Pular para o conteúdo principal

Malba Tahan, O Homem Que Calculava

O professor, autor de mais de 100 livros de contos árabes, que contava histórias para ensinar Matemática, reavivando em seus alunos a atenção, e a dirigindo para a compreensão de problemas matemáticos.


Capa de uma das quase 100 edições de O homem que calculava (detalhe)

Talvez sem a mistificação literária, o professor Mello e Souza nunca teria conseguido popularizar o Ensino da Matemática, transformando a disciplina em matéria curiosa e divertida, que teve no livro ‘O homem que calculava’ seu mais espetacular exemplo.

Júlio Cesar de Mello e Souza nasceu no Rio de Janeiro no dia 6 de maio de 1895. Passou sua infância na cidade de Queluz-SP, às margens do Rio Paraíba, junto à divisa com o Estado do Rio de Janeiro. Teve oito irmãos.


O carioca Júlio César de Melo e Souza, também conhecido como Malba Tahan, 1895-1974

Cursou o ensino fundamental e médio nos Colégios Militar e Pedro II no Rio de Janeiro. Formou-se professor pela Escola Normal, e depois engenheiro pela Escola Nacional de Engenharia. Lecionou em diversos estabelecimentos de ensino como o Colégio Mello e Souza, o Colégio Pedro II, a Escola Normal e a Universidade Federal do Rio de Janeiro. Casou-se com Nair Marques da Costa com quem teve três filhos.

Nasce Malba Tahan, mistificação literária

Na verdade, Malba Tahan não foi apenas um pseudônimo de Júlio Cesar de Mello e Souza. O escritor e professor carioca tinha o dom da palavra, e inventou um personagem que parecesse real, uma pessoa que houvesse existido de fato, uma mistificação literária.

Ele estudou a cultura e a língua árabes, para que a biografia e as obras do Malba Tahan fossem convincentes em estilo, linguagem e ambientação. Em 1924, Júlio Cesar teria procurado o jornalista Irineu Marinho, futuro fundador do jornal ‘O Globo’, na época ainda diretor do periódico ‘A Noite’, para lhe propor uma ideia: surpreender o Brasil com a ‘mistificação literária’ de um escritor árabe, chamado Malba Tahan, para publicar contos orientais e educativos.

Irineu Marinho teria lido dois ou três contos do professor Mello e Souza e, aprovando a ideia, recomendou que fossem publicados na primeira página de seu jornal, precedidos de uma biografia do famoso escritor Malba Tahan, ou melhor, de Ali Yezzid Izz-edin Ibn-Salin Malba Tahan.

Jornal A Noite, 7 de junho de 1924

O jornal divulgava que os ‘contos do original escriptor anglo-árabe Hank Malba Tahan’ eram especialmente traduzidos e adaptados por ‘um de nossos collaboradores’. Mello e Souza e Irineu Marinho jamais revelaram a pessoa alguma o segredo da mistificação da qual foram aliados e corresponsáveis.

Assim, em 20 de junho de 1924, iniciaram-se a publicação dos contos árabes no jornal ‘A Noite’, sendo o primeiro deles intitulado o ‘O Juiz’. A publicação do primeiro conto deu início ao personagem Malba Tahan no imaginário brasileiro.

O professor de matemática que contava histórias

Em setembro de 1937, ele foi nomeado, por concurso público, Professor Catedrático da disciplina de Matemática da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil, atual Universidade Federal. Mas, a atuação de Malba Tahan foi muito além da sala de aula.

A partir de 1940, ele iniciou uma longa caminhada, proferindo palestras e ministrando cursos para professores, em mais de 200 cidades brasileiras. Nessa mesma década, destacam-se três iniciativas inovadoras de Malba Tahan: a criação da Universidade do Ar, em 1941, junto à Rádio Nacional, projeto pioneiro do ensino a distância no Brasil, o apoio à criação do Monumento à Matemática, na cidade de Itaocara, RJ, e a criação e direção da Revista ‘Al Karismi’, de recreações matemáticas, publicada de 1946 a 1951.

O homem que calculava

Em 1934, sai seu primeiro título de recreações matemáticas, o livro ‘Matemática Divertida e Curiosa’. Em 1938, foi publicado ‘O homem que calculava’, obra que ‘ficará salvo das vassouradas do tempo, como a melhor expressão do binômio ciência e imaginação’, como profetizou Monteiro Lobato.

Revista Careta, 24 de setembro de 1938

De fato, Malba Tahan conseguiu reunir o saber matemático e os contos árabes em uma extraordinária aventura, que apresenta a cada capítulo desafios e problemas sempre resolvidos pelo homem que calculava, o persa Beremiz Samir, principal protagonista da obra.

Best seller na literatura brasileira, ‘O homem que calculava’ continua vivo em milhares de salas de aula do Brasil, alcançando quase uma centena de edições.

Prêmio concedido pela Academia Brasileira de Letras em 1939

Dia Nacional da Matemática

Júlio Cesar faleceu no dia 18 de junho de 1974. Estava no Recife, a convite da Secretaria de Educação e Cultura, ministrando, para professores, os cursos ‘A arte de ler e contar histórias’ e ‘Jogos e recreações no ensino da matemática’.

No hotel, onde se hospedava com sua esposa Nair, sofreu um enfarte às 5h30 da manhã, quando se preparava para as aulas. O Jornal do Brasil noticiou: ‘morreu aos 79 anos, em consequência de um edema pulmonar agudo, e da trombose coronária que o surpreenderam às 5h30, nos aposentos do Hotel Boa Viagem, em que estava hospedado’.

Em 2013, trinta e nove anos depois de sua morte, em resposta ao Projeto de Lei 3482/04, impulsionado pela Sociedade Brasileira de Educação Matemática, foi criado, na data de seu nascimento, 6 de maio, o Dia Nacional da Matemática.

Depois de toda essas histórias, algumas perguntas ainda permanecem sem respostas: Malba Tahan e Júlio Cesar de Mello e Souza foram a mesma pessoa? Seria Malba Tahan o pseudônimo de Julio Cesar? Por que razão se diz que o famoso escritor árabe, Ali Yezid Ibn-Abul Izz-Eddin Ibn-Salin Malba Tahan, descendente de uma tradicional família muçulmana, nascido no dia 6 de maio  de 1885, em uma aldeia chamada Muzalit, teria sido uma mistificação literária do escritor e professor Julio Cesar de Mello e Souza, nascido na cidade do Rio de Janeiro, em  6 de maio  de 1895?

Revista Manchete, 29 de agosto de 1970

Tudo leva a crer, caros leitores, que Malba Tahan tenha realmente existido e, até hoje, muita gente ainda acredita que o escritor árabe existiu de fato.





Fontes: Cláudio Soares, Hiperliteratura  |  Malbatahan.com.br, revistas Manchete e Careta, jornais A Noite, Jornal do Brasil e Correio da Manhã



(JA, Mar20)



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,