Pular para o conteúdo principal

'O Poder do Hábito'


Desde seu lançamento, em 2012, o livro ‘O Poder do Hábito’, de Charles Duhigg , é um fenômeno internacional. Já são mais de 60 semanas na lista dos mais vendidos do New York Times e 80 na lista de VEJA, com mais de dois milhões de exemplares vendidos no mundo. A premissa do autor é simples: mais de 40% das nossas ações cotidianas – o que comemos, como nos exercitamos, como nos relacionamos com o trabalho e com as pessoas – são, na verdade, automáticas. Movido pelo desejo de transformar a incômoda (e pouco saudável) mania de comer um cookie todos os dias no trabalho, Duhigg, repórter vencedor do prêmio Pulitzer de 2013, mergulhou na ciência da formação dos hábitos e apresentou sua descoberta: é possível transformá-los. Dias antes de sua palestra na Bienal do Rio, o autor falou sobre o tema.
O que é, exatamente, um hábito? Hábitos são ações que começam com uma decisão e, conforme são repetidas, tornam-se inconscientes. É uma forma de o cérebro poupar energia e não se esforçar tanto para tomar decisões rotineiras. Por exemplo, aprender a estacionar um carro é bastante trabalhoso no início. Não estamos acostumados a olhar o retrovisor, calcular a distância entre o carro e a calçada, checar o espaço à frente, calcular a força do acelerador, etc. Se você consegue fazer tudo isso automaticamente, é porque já virou um hábito. O curioso é que cerca de 40% das nossas ações cotidianas não são conscientes. Funcionamos boa parte do tempo no piloto automático. O importante para mudar um hábito é entender que ele tem três partes: há uma ‘deixa’ ou ‘gatilho’, algo que desperta a ação; a rotina, que é o comportamento em si; e a recompensa – a sensação de satisfação que o cérebro experimenta após cumprir a tarefa a que está habituado.
A partir desse esquema, como é possível mudar um hábito? Uma vez que se define qual é a deixa e a recompensa, é possível substituir o comportamento que se tornou um hábito. Soa simples, mas pode ser bem trabalhoso. A deixa, na maioria dos casos, é bastante óbvia. Pode ser um horário do dia, ou o contato com uma pessoa, etc. A recompensa, por outro lado, pode estar ligada à fatores emocionais mais “profundos”. Minha dica é fazer experimentos. Pegue o meu hábito do cookie, por exemplo. Eu queria identificar se eu o executava por fome – e, neste caso, um outro lanche resolveria o problema -, se precisava apenas de uma pausa no trabalho ou se era uma desculpa para conversar com meus amigos na cafeteria. Acabei percebendo que alguns minutos conversando na mesa de um colega satisfaziam minha Se fosse a necessidade da pausa, um passeio pelo quarteirão seria uma alternativa. E assim por diante.
É possível mudar comportamentos mais profundos – como insegurança, depressão ou ansiedade – usando essa teoria? Sim, perfeitamente. Há uma vasta literatura da psicologia, especialmente na área da terapia cognitivo-comportamental, que afirma que muitos dos nossos comportamentos negativos são regidos por hábitos. Se eu sofro de baixa autoestima, por exemplo, pode ser porque tenho um hábito mental de dizer a mim mesmo que não sou bom o suficiente. Se sou tímido, posso ter cultivado o hábito de não assumir riscos. Olhar para as deixas e recompensas que guiam esses comportamentos é uma maneira de começar a alterá-los. Muitas vezes, a manutenção da zona de conforto já é uma gratificação. Um cara que tem medo de conversar com uma mulher bonita no bar provavelmente vê a garantia de não levar um fora como recompensa. Para mudar este hábito, terá que se convencer de que o 'não' não é o fim do mundo.
Há algum hábito ruim que seja muito comum neste século? O aumento da tecnologia faz com criemos hábitos em torno delas. Vide o vício nos smartphones, por exemplo. Há pesquisas científicas que mostram que as pessoas estão refletindo menos sobre os assuntos, por falta de tempo para se aprofundar ou mesmo para divagar. Nossa atenção é tomada por diversos conteúdos rápidos, que não demandam muito raciocínio, mas, ao mesmo tempo, também não nos deixam descansar. Isso é uma consequência do hábito de acompanhar diversas redes e portais ao mesmo tempo.
O que pode estar por trás dele? Pode ser um desejo por diversão e novidade ao longo de um trabalho monótono ou, no caso das redes sociais, uma necessidade de controle sobre o que acontece. Pode até mesmo ser uma dependência da aprovação social via 'curtidas' ou comentários. Entretanto, é importante ressaltar que os hábitos não são bons nem ruins em sua raiz. Criar o hábito de entrar no Facebook pode ser benéfico para alguém que vive longe da família ou trabalha com mídias sociais.
É possível mudar um hábito sem fazer esforço? Às vezes, sim. Sabe-se que quando as pessoas saem de férias, conseguem alterar hábitos bastante arraigados quase inconscientemente, porque suas antigas deixas vão embora. Mudar de ambiente é uma maneira de acelerar uma transformação. Tentar parar de fumar durante as férias, por exemplo, pode ser mais fácil. Entretanto, como nem sempre é possível se afastar da rotina para mudar hábitos problemáticos, minha dica é focar na recompensa. A força que o cérebro tem para transformar seus padrões está diretamente relacionada ao poder da gratificação.

Texto: Maria Clara Vieira, Rev. Veja
Imagem: O jornalista e escritor Charles Duhigg, autor de ‘O Poder do Hábito’


(JA, Set17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,