Pular para o conteúdo principal

Vote for the crook. It's important (Vote no trapaceiro. É importante)



A insólita recomendação consta num adesivo para carros que vi exposto no Presbytère Museum, em Nova Orleans. Ao lado, um pequeno texto situa a história, ocorrida em 1991 nas eleições para Governador da Louisiana.
Entre os candidatos do Partido Democrata, despontava Edwin Edwards − comunicativo, espirituoso e carismático, já exercera o governo três vezes e tentava retornar. Contra ele, porém, pesavam acusações de corrupção; conseguira safar-se, mas com a popularidade arranhada. Escreveu um jornalista:
‘Agora, Edwards só ganha uma eleição se for contra o próprio Hitler’.
O mundo dá voltas. Edwards chegou ao segundo turno, e seu adversário, David Duke, havia sido figurão da Ku Klux Klan e mantinha vínculos com grupos racistas, antissemitas, neonazistas. Difícil alguém mais parecido com Hitler...
Edwards tinha o adversário ideal. Indagado sobre o que precisaria para eleger-se, respondeu: ‘Continuar vivo’. Em outra ocasião, declarou-se preocupado com a saúde de Duke: ‘Acho que ele anda sofrendo dos pulmões. É de tanto aspirar fumaça de cruzes pegando fogo’.
Para os eleitores cujo candidato não fora além do primeiro turno, a nova escolha representava um dilema. Não queriam o retorno de Edwards, com seu estilo ‘rouba mas faz’. E tampouco admitiam ter um Governador de perfil neonazista. Claro que poderiam abster-se, anular, votar em branco. Mas a questão não era fazer o que se gostava, e sim o que se precisava. No caso, tratava-se de evitar o mal maior; qual seria?
Foi por se horrorizarem com o risco da eleição de Duke que alguns cidadãos criaram o ‘slogan’ recomendando votar no ‘trapaceiro’, que logo se espalhou como adesivo nos carros. Era uma aplicação prática do "nunca diga desta água não beberei".
Edwards venceu folgado, 61 a 39%, mas a história não terminou ali. No seu quarto mandato, vieram mais acusações, e ao deixar o governo teve de responder a processos. Foi por fim condenado à prisão, e em 2002, aos 75 anos, começou a cumprir a sentença. Entrevistado, declarou: ‘Serei um prisioneiro exemplar, assim como fui um cidadão exemplar’. Em 2011, ganhou liberdade condicional e se casou pela terceira vez. Dois anos depois, quando concluiu o cumprimento da pena, sua mulher deu à luz um menino − Edwards tinha então 86 anos. Hoje, aos 90, ainda sonha voltar à política.
Duke voltou a disputar várias eleições. Perdeu todas. Em 2006, esteve no Irã a convite do Presidente Ahmadinejad a fim de participar de um evento de negação do Holocausto. Em agosto último, reapareceu em Charlottesville entre os supremacistas brancos e ganhou aplausos de sua patota. 
E a Louisiana segue sua vida.

Texto: A C Bôa Nova- AMDG
Imagem: Bandeira do Estado da Louisiana




(JA, Set17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,