Pular para o conteúdo principal

Eleanor of Aquitaine, a mais moderna mulher da Europa Medieval





Algumas histórias nos parecem tão fantásticas que temos dificuldade em acreditar que de fato aconteceram.  É o caso da de Eleonor, a Duquesa de Aquitânia. Entretanto, sua história foi real, em todos os sentidos. 
Eleanor foi uma das mulheres mais poderosas da Idade Média. Duquesa de Aquitânia por direito próprio, ela entraria como rainha-consorte da França, e mais tarde rainha da Inglaterra.
Eleanor era a filha mais velha de William, o Duque de Aquitânia. A data exata de seu nascimento é desconhecida, mas ela foi criada em um dos ambientes mais cultos da Europa na época e recebeu uma excelente educação. Ela tornou-se mais um importante patrocinadora de poetas e escritores.
A morte do único irmão de Eleanor e de seu pai em 1137, deixou-a com uma vasta herança. Com apenas 15 anos de idade, de repente ela se tornou a herdeira mais elegível da Europa. Naquele mesmo ano casou-se com Louis, herdeiro de Luís VI da França, que pouco depois tornou-se rei como Louis VII. O casal tinha duas filhas.
Em 1147, Eleanor acompanhou o marido na segunda Cruzada, viajando para Constantinopla e Jerusalém. A Cruzada foi um fracasso e a relação entre Eleanor e seu marido, já prejudicada, deteriorou-se ainda mais. O fracasso de Eleanor em gerar um filho contribuiu consideravelmente para essa tensão e, em 1152, eles se divorciaram.
Dois meses depois, Eleanor casou-se com Henrique de Anjou, que em 1154 tornou-se rei da Inglaterra. O casal teve cinco filhos e três filhas. Por quase duas décadas, Eleanor desempenhou um papel ativo no funcionamento do império de Henry, viajando para lá e para cá, entre seus territórios, na Inglaterra e na França.
Em 1173, dois dos filhos de Eleanor a envolveram em um complô contra seu pai e, como resultado, Henry a aprisionou. Após a morte de Henry em 1189, seu filho mais velho, Richard I, ordenou a libertação de sua mãe. Apesar de sua idade -então na faixa dos sessenta anos, idade em que se era considerado idoso no século 12-, Eleanor tornou-se muito envolvida no governo. Em 1190, quando Richard foi se juntar à Terceira Cruzada, ela atuou como regente na Inglaterra. Ela até participou das negociações para libertação de Richard, depois que ele foi feito prisioneiro na Alemanha, a caminho de casa.
Em 1199, Richard morreu e foi sucedido pelo filho mais novo de Eleanor e Henry, John. Nessa época o papel de Eleanor nos assuntos ingleses já havia cessado, embora continuasse a estar intimamente envolvida na Aquitânia, onde passou os últimos anos. Ela morreu em 31 de março de 1204 e foi enterrada na igreja da abadia em Fontevrault, ao lado de Henrique II.

Resumo
Eleanor da Aquitânia foi uma das mulheres mais ricas e poderosas da Idade Média, tendo sido Duquesa da Aquitânia e da Gasconha, e Condessa de Poitiers por seu próprio direito.
Fontes contemporâneas elogiam a beleza de Eleanor. Mesmo em uma era em que as damas da nobreza eram excessivamente elogiadas, seu louvor era indubitavelmente sincero. Quando era jovem, ela era descrita como ‘perpulchra’ - mais do que bonita.
Quando tinha cerca de 30 anos, Bernard de Ventadour, um notável trovador, chamou-a de ‘graciosa, adorável, a personificação do encanto’, exaltando seus ‘adoráveis ​​olhos e nobre semblante’ e declarando que ela tinha tudo para coroar o estado de qualquer rei.  William de Newburgh enfatizou os encantos de sua pessoa e, mesmo em sua velhice, Richard de Devizes a descreveu como linda, enquanto Matthew Paris, escrevendo no  século 13, lembrou-se de sua ‘beleza admirável’.
Apesar de todas estas palavras de louvor, ninguém deixou uma descrição mais detalhada de Eleanor - a cor de seus cabelos e olhos, por exemplo, é desconhecida. A efígie em seu túmulo mostra uma mulher alta e desossada, com pele marrom, embora isso não seja uma representação precisa. Seu selo de c.1152 mostra uma mulher com uma figura esbelta, mas isso provavelmente seja uma imagem impessoal. 

O Ducado da Aquitânia -antigamente Guiena-  foi criado no século VI, e manteve-se como nação independente até 1204. A cronologia dos Duques da Aquitânia é confusa até ao estabelecimento da casa de Poitiers, em 887. Antes desta data, o ducado da Aquitânia foi por vezes um reino, mas não teve consistência dinástica. No princípio do século XIII, com a morte da Duquesa Eleanor da Aquitânia, rainha consorte de Inglaterra, o ducado passa a fazer parte da coroa inglesa. Eleonor foi matriarca da dinastia Plantageneta, que governou a Inglaterra entre 1154 e 1485

Em 1449, no fim da Guerra dos Cem Anos, a Aquitânia foi anexada à coroa de França. A partir de então, Duque da Aquitânia passa a ser um título nominal, atribuído a membros da família real francesa.

Nascimento: 1122
Falecimento: 1 de abril de 1204, Poitiers, França, aos 82 anos.
Nome completo: Eleanor of Aquitaine
Sepultamento: Abadia de Fontevraud, Fontevraud-l'Abbaye, França
Filhos: Ricardo I de Inglaterra (Ricardo, Coração de Leão) e João de Inglaterra (João Sem Terra)
Cônjuge: Henrique II de Inglaterra, de 1152 a 1189;  Luís VII de França, de 1137 a 1152


Fonte:  WP, Dvs



(JA, Out17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,