Pular para o conteúdo principal

Antonio da Silva Prado – O Primeiro Prefeito de São Paulo





Um dos mais importantes nomes da história da política paulistana, Antonio da Silva Prado, sequer é conhecido por grande parte da população de São Paulo. Filho de Martinho da Silva Prado e de Veridiana Valéria Silva Prado, Antonio nasceu no dia 25 de fevereiro de 1840, em um sobrado situado no velho centro de São Paulo.

Antes de prosseguir com sua importante trajetória para a cidade de São Paulo, vale fazer uma correção histórica muito importante: ‘Antonico’, como era conhecido, fazia parte de uma importante linhagem de personagens paulistanas. Seu avô, que também se chamava Antonio da Silva Prado, era o famoso Barão de Iguape e, por esse motivo, acontecem muitas confusões históricas.

Prado se formou em direito pela Faculdade de Direito de São Paulo, no ano de 1861, e cursou uma especialização na mesma área em Paris, na França. Foi chefe de polícia em São Paulo e  Deputado da mesma província entre os anos de 1862 e 1864. Em 1868, casou-se com Maria Catarina da Costa Pinto, filha do Dr. Antônio da Costa Pinto, que, como o Conselheiro, fora Ministro do Império.

Além disso, ele também foi deputado federal -na época chamado de ‘deputado geral’-, entre os anos de 1869 e 1872, pelo Partido Conservador. Tornou-se senador em 1886, e conselheiro do Império em 1888. Nesse ano, inclusive, conselheiro Antônio Prado fez parte do gabinete de João Alfredo Correia de Oliveira que foi quem elaborou o projeto da Lei Áurea.


Antonio da Silva Prado: O Primeiro Prefeito de São Paulo


Logo após a abolição da escravidão, Antonio da Silva Prado assumiu o Ministério da Agricultura, e se tornou um entusiasta da imigração italiana ao Brasil. Além desse cargo, Prado também teve a oportunidade de comandar o Ministério do Comércio e o de Obras Públicas.

Durante a República, Prado fez parte do PRP e, foi nessa época, no dia 7 de janeiro de 1899, que ele tomou posse, como intendente da cidade de São Paulo. A título de nomenclatura oficial e registro, ele se tornou a primeira pessoa a receber o título de Prefeito.

Além de toda essa dedicação à vida pública, Antonio da Silva Prado também era um grande admirador dos esportes, com uma paixão especial pelas corridas de cavalos. Ele foi um dos fundadores do Jockey Club do Rio de Janeiro, em 1869, e de São Paulo, em 1875.

Por volta do ano de 1880, ele arrendou o Teatro São José, que antes era de Elias Chaves, e trouxe para São Paulo as companhias estrangeiras que se apresentavam para à Corte. Pouco depois, em 1896, junto à sua mãe, a não menos famosa D. Veridiana, ele construiu o Velódromo Paulista, na Consolação, onde apareceu a primeira praça de esporte ao ar livre do país. Ele também participou da fundação do Automóvel Clube de São Paulo no ano de 1908.


As Realizações do Primeiro Prefeito

Prado permaneceria no cargo por 12 anos, encerrando seu longo mandato no dia 15 de janeiro de 1911. Esse feito o torna o prefeito que por mais tempo conduziu São Paulo, em toda a história da cidade. Para alguns historiadores, seu mandato é considerado a terceira fundação da cidade de São Paulo, tamanhas foram suas realizações.

Sua administração foi inovadora para a época. Seus principais objetivos eram o de modernizar a cidade, através da construção de pontes e o aterramento de várzeas que, em períodos de chuvas,  impediam a ligação entre partes de São Paulo. Além disso, foi ele quem redefiniu o zoneamento da cidade, aumentando vias e ruas, prevendo um grande fluxo de pessoas em um futuro próximo.

Ele foi o grande responsável pela implantação do sistema de energia elétrica na cidade, em 1900, graças a uma usina hidrelétrica construída em Santana de Parnaíba, através da empresa canadense The Sao Paulo Light & Power. Graças a essa atitude, aliás, a indústria paulistana começou a se desenvolver exponencialmente.

Além disso, foi também em sua gestão que ocorreu a inauguração do Theatro Municipal, da Pinacoteca do Estado, e da Estação da Luz – além da construção da Avenida Tiradentes, onde se localizam as duas obras citadas. Também foi ele quem tomou a atitude de pavimentar a Avenida Paulista, reformar o Viaduto do Chá e alargar e realinhar as ruas do Centro Velho.



Registro do assentamento de trilhos de bonde na Rua Direita, em 1900


Nessa época da nossa história, acontecia um grande aumento da população, graças ao fim da escravidão, e da chegada de grandes levas de imigrantes (estima-se que na primeira década do século XX cerca de 900 mil deles chegaram ao país), fazendo a população saltar para quase 400 mil habitantes. A maciça ocupação da cidade por estrangeiros ocorreu devido à rápida industrialização, com destaque para os setores têxtil e de alimentação.

O prefeito também era um grande entusiasta de uma maior limpeza e higienização da cidade. Prado procurou arborizar a cidade, valorizar praças, ajardinar várzeas, e orientar a população quanto a melhor maneira para se evitar surtos epidêmicos das moléstias da época.

Após seu mandato como prefeito, ele ainda trabalharia com Emílio Ribas para a implantação do Serviço de Higiene para todo o Estado, como Diretor do Serviço Sanitário, no período de 1898 a 1917.

Em termos práticos, Antonio Prado deixou uma cidade dispondo de 164 km de linhas de bondes, com 230 carros em movimento. Em fevereiro de 1900, entrou em execução o contrato da Companhia Telefônica de São Paulo, com 600 assinantes, cujo número subiria para 2.500, em 1910.

De 1899 a 1910, haviam sido calçados 794.557,23m², e executados 211.373,43m² de macadame. Os serviços e obras constituíram o item mais elevado das despesas, orçado em 924:015$000, dos quais ocuparam primeiro lugar os gastos com o calçamento. Em segundo lugar, vinham os gastos referentes à limpeza pública: 857:000$000, e à dívida passiva: juros e 897:275$000. (dados retirados de um grande trabalho da PUC)


Antonio da Silva Prado e seus negócios particulares

Além de político de grande relevância, Antonio da Silva Prado também foi cafeicultor e empresário. Dessa forma, junto com seu irmão Martinho Prado Júnior (o Martinico Prado) foram colonizadores na região de Ribeirão Preto, adquirindo a Fazendas São Martinho (na atual Pradópolis) e formando a Fazenda Guatapará. Juntos, chegaram a possuir 20 milhões de pés de café. A Fazenda Guatapará, recebeu o Rei da Bélgica em 1923, em um evento que mereceu grande destaque perante a população.

Além da vida pública, Prado também foi banqueiro, proprietário do Banco do Comércio e Indústria do Estado de São Paulo, conhecido como Banco Comind; da Vidraria Santa Marina, empreendimento criado para fornecer embalagens à Companhia Antarctica Paulista; dono de um frigorífico localizado na cidade de Barretos; e proprietário e presidente da Companhia Paulista de Estradas de Ferro,  durante 30 anos.

A Paulista ficou conhecida mundialmente por sua eficiência e pontualidade, e se dedicou, principalmente, ao transporte de café e carnes.

Ele veio a falecer no dia 23 de abril de 1929, no Rio de Janeiro, na época que seu filho, Antônio da Silva Prado Júnior, era o prefeito da cidade.







Fonte:  Abrahão de Oliveira           |     São Paulo em Foco






(JA, Ago19)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,