Pular para o conteúdo principal

Imigrantes – Uma Reflexão






O que se afirma gratuitamente pode ser gratuitamente negado − diz um princípio que faz parte do bê-á-bá da Lógica Formal. Ou, para quem gosta de latim: ‘quod gratis affirmatur, gratis negatur’.

Bastaria isso para rebater a afirmação flagrantemente gratuita que Bolsonaro fez em entrevista à Fox News, chamando de ‘mal-intencionados’ os imigrantes acampados na fronteira americana. Depois, iria  desculpar-se pelo ‘ato falho’ (sic) e emendou que haveria uma minoria de mal intencionados − outra fala gratuita. O que sabe ele das intenções dos imigrantes? E o que vem a ser ‘má intenção’? Buscar melhores condições de vida? Procurar refúgio contra ameaças à segurança pessoal?

Bem diferentes são os testemunhos e palavras de quem realmente tem algo a dizer, por sua experiência nesse campo.

Em Brownsville, Texas, o voluntário Sergio Córdova, que atua no apoio a imigrantes, certo dia encontrou o guatemalteco Clemente num ponto de ônibus. ‘Ele estava perturbado e chorando’, lembra. ‘Abracei-o, e ele me contou que não conseguia encontrar sua filha, não sabia onde ela estava’.

Em agosto, Clemente saiu da Guatemala, depois que uma gangue esfaqueou seu pai, matou um primo e mandou avisar que seria ele o próximo. Levou consigo Wendy, sua filha de 15 anos, por temer que a sequestrassem. Em agosto, cruzaram a fronteira no Rio Grande e se entregaram às autoridades americanas, pedindo asilo. Dois meses antes, Trump proclamara que as famílias não mais seriam separadas na fronteira. Mas Clemente foi prontamente separado de Wendy (as separações diminuíram, mas prosseguem) e, posto num centro de detenção, onde logo pegou pneumonia. Acordou num hospital sem saber onde estava, e nem o paradeiro da filha. Finalmente, recebeu alta e, liberado da detenção, passou a vaguear nas ruas de Brownsville.

Com ajuda de Córdova e outros voluntários, localizou-se Wendy num abrigo. Mas só no início de março, após seis meses de separação, saiu a autorização para ficar com o pai. Nessa fase, foi importante o auxílio da organização Miles4Migrants que arrecada milhas aéreas e as transforma em donativos a imigrantes.

Em McAllen, também no Texas, a Irmã Norma Pimentel, religiosa católica que dirige o Centro de Acolhida Humanitária, é respeitada como uma heroína local. Em janeiro, às vésperas da visita que Trump faria à cidade, ela lhe escreveu convidando-o para conhecer o Centro. O convite foi ignorado, mas a carta é interessante. Ela começa dando boas vindas a Trump, assim como a Irmã Norma e sua equipe fazem com outros recém-chegados. E prossegue:

“Quando famílias cruzam a fronteira, são detidas pelas autoridades, mantidas presas por alguns dias e depois liberadas provisoriamente, enquanto se analisa seu pedido de asilo. Ao serem liberadas, nós a recebemos no Centro de Acolhida − tem sido nosso trabalho desde 2014. 

Desde então, dezenas de milhares de pessoas − sobretudo da Guatemala, Honduras e El Salvador − atravessaram a fronteira criando uma emergência humanitária. A todo momento, dúzias de famílias de imigrantes − famintas e amedrontadas em terra estrangeira − se acotovelavam no ponto do ônibus tendo só a roupa do corpo, sem nada para comer ou beber e nenhum lugar para tomar banho ou descansar. Passavam horas ou dias aguardando seus ônibus.

Desde sua abertura, este Centro vem trabalhando em cooperação com os agentes públicos e com grupos de outras denominações religiosas e organizações filantrópicas.

Todos os dias e a qualquer hora, famílias são recebidas com um sorriso, um prato de sopa quente, chuveiros e um lugar para repousarem. São pessoas de todos os jeitos e de todas as idades, e raras falam algum inglês; chegam exaustas e assustadas, carregando uns poucos pertences num saco plástico. A maioria pernoita aqui antes de seguir para seus destinos.

Se o Sr. chegar bem cedinho, vai encontrar os que pernoitaram. Estarão varrendo e arrumando os dormitórios, ou ajudando voluntários a preparar o café. Mais tarde, as crianças brincarão no pequeno playground. Para os que seguirão viagem, entregamos um cartão onde está escrito: 'Por favor, me ajude, eu não falo inglês. Que ônibus devo tomar? Muito obrigado'.

Sinto-me revigorada na convivência com essas famílias, principalmente as crianças. E também com os voluntários, pessoas de diferentes crenças que vieram do país inteiro. Todos fazemos parte da família humana e somos chamados a viver na solidariedade uns com os outros. Dignidade humana em primeiro lugar."

Nem Córdova, nem a Irmã Norma nem os demais voluntários se preocupam com as possíveis intenções dos imigrantes pobres. Eles simplesmente ajudam as pessoas.




Fonte: Antônio Carlos Boa Nova


(JA, Mar19)



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,