Pular para o conteúdo principal

D. Leopoldina, a mãe do Império brasileiro




Parte I – O nascimento e a educação de uma arquiduquesa

Ao se avaliar o quanto da história do Brasil seus atuais habitantes assimilaram, muitos deixam passar que durante os anos de 1822 a 1889 vivemos uma fase única, entre todos os países do continente Sul-americano: o Império. Nesses 67 anos de regime monárquico, observou-se a elevação de dois soberanos, e também de suas respectivas consortes (três ao todo). 

Dentre elas, a que mais contribuiu para a caracterização de uma definição acerca da unidade nacional, foi, sem dúvida, D. Leopoldina de Habsburgo-Lorena, arquiduquesa austríaca que aos vinte anos partiu da mais ilustre corte europeia para um país com crenças e costumes, a maioria deles, alheios aos seus, para casar-se com o herdeiro da coroa portuguesa, nosso caríssimo D. Pedro I (aquele que ficaria marcado pela famosa frase ‘Independência ou Morte’, supostamente proferida às margens do riacho Ipiranga, em 07 de setembro de 1822).


Imperador Francisco I da Áustria, por Friedrich von Amerling


Mas será que os acontecimentos se sucederam da forma como foi passado a muitos de nós, enquanto estudantes do ginásio e ensino médio? Qual seria o papel do primeiro Imperador do Brasil e de sua primeira esposa no processo que rompeu os laços de vassalagem que ligavam este país a Portugal? Analisando a trajetória de tão formidáveis personagens, podemos concluir que muitas das decisões que marcaram o período em questão tiveram forte influência de uma princesa predestinada e decidida a impedir que os ideais da revolução francesa se disseminassem em território brasileiro, e abalassem o equilíbrio do regime que estava enraizado no seu berço.

Entretanto, parece que a personalidade de D. Leopoldina pouco vem alcançando a devida atenção perante os olhos dos pesquisadores. Sendo assim, o presente texto (dividido em duas partes), objetiva retraçar de forma singela os passos dessa impressionante mulher, revelando sua fundamental contribuição na vida política do Império.

Feito as considerações iniciais, partamos então para o início, ou melhor, para uma breve contextualização do palco político da Europa de finais do século XVIII, marcada por profundas transformações na ordem política e social: o antigo regime (absolutista) encontrava-se ameaçado por uma onda revolucionária que iniciara na França em 1789, e se alastrara para os demais países vizinhos, entre eles, o Sacro Império Romano-Germânico.

Em meio a esse processo de turbulência, a 22 de janeiro de 1797 nascia na corte de Viena mais uma descendente do Imperador Francisco II (mais tarde Francisco I da Áustria) e de Maria Tereza da Sicília, aquela que viria ser a Imperatriz Maria Leopoldina do Brasil. Por volta do início dos anos 1800, Napoleão Bonaparte se lançara em sucessivas campanhas militares contra os domínios dos Habsburgo, e chegara inclusive a marchar sobre a corte vienense, ocasionando na fuga da família imperial (como se tentassem escapar do mesmo destino de outra dos seus: Maria Antonieta, outrora rainha da França).

Toda essa euforia, contudo, teve apenas um breve apaziguamento quando em 1809 a Áustria e a França assinaram uma aliança, selada pelo casamento de Maria Luísa, filha mais velha de Francisco I, com seu maior inimigo.


Arquiduquesa Carolina Leopoldina (retrato na Biblioteca Nacional da Áustria)


Finalmente, em 1813 as forças napoleônicas capitularam na Batalha dos Povos em Leipzig, fazendo com que os Habsburgo retomassem suas antigas posses no continente. Nesse contexto de confrontos armados, cabe a nós pensarmos como se deu a educação dos jovens príncipes da casa d’Áustria, que à medida que cresciam, assimilavam de forma antagônica os acontecimentos de então. Segundo Bettina Kann (professora de história da Universidade de Viena e bibliotecária da Biblioteca Nacional da Áustria):

‘O Imperador Francisco programou a educação de seus filhos de acordo com as tradições de seu pai e tio. As matérias lecionadas eram leitura, escrita, aritmética, alemão, francês, italiano; em seguida dança e desenho ou pintura; finalmente história geografia, música e cravo. Na segunda fase da educação havia adicionalmente matemática (aritmética e geometria), literatura, física, latim, canto e trabalhos femininos…” (Kann et al., 2006, pag. 65).

Complementa ainda a autora que, nesse processo, D. Leopoldina desenvolveria ávido interesse por mineralogia e zoologia. Dessa forma, podemos avaliar que apesar dos acontecimentos, os filhos do imperador, especialmente a futura princesa real, conseguiram concluir seus estudos em meio às turbulências daqueles anos de guerras. 

As características que a jovem Leopoldina desenvolveu já em tenra idade, por sua vez, poderiam ser comprovadas anos mais tarde, quando de sua instalação na corte do Rio de Janeiro.

A notícia da derrocada de Napoleão foi particularmente bem vinda entre a corte de D. João VI, que desde fins de 1807 (ano de falecimento da mãe de D. Leopoldina) fugira da ameaça francesa para sua mais próspera colônia, na América do sul. Numa tentativa de sair da sombra imposta pela Inglaterra, a família real portuguesa viu então na união matrimonial de seu príncipe e herdeiro, D. Pedro, com uma das filhas do imperador Francisco, uma forma de intensificar seus laços com o continente europeu.

Desse ponto em diante, os olhos da nobreza vienense recaíram sobre a jovem escolhida para desempenhar tal tarefa; aquela cujo matrimônio selaria a união entre a casa de Habsburgo e a casa dos Bragança. As arquiduquesas eram preparadas desde cedo para ser vir aos interesses do Estado, através de um casamento com um príncipe estrangeiro, selando assim uma aliança política entre a Áustria e o outro reino.

Nesse consórcio, amor e felicidade eram dois elementos com os quais elas não podiam contar. Sendo assim, é possível compreendermos que. para além de uma instrução esmerada, a futura princesa real do Brasil estava ciente de suas obrigações. Afinal, ela fizera longa viagem aos trópicos para lembrar à sua nova família de que representava o apoio da casa d’Áustria nos seus interesses políticos, e vice-versa.


Retrato da Princesa Real, Maria Leopoldina em 1817 na Ilha da madeira, onde fez uma parada durante sua viagem para o Brasil


Todavia, apesar de estar economicamente deficitário, o Brasil de D. João demonstrou ostentação e requinte ao enviar o Marquês de Marialva para representá-los em Viena no casamento por procuração de D. Pedro e da referida Arquiduquesa (de acordo com estimativas, os gastos com o cerimonial chegaram a quase 1,5 milhão de francos). 

Destarte, a comitiva de Leopoldina só partiria a três de junho de 1817, composta, além da criadagem e objetos da princesa, de famosos paisagistas e pesquisadores, entre os quais Johann Baptist Von Spix e Karl Philipp Von Martius, que retornariam para a Europa com um arsenal de imagens, registros textuais e amostras de plantas e animais, que mais tarde foram reunidos e compilados numa extensa bibliografia sobre as terras brasileiras.

A viagem durou cerca de três meses, com eventuais paradas. De seu navio, a futura imperatriz escreveria muitas cartas para sua família em Viena, relatando seus anseios, e também sua crença no acaso, ‘pois sempre tive singular pendor pela América e, quando criança, eu dizia que queria ir lá’ (apud Gomes, 2010, pag. 132).

Com efeito, a nova princesa real aportaria em sua pátria de adoção a cinco de novembro de 1817, para êxtase dos habitantes do Rio de Janeiro, que a receberam com grande pompa, categoricamente registrada pelos retratos baseados nos esboços de Debret (o principal pintor da corte de D. João VI) sobre a ocasião.

Seu jovem esposo, particularmente, mostrar-se-ia extremamente atencioso e educado para com a jovem esposa. Em várias de suas cartas para a irmã Maria Luísa, ela contaria de sua imensa felicidade no casamento, ressaltando beleza e a compreensão do cônjuge um ano e oito meses mais novo que ela mesma. Do palácio de São Cristóvão, ela escreveria ao pai, em 08 de Novembro de 1817:

‘Com a ajuda divina cheguei muito feliz e saudável ao Rio de Janeiro, após uma travessia de 84 dias, da qual me despedi no penúltimo dia com uma tempestade bastante violenta; a entrada no porto é estreita e acho que nem pena nem pincel podem descrever a primeira impressão que o paradisíaco Brasil causa a qualquer estrangeiro; basta dizer-lhe que é a Suíça com o mais lindo e suave céus…’ (apud Kann et al., 2006, pag. 313).


Desembarque de D. Leopoldina no Rio de Janeiro, segundo estudo de Debret

Infelizmente, a alegria de Leopoldina não duraria por muito tempo, pois, à medida que descobria o verdadeiro caráter explosivo de seu ‘querido e amado esposo’ (como costumava iniciar as cartas que endereçava a ele), ia percebendo que nem tudo que via ou ouvia era o que imaginava antes de partir de sua pátria. Porém, na fase inicial do casamento, tudo parecia perfeito aos olhos da jovem, completamente encantada com o país que a acolhera, e com sua fauna e flora, abundantes de variedades. 

Mal sabia aquela jovem princesa, que poucos anos depois, assumiria um papel importantíssimo no destino político daquela nação, passando assim do estereótipo de ‘mulher recatada’, para a imagética da verdadeira matriarca da independência.


                                     


Parte II – Da desilusão à ação

De acordo com o que vimos na primeira parte deste texto, ao aportar no Rio de Janeiro em cinco de novembro de 1817, Leopoldina de Habsburgo-Lorena, a nova princesa real, estava encantada com tudo e todos, principalmente para com o jovem esposo, Pedro. As cartas que escreveu durante esse período revelam seu estado de êxtase, ao referir-se inclusive à nova família como ‘anjos de bondade’. Através das mesmas correspondências, podemos perceber que as noites do casal eram bem agitadas, pois, segundo ela, o marido ‘não me deixava dormir’.



A Imperatriz D. Leopoldina, por Luis Schlappriz (Museu do Estado de Pernambuco, Recife Brazil)

Com efeito, o Brasil para a arquiduquesa, por sua vez, era como um parque temático, onde podia observar as mais diversas espécies de plantas e animais, em grande parte alienígena à fauna e flora europeias.

Ela costumava cavalgar com Pedro, e a sair em passeio sempre acompanhada, uma vez que o rei não permitia que fizesse fosse sozinha à cidade do Rio de Janeiro, para privá-la de determinados fatos que em muito lhe causariam transtorno, como foi o caso do trato que era dado aos negros escravos, que, com espanto, ela constatara tempos mais tarde que eram considerados perante aquela sociedade não como pessoas, mas como coisas.

A partir daí, Leopoldina foi percebendo que o quadro que o Marquês de Marialva lhe havia pintado sobre a família real portuguesa era pura fachada.

Segundo observações do período, não tinha uma boa relação com a sogra Carlota Joaquina, a quem condenava o comportamento. O marido logo se mostraria em seus modos grosseiros e impacientes, humilhando-a com seus casos extraconjugais. A terra prometida, tão distante da Viena natal, fazia muito calor e apresentava condições insalubres para uma moradia nos padrões europeus.

Todos esses aspectos fizeram com que a arquiduquesa passasse cada vez mais a se definir como alemã, contrastando assim seus modos e etiqueta com os dos habitantes do Brasil. É a historiadora Mary Del Priore quem oferece um quadro comparativo entre os costumes da princesa real com os da corte portuguesa:

'Os hábitos de Leopoldina aumentavam a distância entre ela e seus súditos. Ela comia com talheres; eles, com as mãos. Ela gostava de ler, eles desconheciam o prazer da leitura. Ela sentava-se em cadeiras, mas as damas, de acordo com o costume oriental, com as pernas cruzadas no chão'. (Priore, 2012, pág. 33).

De fato, Leopoldina não era uma grande beldade. Porém, o que lhe faltava em atributos físicos, lhe sobrava em moral e inteligência. Características que viriam a se mostrar fundamentais para seu grande papel na independência do país.

Com a revolução do porto, em 1820, as cortes de Lisboa exigiam de forma impaciente o regresso do rei e sua família para Portugal. No ano seguinte, D. João VI não tinha escolha a não ser retornar à pátria, ou ficar e correr sérios riscos de perder a coroa.

O filho Pedro ficaria então como regente no Brasil, porém, como os acontecimentos provariam, não era um rapaz cujo conhecimento o tornava apto para tal tarefa, cabendo, assim, à instruída Leopoldina a tarefa de aconselhar o cônjuge sempre que sua intervenção fosse necessária.

A futura imperatriz demonstrava em suas cartas à irmã Maria Luísa o medo de que uma revolução como a que devastara a França três décadas antes, também ocorresse no país, dado o caráter de adesão do marido aos princípios liberais, em contraposição ao que denominava como ‘bons e velhos’ preceitos, ou seja, as bases do regime monárquico.

Reforçando, então, a extrema necessidade do esposo em adotar uma postura mais firme e de não atender aos desejos das cortes de regressar ele também a Lisboa, fica evidente a participação da princesa na passagem que ficou conhecida como ‘o dia do fico’, em nove de janeiro de 1822
.
Para Leopoldina, a incorporação dos ideais do liberalismo era necessária apenas para separar o Brasil de Portugal, sem, contudo, anular a soberania da casa bragantina no reino local.

No entanto, em correspondência ao secretário Schäffer datada de 08 de Janeiro de 1822, (um dia antes do ‘dia do fico’) ela relatava o seu temor, ao dizer:

“O Príncipe está decidido [a ficar no Brasil], mas não tanto quanto eu desejaria. Os ministros vão ser substituídos por filhos do país que sejam capazes. O governo será administrado de um modo análogo ao dos Estados Unidos da América do Norte (apud Kann et. al., 2006, pag. 389).

José Bonifácio de Andrada de Silva, por Oscar Pereira da Silva

Ainda na mesma correspondência, a futura Imperatriz revela seu protagonismo nos eventos ligados ao marido, ao completar afirmando que ‘muito me tem custado alcançar isso tudo – só desejaria insuflar uma decisão mais firme’.

Com a transferência da sede do reino português de volta para Lisboa, a elite carioca sentira-se economicamente defasada. O Estado, por sua vez, encontrava-se sem recursos para quitar suas dívidas, pois antes de sua partida D. João raspara os fundos monetários do Banco do Brasil.

Sendo assim, pode-se notar como o clima do período estava propício a grandes tensões de cunho político e administrativo. Coube a Leopoldina tomar nova medida junto ao príncipe regente, ao sugerir a nomeação de José Bonifácio de Andrada e Silva para o ministério (em janeiro de 1822), cargo este que o paulista relutou tanto tempo em aceitar. A partir daí, todas as peças do quebra cabeça da futura independência já estavam devidamente encaixadas, exceto pelo fato de Pedro ainda continuar a vacilar.

Apesar de tudo, o primeiro imperador do Brasil ainda sentia-se em obrigação para com o pai e o reino de Portugal. Não queria tomar uma atitude que prejudicasse os interesses de D. João VI. Todavia, se continuasse nesse estado de inércia, acabaria perdendo sua soberania no Brasil, que, por sua vez, não queria transformar-se novamente em colônia. Carlos H. Oberacker Jr., autor do maior ensaio biográfico já publicado sobre a vida de D. Leopoldina, diz-nos o seguinte:

Enquanto D. Pedro se vinha recusando a atender aos patriotas e hesitando mais tarde, procedimento compreensível em virtude de suas inclinações liberais e seus juramentos anteriores de fidelidade às cortes, os patriotas cuidavam de entrar em contato com D. Leopoldina, que já se encontrava do lado deles. Sabiam que seu conselho pesava muito nas decisões do jovem príncipe que, apesar de vacilar com o pai, atendia, ao contrário deste, o conselho de pessoas de confiança (Oberacker Jr., 1973, pág. 231).

Sem dúvida, Leopoldina, e futuramente José Bonifácio, era uma dessas pessoas de confiança. A prova está na decisão do príncipe de nomeá-la regente, enquanto viajava para São Paulo em agosto de 1822.

A arquiduquesa estava, então, no lugar certo e no momento certo, quando ela e o ministro Bonifácio deliberaram pela independência, em 02 de setembro daquele ano, numa sessão do Conselho de Estado. Em carta ao marido, ela o incitava a seguir em frente, dizendo ‘senhor, o pomo já está maduro, colhe-o já, se não apodrece’, pois, nas palavras do ministro ‘o dado já está lançado e de Portugal não temos a esperar senão escravidão e horrores’.


Aclamação de D. Pedro I como Imperador, por Jean-Baptiste Debret (D. Leopoldina ao seu lado e a princesa D. Maria da Glória no colo)

Em 07 de setembro de 1822, D. Pedro selaria para sempre o destino do Brasil, ao proclamar, diante de poucos espectadores, a emancipação política do país.
A aclamação de nosso primeiro imperador ocorreu no campo de Santana, no Rio de Janeiro, e foi esplendidamente retratada pelos olhos do desenhista da corte, Jean-Baptiste Debret.

Como era fluente em mais de uma língua e representava os interesses da casa d’Áustria em território nacional, D. Leopoldina enviou cartas às cortes europeias para reconhecerem a soberania do Estado brasileiro.

Porém, tanta luta política, aliada às desilusões amorosas para com o marido, além das gravidezes sucessivas (nove no total), cobraria seu preço, tanto no aspecto físico, quanto no psicológico da Imperatriz.

Podemos perceber em carta a sua irmã Luísa como se encontrava o estado de espírito da imperatriz no fim de seus anos, quando diz que ‘nós, pobres princesas, somos tais quais dados, que se jogam, e cuja sorte ou azar depende do resultado’. Havia mergulhado em profunda melancolia, afogada em dívidas contraídas para ajudar as famílias que lhe recorriam, e dedicada ao cuidado dos filhos, confiante na infeliz certeza de que nunca mais retornaria à Europa. E assim o foi.


                                        

Conclusão

Ainda hoje persistem muitas especulações acerca do que poderia ter causado na morte precoce da Imperatriz seis semanas antes de completar 30 anos, em onze de dezembro de 1826.

Boatos dão conta de que teria sido agredida por D. Pedro, quando esta se recusou a comparecer há um evento de despedida organizado pelo imperador, que estava de partida para o sul, o qual contava com a presença de Domitila de Castro, a marquesa de Santos, reconhecida amante real. Quanto a isso, não se pode ter certeza, embora não é improvável que tal tenha se sucedido, dado que explosões de raiva eram corriqueiras em Pedro.

À época estava grávida, tendo abortado um feto do sexo masculino em dois de dezembro. Na última carta que escreveu a sua irmã Maria Luísa, ela da conta de suas enfermidades, ao dizer que estava ‘reduzida ao mais estado deplorável de saúde e tendo chegado ao último ponto de minha vida, em meio aos maiores sofrimentos’.

Ao saber da notícia do falecimento da imperatriz, o outrora ‘adorado Pedro’, aquele a quem ela se referiu na mesma carta à irmã como ‘monstro sedutor’, que a havia diminuído ao ‘estado da maior escravidão’”, retornara para o Rio de Janeiro, e permanecera trancado de luto, enquanto toda a pátria chorava a perda de sua mãe.

D. Leopoldina havia conquistado seu lugar no panteão de heróis do país, como a matriarca do Império, aquela cuja intervenção seria decisiva para que uma revolução republicana não atingisse o país e fragmentasse o território nacional, assim como aconteceu às colônias espanholas na América.

Todavia, ainda hoje se nota certa dose de desleixo por parte de alguns historiadores que passam por cima da figura dessa impressionante mulher quando analisam o processo de soberania do país. Leopoldina fica quase eclipsada diante dos estereótipos de D. Pedro, o primeiro imperador, e José Bonifácio, o patriarca da independência.

Entretanto, foram suas articulações políticas com o ministro que definiram os acontecimentos que culminaram no grito do Ipiranga. Não obstante, apesar de identificar-se pouco com os costumes do Brasil, assumiu suas responsabilidades de esposa e mãe com total competência, intercedendo por aqueles a quem considerava dignos de misericórdia.

O país terá sempre uma dívida de eterna gratidão para com esta nobre arquiduquesa austríaca que triunfou na morte, assim como se desiludira em vida.  A ela, dedico minha total admiração e respeito!


Bandeira Imperial do Brasil



Referências Bibliográficas

  • Gomes, Laurentino. 1822: como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil, um país que tinha tudo para dar errado. – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.
  • Kann, Bettina; Lima, Patrícia Souza. ‘D. Leopoldina: cartas de uma imperatriz’ – São Paulo: Estação Liberdade, 2006.
  • Oberacker Jr., Carlos H. ‘A imperatriz Leopoldina, sua vida e época: ensaio de uma biografia’ – Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1973.
  • Priiore, Mary Del. ‘A carne e o sangue: A imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a marquesa de Santos’. – Rio de Janeiro: Rocco, 2012.


Fonte: Renato Drummond Tapioca Neto  |  Rainhas Trágicas


(JA, Mar19)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,