Pular para o conteúdo principal

Diários da Presidência


Há poucos dias, terminei de ler os ‘Diários da Presidência’, de Fernando Henrique Cardoso. São três alentados volumes, cada um abrangendo um biênio; o quarto, 2001-2002, sairá no ano que vem. Não se trata propriamente de diários escritos, e sim da transcrição de gravações que Fernando Henrique ia fazendo, no seu tempo de presidente, para assinalar e eventualmente comentar os acontecimentos que considerava mais significativos.
Independentemente de posições políticas, vejo a leitura dos diários como instrutiva a respeito do cotidiano que caracteriza o exercício do governo e também do contexto em que se dá a tomada de decisões. É de se prever que esses textos venham a se tornar um importante documento de consulta para os estudiosos desse período no Brasil.
Na imprensa, a publicação dos diários não parece ter suscitado muitas análises ou debates. Uma exceção é o artigo que o cientista político Celso Barros publicou no último número da revista Piauí − tenho uma ou outra divergência, mas entendo que sua tentativa é meritória. O que mais vi na imprensa foram matérias de intriga miúda, do tipo ‘FHC disse tal coisa sobre Fulano ou Sicrano’ − e não acho que esse seja o modo adequado de abordar diários, que são registros do momento, com impressões passageiras, desabafos, reações zangadas etc., e portanto um pensar alto que é evidentemente mutável.
Não vou me aventurar a análises de conteúdo, até mesmo porque o material é muito vasto; limito-me a registrar algumas impressões minhas de aspectos periféricos do texto. Uma coisa que chama a atenção é a agenda alucinante do dia típico de quem exerce um cargo desses. Por exemplo, tomar café da manhã no Alvorada com ministros da área econômica, em seguida ir ao Palácio do Planalto para receber credenciais de embaixadores, atender um grupo de deputados, depois um de sindicalistas, pegar o helicóptero e ser levado à Base Aérea para tomar o avião para o Triângulo Mineiro onde se dá uma exposição de gado, seguir de lá para o Rio e almoçar com empresários, atender a um telefonema de um chefe de Estado estrangeiro, e assim por diante, às vezes até tarde da noite. No dia seguinte, começar tudo de novo, talvez entremeando com alguma viagem ao exterior... E nessas situações se espera que o Presidente não apenas discurse, mas diga coisas pertinentes.
Uma traço de personalidade que se percebe em Fernando Henrique é que se trata de homem extremamente organizado. O próprio fato de manter um diário por oito anos é prova disso - na verdade, ele não fazia registros todos os dias, mas periodicamente; mas então procurava relembrar tudo o que houvera de mais importante naquele intervalo de tempo. Essa organização e disciplina aparece inclusive na prática regular de exercícios físicos. E também no empenho em arranjar brechas para se atualizar na leitura não apenas dos materiais típicos da mesa de um governante mas também de textos de reflexão, sobretudo na área de ciências sociais.
Em algumas passagens, Fernando Henrique recorre ao referencial da sociologia e da ciência política para comentar os fatos. Mais de uma vez, menciona a distinção feita por Max Weber entre a ética da convicção, do ‘principismo’ e da moral absoluta, e a ética da responsabilidade, que precisa levar em conta as consequências dos atos e evitar males maiores. Ao se pautar por essa última, o governante se torna alvo fácil dos que insistem na proclamação da primeira.
Do ponto de vista dos estudos brasileiros, teriam sido desejáveis os diários de outros presidentes. O único outro caso de que tenho notícia é o de Getúlio Vargas, que andou fazendo registros durante alguns anos da década de 30.”

Texto: AC Bôa Nova – AMDG


(JA, Out17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,