Pular para o conteúdo principal

Antônio Raposo Tavares, um dos maiores bandeirantes paulistas

Atravessou os Andes e toda a floresta amazônica, a pé


Estátua de Raposo Tavares colorizada, Museu Paulista do Ipiranga

Raposo Tavares, foi um bandeirante paulista, pioneiro da colonização do interior do Brasil e da América do Sul. Foi juiz ordinário da Vila de São Paulo, e Ouvidor de toda a capitania de São Vicente. Recebeu do rei D. João IV, o título de Mestre de Campo.

Raposo Tavares, 1598-1658, nasceu em São Miguel de Pinheiro, no distrito de Beja, Portugal. Filho de Fernão Vieira Tavares e Francisca Pinheiro da Costa Bravo, veio para São Paulo com 20 anos acompanhando o pai que iria representar D. Álvaro Pires de Castro, donatário da capitania de Itamaracá, São Vicente e Santo Amaro. Seu pai assumiu a Capitania de São Vicente, da qual fazia parte a Vila de São Paulo, e apesar ser português, Raposo tinha forte apreço e nativismo para com São Paulo.

Em 1622 casa-se com Beatriz Furtado de Mendonça, filha do bandeirante Manuel Pires e juntos tiveram dois filhos. Ficou viúvo, e só depois de dez anos casa-se com Lucrécia Leme Borges de Cerqueira, também solteira e mãe de oito filhos. Lucrécia era filha do bandeirante paulista Fernão Dias Pais Leme, e Juntos tiveram uma filha.

Em 1629, Raposo Tavares seguiu para o Sul, em direção a Guairá, uma região com várias aldeias catequizadas pelos jesuítas espanhóis, entra combate com os espanhóis e destrói as missões espanholas, assegurando as atuais terras paranaenses, catarinenses e rio-grandenses ao território paulista e, aos poucos, vai conduzindo índios aculturados como cativos para os campos de Piratininga, para que lhe servissem de mão de obra.

Em maio de 1629, depois de dez meses, Raposo Tavares regressa a São Paulo, e em 1632 é nomeado juiz ordinário da Vila de São Paulo.

Raposo Tavares parte em uma nova bandeira, em 1636, contra os jesuítas espanhóis de Tape (atual Rio Grande do Sul). Ocupa as aldeias e, em 1638, retorna para São Paulo.

O capitão-mor de São Vicente o presenteia com uma grande extensão de terra. A linha de Tordesilhas havia sido anulada pelo avanço paulista, e as regiões do Paraná, do sul de Mato Grosso, oeste catarinense e as serras do Rio Grande do Sul, estavam incorporadas ao território de São Paulo.

Nesse tempo erva mate era mascada pelos índios Guaranis em suas viagens nas bandeiras, pois ela combatia a fadiga. Esse hábito foi assimilado pelos bandeirantes paulistas. Como não havia pés de erva mate em todos os locais, Antônio Raposo Tavares resolveu secar a erva e levá-la nas bandeiras, disso surgiu o hábito entre os paulistas em tomar ‘congonha’ (chimarrão). Entre os paulistas, e os atuais paranaenses, o costume era tomar torrado e doce; o hábito decaiu em 1808 com a introdução das plantações de café em solo paulista.

Em 1639, Raposo Tavares e seus companheiros paulistas, partem para o nordeste, para combater os holandeses.

‘Entre as façanhas bélicas dos paulistas (…) convém recordar os socorros por eles prestados contra os holandeses, quando da infeliz expedição naval do conde da Torre, em cuja esquadra embarcou um Terço formado em São Paulo, apesar de uma tentativa de revolta de feitio sebastianista contra esta recruta. Tal tropa, comandada por Antônio Raposo Tavares , destacou-se na terrível jornada contra os holandeses  - chamada da Retirada do Cabo São Roque. Mais tarde, novo socorro partiria de S. Paulo em defesa da Bahia’

Em 1647, no comando da ‘Bandeira dos Limites’, parte de São Paulo na maior das bandeiras paulistas, e vai em direção ao interior, em busca de minas de prata, embrenhando-se numa das maiores epopeias em terra do planeta Comparando com a dificuldade de outros desbravamentos pelo mundo, talvez este seja o mais árduo e perigoso de todos, já que foram atravessadas densas florestas úmidas, repletas de predadores, doenças, e outros perigos que a Amazônia pode oferecer, e é considerada a primeira viagem em torno do território brasileiro.

Partiu em maio de 1648 do porto de Pirapitingui, em São Paulo, descendo o rio Tietê rumo aos sertões do baixo Mato Grosso. Contava com brancos, inúmeros mamelucos e mais de mil índios. Segue o curso dos rios Guaporé, Madeira e Amazonas, e chega até Quito no Equador, já perto do oceano pacífico. Volta e chega, em 1651, em Gurupá, atual estado do Pará, com apenas 58 homens e sem a prata sonhada.

Retornou a São Paulo pela costa litorânea brasileira três anos depois, percorrendo mais de 12 mil quilômetros. A bandeira paulista assegurou a posse, e originou os atuais Estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Segundo alguns historiadores, Raposo Tavares, ao chegar em São Paulo, já estava irreconhecível -  seu cachorro, ao lhe avistar, estranhou pensando tratar-se de um estranho.

O bandeirante morreu em 1658, em Quitaúna, atual bairro de Osasco-SP.




Fonte:  WP e Dvs


(JA, Set19) 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,