Pular para o conteúdo principal

Roseando






Como o aproveitamento da rotina da natureza pode nos levar a um estilo de vida mais saudável e consciente

Simplesmente observe uma flor. Encontrar a assinatura ou a identidade de uma planta pode nos ajudar a compreender e melhorar a percepção sobre a relação de cada plantinha com nossas vidas. Mas o que é essa assinatura, identidade? É o seu olhar, como você capta o significado das suas características únicas -  forma, tamanho, textura.

Os espinhos de uma rosa, por exemplo, sugerem não apenas o mecanismo de proteção dessa flor, como também o propósito de dar suporte e estabilidade ao caule arqueado e flexível, para poder ser exposto com segurança para todos os lados, mesmo à frente da força dos ventos da primavera.

É uma perspectiva que vai ao encontro do que a rosa pode representar para nós, ajudando a nos movermos através da nossa própria vontade, e não da dos ventos externos sobre a nossa vida.

Os espinhos, com suas curvas para baixo e seu formato afiado, também podem nos ajudar com seu significado, a rasgar e romper padrões que nos foram impostos e que, embora possamos estar acostumados com eles, muitas vezes são agressivos, prejudiciais.

Só por isso, a rosa já poderia ser  lembrada, não só como um símbolo de amor e gentileza, mas também de autoestima, superação.

Já a parte central da rosa, aquela explosão de força amarelo-dourado, que libera as pétalas que se abrem, como que criando um recipiente para absorver toda luz, pode nos convidar a olhar e buscar a nossa luz, o nosso Sol que, independentemente das circunstâncias, sempre estará presente, ajudando a fortalecer a nossa vontade, a nos guiar para o melhor caminho.   

Sol que aquece nosso interesse pela vida, revigorando nossas energias. Sol que proporciona um estado de bem-estar, amenizando os sintomas relacionados com estresse e ansiedade.

Deve ser por isso que os cosméticos que levam o princípio ativo da roseira, são ideais para cuidar de peles rachadas e danificadas, deixando-as macias e aveludadas.

Que tal ir ao encontro da ‘rosa’, e deixar que ela cuide e reverbere na saúde do seu corpo e coração?





Base: Grace Adam  |  60ou+



(JA, Ago19) 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,