Pular para o conteúdo principal

Arte é História (Parte 1)


Guernica’, de Pablo Picasso’, e retrata os efeitos de um bombardeio na cidade basca. Na época, o país passava por uma guerra civil (1936-1939) na qual disputavam Republicanos (um aglomerado de grupos de esquerda) e Nacionalistas (grupos de direita liderados pelo general Francisco Franco). Guernica representava um local de resistência basca e do movimento republicano. Em apoio a Franco – que toma o poder em 1936 e nele fica até sua morte, em 1975 –, aviões nazistas lançaram bombas sobre a cidade, matando centenas de pessoas. Picasso, que morava em Paris, fez o mural (que mede 3,49m x 7,76m) na parede da sua casa em homenagem às vítimas do ataque e chamou a atenção do mundo para as atrocidades da guerra civil espanhola. A obra está atualmente exposta no Museo Reina Sofia, em Madri, na Espanha.


Revolução de Julho, de 1830. O francês Eugène Delacroix retratou a revolução – que destituiu Carlos 10 e colocou o ‘Rei Burguês’ em seu lugar – no mesmo ano em que ela se deu. Na imagem, a Liberdade é retratada como uma deusa, segurando a bandeira tricolor francesa e um mosquete, conduzindo o ‘povo’. A tela retrata também a heterogeneidade desse ‘povo’, fato ilustrado pela presença de militares, além do menino pobre à direita e do burguês de cartola à esquerda. A tela ‘Liberdade Guiando um Povo encontra-se atualmente Museu do Louvre, em Paris.


Desembarque dos primeiros portugueses no Brasil, em 1500. Segundo relato do escrivão da corte portuguesa Pero Vaz de Caminha, após chegarem no que achavam ser a Ilha de Vera Cruz, no atual litoral sul baiano, a expedição liderada por Pedro Álvares Cabral participou de uma missa, feita pelo padre frei Henrique. Já a pintura que retrata esse momento inaugural é feita só em 1861, pelo catarinense Victor Meirelles, seguindo relato de Caminha, que descreve também a participação de indígenas curiosos na cerimônia ‘com seus arcos e setas’. A obra faz parte do acervo do Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro.



O quadro é ‘Operários’de Tarsila do Amaral. Concluído em 1933, após retorno da pintora de viagem à União Soviética, a tela representa a indústria ao fundo e, à frente, um mosaico de rostos da população brasileira, contemplando uma diversidade regional, de raça e cor, gênero, bem como de nacionalidade e cultural. Uma interpretação sobre a obra aponta para uma crítica à industrialização (incentivada sob o governo de Getúlio Vargas) associada a uma precarização do trabalho – as expressões de cansaço, apatia, tristeza e, em alguns casos, agressividade demonstram isso. A obra faz parte do Acervo do Governo do Estado de São Paulo.

(JA, Jul17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,