Pular para o conteúdo principal

Líderes Autoritários



Stephen Greenblatt é um dos principais estudiosos do dramaturgo inglês, fala sobre pertinência da visão do escritor inglês sobre os líderes autoritários


Ilustração da Peça ‘Júlio Cesar’, feita para edição do Século 19


Como pode um país inteiro cair nas mãos de um tirano? Esse questionamento atemporal foi um dos que moveram a obra de Shakespeare por décadas, durante o século 16. E mais: seu retrato dos líderes autoritários ainda tem algo a nos dizer.

É o que afirma o americano Stephen Greenblatt, professor da Universidade de Harvard e um dos principais estudiosos dos escritos do dramaturgo.




Seu livro mais recente, de 2018, é ‘Tyrant – Shakespeare on Politics’ (Tirano: Shakespeare sobre política, em tradução livre), um estudo sobre as raízes e consequências da tirania retratadas pelas peças de Shakespeare, sempre de maneira oblíqua e indireta, deslocadas para outra época e lugar.

Shakespeare tornou seus personagens os líderes romanos Caio Márcio Coriolano e Júlio César, figuras inglesas e escocesas lendárias como Jack Cade e Rei Lear e resgatou Ricardo 3º e Macbeth. Criou, ainda, tiranos imaginários, como o imperador Saturnino, em ‘Tito Andrônico’, o corrupto Angelo, em ‘Medida por Medida’ e o paranoico rei Leonte, em ‘Conto de inverno’.

Mesmo sem nenhuma menção nominal a Donald Trump, o livro de Greenblatt foi recebido como um recado de aguda atualidade sobre o presidente americano.

“No início de uma de suas peças históricas, Shakespeare introduz a figura de Rumor, cuja tarefa, num figurino ‘cheio de línguas pintadas’, é pôr em incessante circulação histórias ‘sopradas por suspeitas, invejas, conjecturas’ (Henrique IV, parte 2, prólogo, linha 16). Dolorosamente se evidenciam seus efeitos em sinais de interpretação errônea e desastrosa, consolações enganadoras, alarmes falsos, guinadas bruscas que vão da arrebatada esperança ao desespero suicida”.

O parágrafo é parte de um trecho do livro de Greenblatt, sem publicação no Brasil até o momento, presente na 31ª edição da Serrote, revista de ensaios do Instituto Moreira Salles, lançada em março de 2019.

Stephen Greenblatt falou sobre por que trazer o tema à tona nesse momento, sobre como Shakespeare acreditava que um tirano se sustentava no poder e o que ele antecipou a respeito desses líderes.

O que te levou a examinar os tiranos criados por Shakespeare? Por que agora?

SG -  Muitas das premissas em que a liberdade democrática se baseia estão sob forte pressão, e não somente por parte de governos abertamente autoritários. Acho que, em geral, tendemos a ser excessivamente confiantes com relação às normas da nossa sociedade suportarem [a pressão] e as coisas continuarem como de costume. Nada poderia estar mais distante da verdade.

A partir desse aspecto, por onde começar a ler a obra de Shakespeare?

SG -  Demagogia, mentir compulsivamente, ataques à liberdade de expressão, comportamento narcisista, populismo fraudulento e afins, são todas características do ‘Ricardo 3º’ de Shakespeare. Eu aconselharia leitores contemporâneos a começar por aí.

Por que a tirania foi tão central na obra de Shakespeare?

SG - Shakespeare escreveu em uma época de grande incerteza sobre o futuro de seu país. A rainha [Elizabetth 1ª] estava envelhecendo e havia se recusado a nomear um sucessor.

O fracasso da Invencível Armada [exército reunido pela Espanha para invadir a Inglaterra] em 1588, não acabou com o temor de uma invasão estrangeira que, ao contrário, era continuamente esperada. E o regime tinha também inimigos internos.

Além disso, como dramaturgo popular, Shakespeare era fascinado pela manipulação das massas por líderes poderosos e carismáticos.

Em quais peças ele a retratou?

SG - Já citei ‘Ricardo 3º’. Mas poderia acrescentar ‘Júlio César’, ‘Macbeth’, Leonte de ‘O Conto de Inverno’, ‘Coriolano’ e muitos outros.

Como a falta de liberdade de expressão à época influenciou sua maneira de retratar a tirania?

SG -  Shakespeare não podia representar diretamente, de forma segura, figuras ou eventos contemporâneos [a ele]. Mas encontrou maneiras de abordar essas questões perigosas de forma oblíqua.

Os censores de regimes repressores podem, na ocasião, simplesmente não notar o que está acontecendo. Muitas vezes, porém, eles estão bastante cientes das implicações do que quer que esteja sendo representado ou dito, e mesmo assim escolhem permitir que continue impune.

Essa tolerância pode se dever a uma preocupação de como [a censura] seria vista aos olhos da opinião pública — daí que, mesmo durante o Levante de Soweto [série de protestos dos negros, ocorridos em 1976, contra o regime de segregação], o regime sul-africano do Apartheid não queria ser visto reprimindo uma peça de Shakespeare e, consequentemente, permitia que Otelo beijasse Desdêmona em público — ou ao fato de desejarem permitir aliviar um pouco a tensão.

Essa liberação da tensão é considerada segura porque o anteparo estético — o entendimento coletivo tácito que obras de arte estão fora da esfera do sério — funciona como uma fronteira invisível que mantém sob controle o que, de outra maneira, pareceria perigoso. O importante é que todos os envolvidos mantenham essa fronteira intacta. Shakespeare nunca — ou quase nunca — a rompia.

Qual era a teoria dele sobre como tiranos conseguiam se manter no poder?

SG - Shakespeare acreditava que nenhum tirano chegava ao poder sem ter muitos facilitadores. Há aqueles que não conseguem se ater ao fato de que o tirano é tão ruim quanto parece. Sabem que ele é um mentiroso patológico e enxergam perfeitamente que ele tenha feito uma ou outra coisa terrível, mas têm uma estranha propensão a esquecer, como se fosse um esforço lembrar o quanto ele é péssimo. São irresistivelmente atraídos para a normalização do que não é normal.

Outro grupo é composto dos que não esquecem que o tirano é um mala miserável, mas que, no entanto, confiam que tudo vai seguir dentro da normalidade. Eles se convencem de que sempre haverá um número suficiente de adultos na sala garantindo que promessas sejam mantidas, alianças sejam honradas, e instituições fundamentais respeitadas.

Há também os que se sentem apavorados ou impotentes em face da intimidação e da ameaça de violência, e um grupo mais sinistro, que consiste naqueles que se convencem de que podem tirar vantagem da ascensão do tirano ao poder. Como quase todo mundo, estes enxergam perfeitamente bem quão destrutivo ele é, mas estão confiantes de que ficarão um passo à frente do curso de sua maldade ou que conseguirão tirar proveito dela.

Por fim, há uma multidão heterogênea daqueles que seguem suas ordens, alguns de forma relutante, mas simplesmente evitando ter problemas; outros com gosto, esperando agarrar algo para si no caminho; outros ainda apreciando o jogo cruel de levar seus alvos, frequentemente do alto da hierarquia social, ao sofrimento e à morte.

Tendemos a crer que o que acontece em nosso tempo é novidade na história. O que Shakespeare antecipou com relação aos líderes autoritários?

SG - Nós obviamente temos memória muito curta. Seria de pensar que as catástrofes desencadeadas por Hitler e Mussolini teriam enterrado esse demônio por pelo menos um século. Mas cá estamos, podendo fazer uma lista crescente de tiranos autoritários, hipernacionalistas e seus facilitadores oportunistas.

Shakespeare acreditava que as causas da ascensão deles estavam profundamente enraizadas na nossa natureza enquanto espécie, bem como nas circunstâncias locais de desigualdade de renda, e assim por diante.

Pensamos que a habilidade do tirano de conseguir penetrar as mentes de praticamente todo mundo — a presença indesejada dos rostos e vozes desses líderes todos dias e a quase toda hora — resulta inteiramente das novas mídias digitais
.
Mas as peças de Shakespeare sugerem que essa é uma característica essencial de um certo tipo de poder. Sugerem também que reflete uma pulsão compulsiva no próprio líder.

Por fim, quando um país cai nas mãos de um líder autoritário, muitas vezes é difícil vislumbrar como [esse período] chegará ao fim. Mas Shakespeare nunca perdeu de vista o fato de que esses desastres não duram para sempre.






Fonte: Juliana Domingos de Lima   |  Nexo


(JA, Mar19) ,

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,