Pular para o conteúdo principal

Coronavírus - Erros cometidos pelo Brasil na pandemia são históricos


 


O médico e neurocientista Miguel Nicolelis disse que a quantidade de erros que o Brasil cometeu no combate à pandemia do novo coronavírus vai ‘entrar para a história’, e que os números de casos e óbitos registrados, apesar da subnotificação, já demonstram que o país vive a maior tragédia de sua história.

‘A quantidade de erros é um caso histórico. Vai entrar para a história, vai haver uma descrição do grande fracasso do governo federal em lidar com a maior crise sanitária. Ouso dizer que esse evento vai entrar como a maior guerra da história do Brasil porque é uma guerra biológica, e as pessoas não se deram conta’, afirmou hoje em entrevista.

“Estou falando, a gente vai contar essa história daqui a 50 anos, e os erros crassos vão ser tão claros que as pessoas vão ler o livro e dizer 'eu não acredito nisso aqui'.”

Nicolelis é coordenador da Comissão Científica do Consórcio Nordeste, responsável pelo projeto Monitora Covid-19, aplicativo que orienta e informa a população sobre a doença em tempo real.

Para ele, não houve qualquer reação ou planejamento do governo federal, e faltou uma mensagem coerente e unificada que mostrasse a importância do isolamento social, considerado pela comunidade científica como o método mais eficaz no combate à pandemia.

‘Não há sistema hospitalar no mundo que dê conta da capacidade de reprodução desse vírus. Então, como não levamos a sério desde janeiro, não ajudamos estados e municípios do ponto de vista de um governo unificado, não criamos testagem eficiente em todo Brasil, não criamos equipamentos necessário, e não tiramos vantagem do sistema de saúde, dos agentes de saúde que deveriam ser a primeira linha de defesa', afirmou.

'Ajuda de R$ 600 é gota no oceano'

O médico classificou o auxílio emergencial de R$ 600 para ajudar os trabalhadores durante a crise gerada pela pandemia do coronavírus, como uma ‘gota no oceano’, e avaliou que o governo federal ‘enrolou e não fez nada’.

Ele lembrou que nos Estados Unidos a ajuda foi de US$ 1.200 (cerca de R$ 5,9 mil), e disse que o Brasil deveria ter se preocupado com os parâmetros macroeconômicos depois da pandemia.

‘É óbvio que para as pessoas ficarem em casa elas precisam sobreviver, poder comer, pagar contas (...).  Você tem que dar condições mínimas para as pessoas ficarem em casa, e isso é papel do governo federal’, declarou.

‘O governo federal do Brasil enrolou e não fez nada. A ajuda de R$ 600 é uma gota no oceano’.


Imagem do Brasil no exterior

Questionado sobre a imagem do Brasil no exterior, Nicolelis que é professor catedrático da faculdade de medicina da Universidade Duke, na Carolina do Norte (EUA), disse que a reputação dos cientistas do país é ‘excelente’, e eles são considerados de ‘altíssimo nível internacional em todo o lugar do mundo’.

Ele classificou a atual imagem do país no geral, no entanto, como ‘a pior que já vi na minha existência’.

‘Tenho 59 anos. Viajo pelo mundo há 30 sem parar. Nunca vi o Brasil descer a patamares tão baixos de crítica, censura. Os maiores jornais do mundo definiram o presidente do Brasil como inimigo número da pandemia no mundo’.





Fonte:  Beatriz Sanz, Nathan Lopes e Stella Borges


(JA, Jun20)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,