega aos 60 anos, pleno de lições e de sabedoria, abandona a antiga companheira e se casa com uma jovem de 20 anos... Nós, humanos, nem sempre nos tornamos sábios com o passar dos anos.

Quando a rádio alemã anunciou a invasão da Polônia no amanhecer de 1.º de setembro de 1939, muitos foram às ruas comemorar. Guerras causam algumas alegrias nos primeiros dias. O mesmo ocorreria com uma multidão em Buenos Aires, em 1982, saudando outra aventura ditatorial: a invasão das Malvinas. O entusiasmo diminui sistematicamente com a chegada de corpos.

Existe uma ironia a refletir. A ‘causa imediata’ (historiadores abominam a palavra causa, hoje) da Segunda Guerra na Europa foi a invasão da Polônia. O governo polonês, derrotado, fugiu para Londres.

Teoricamente, todo o esforço dos seis anos seguintes seria para restaurar aquela administração. Ao final do conflito, os soviéticos impuseram outro governo à Polônia, e os dirigentes de Varsóvia ficaram sem o reconhecimento oficial das potências ocidentais.

Em outras palavras, uma guerra termina muito distinta do que a fez começar, e as causas ‘elevadas’ apresentam um custo tão alto que deveriam ser muito avaliadas.

Por fim, se existe uma lição em 1939 é de que democracias plenas não declaram guerra umas às outras na História. A guerra sempre envolve um governo autoritário em um dos campos, ou em ambos. Não bastasse tudo, esse seria um grande motivo de defesa do Estado Democrático de Direito.





Fonte: Leandro Karnal, OESP




(JA, 01-Set19) 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,