Pular para o conteúdo principal

Evolução


Uma amiga minha comentou que quando necessita utilizar um banheiro público, procura não tocar em nada. E, quando não tem outro jeito, procura escolher um ponto inusitado, que provavelmente não seria utilizado pelos demais usuários. 
Isso me lembrou a historinha do menino e da menina que ficaram perdidos na floresta. Eles acabaram por encontrar uma casa, onde procuraram ajuda. Foram atendidos por uma velhinha que parecia aquela bruxa das lendas: toda enrugada, nariz adunco, com uma boca que parecia suja, com poucos dentes e com os que tinha, parecendo podres. Como já era noite e estava frio,  a 'bruxa'  ofereceu para eles um chá.  O menino viu que a xícara que ela lhe serviu tinha um pequeno quebrado na borda e resolveu tomar o chá por ali, onde normalmente ninguém poria a boca. A 'bruxa', vendo aquilo, comentou:
"- Aí que graça! Sempre que uso essa xícara para tomar chá, também bebo por essa rachinha."
Quanta coisa fazemos e sentimos, julgando que é exclusividade nossa, mas que é praticada e vivenciada pelos outros também. Difícil dizer o que, entretanto, a constatação da possibilidade quase certa, leva ao encontro de mais um motivo para nos identificarmos com o nosso próximo. Pensar que ele pode ter os mesmos problemas que nós, as mesmas dúvidas, frustrações, necessidades... Quantas vezes deve ter ficado sozinho desejando companhia, uma palavra, uma atitude  de apoio, de  carinho? 
O sentimento de empatia gerado por essa percepção pode promover uma saudável mudança comportamental. Podemos nos tornar  mais solidários, amigáveis, compreensivos. E, nesse caso, os frutos não tardarão a surgir porque, além de nos sentirmos mais felizes por desviarmos momentaneamente a atenção dos nosso problemas pessoais, estaremos praticando o bem, com tudo que ele representa, para os outros e para nós também
Projetando essa mudança comportamental numa escala maior - em termos de comunidade, país, continente, planeta -, os problemas causados pelas diferenças sociais, culturais, de raça ou de cor, etc., poderão ser minimizados. E, lá na frente, podemos vislumbrar o ser humano, a humanidade, seguindo o caminho do seu melhor destino, numa evolução natural.
“É difícil aceitar, mas todos, independentemente de posição social, cultural, riqueza, beleza,  somos todos muito parecidos. E, embora seguindo por caminhos e tempos diferentes, sempre acabamos no mesmo lugar.” (JA, Jun14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,