Pular para o conteúdo principal

Higiene na Idade Média

                                                       Palácio e Jardins de Versalhes, 2021

Ao visitar o Palácio de Versalhes em Paris, note que o suntuoso palácio não tem banheiros.

Na Idade Média, não havia escovas de dente, perfumes, desodorantes e, muito menos papel higiênico. Excremento humano era jogado das janelas do palácio.

Num dia de festa, a cozinha do palácio podia preparar um banquete para 1500 pessoas, sem a mínima higiene.

Nos filmes de hoje, vemos gente daquela época se sacudindo ou se abanando...

A explicação não está no calor, mas no mau cheiro que exalavam sob as saias (feitas de propósito para conter o cheiro das partes íntimas, já que não havia higiene). Também não era costume tomar banho devido ao frio, e à quase inexistência de água corrente.

Só os nobres tinham lacaios para abaná-los, dissipar o mau cheiro que o corpo e a boca exalavam, além de afugentar os insetos.

Quem esteve em Versalhes admirou os imensos e belos jardins que, naquela época, não eram apenas contemplados. Por não haver banheiros, as pessoas convidadas para as famosas baladas promovidas pela monarquia, o utilizavam para esse fim.

Na Idade Média, a maioria dos casamentos acontecia em junho (para eles, o início do verão). O motivo é simples: o primeiro banho do ano foi tomado em maio; então, em junho, o cheiro das pessoas ainda era tolerável. Porém, como alguns cheiros já começavam a incomodar, as noivas carregavam buquês de flores perto do corpo para disfarçar o fedor. Daí a explicação de maio ser conhecido como o ‘mês das noivas’, e da origem do buquê de noiva.

Os banhos eram feitos em uma única tina enorme cheia de água quente. O chefe da família tinha o privilégio do primeiro banho em água limpa. Então, sem trocar a água, vinham os outros homens da casa, por ordem de idade; depois as mulheres, também por idade; e, por fim, as crianças. Os bebês eram os últimos a tomar banho.

Quando chegava a vez deles, a água da tina já estava tão suja que era possível perder um bebê lá dentro. É por isso que existe a expressão em inglês ‘don't throw the baby out with the bath water’, ou seja, literalmente ‘não jogue fora o bebê junto com a água do banho’, que hoje usamos para os mais apressadinhos...

Os telhados das casas não tinham forro, e as vigas de madeira que os sustentavam eram o melhor lugar para os animais se aquecerem - cachorros, gatos e outros animais de pequeno porte como ratos e besouros. Quando chovia, começavam as goteiras e os animais pulavam para o chão. Assim, a nossa expressão ‘está chovendo canivetes’ tem o seu equivalente em inglês em ‘it's raining cats and dogs’.

Para não sujar as camas, inventaram uma espécie de cobertura, que se transformou no dossel.

Aqueles que tinham dinheiro possuíam pratos de estanho. Certos tipos de alimentos oxidavam o material, o que fazia com que muita gente morresse envenenada - lembremo-nos que os hábitos higiênicos da época não eram lá grande coisa...

Isso acontecia frequentemente com os tomates, que, sendo ácidos, foram considerados, durante muito tempo, como venenosos.

Os copos de estanho eram usados para beber cerveja ou uísque. Essa combinação, às vezes, deixava o indivíduo ‘no chão’ (numa espécie de narcolepsia induzida pela bebida alcoólica e pelo óxido de estanho). Alguém que passasse pela rua poderia pensar que ele estivesse morto. Nesse caso, recolhia o corpo, e o encaminhava para a família que preparava o enterro. O corpo era então colocado sobre a mesa da cozinha por alguns dias, e a família ficava em volta, em vigília, comendo, bebendo, esperando para ver se o morto acordava ou não. Daí surgiu a vigília do caixão.

Na Inglaterra os cemitérios eram pequenos, e nem sempre havia espaço para enterrar todos os mortos. Então os caixões eram abertos, os ossos tirados e encaminhados ao ossário, e o túmulo era utilizado para outro infeliz.

As vezes ao abrir os caixões, percebiam que havia arranhões nas tampas do lado de dentro, o que indicava que aquele morto, na verdade, tinha sido enterrado vivo. Assim, surgiu a ideia de, ao fechar os caixões, amarrar uma tira no pulso do defunto, tira essa que passava por um buraco no caixão e ficava amarrada num sino.

Após o enterro, alguém ficava de plantão ao lado do túmulo durante uns dias.

Se o indivíduo acordasse, o movimento do braço faria o sino tocar. Assim, ele seria ‘saved by the bell’, ou ‘salvo pelo gongo’, como usamos hoje...

 


Idade Média, uma injustiçada

 

 

É muito comum ouvir alguém se referir como ‘Idade das Trevas’, ao período que vai dos séculos 5 ao 15, a Idade Média. Entretanto, veja quantas invenções datam daquela época, e que muito contribuíram para que o mundo seja o que é hoje.

o    Universidades,

o    Óculos,

o    Moinhos de água e de vento,

o    Bibliotecas públicas,

o    Relações comerciais com moedas,

o    Catedrais e os arcobotantes que as sustentavam,

o    Astrolábio e Quadrante (precursores do GPS),

o    Prensa com tipos móveis,

o    Relógios de areia e mecânico,

o    Cafeteria,

o    Técnicas de pintura à óleo,

o    Alto forno para metalurgia,

o    Poço artesiano,

o    Compasso astronômico,

o    Marca d'água em papel,

o    Caravelas,

o    Bancos e cartórios,

o    Vitrais e vidros,

o    Sistema agrícola de rotações de culturas,

o    Carrinho de mão,

o    Imã,

o    Garfo e colher,

o    Espelho,

o    Jogos de cartas e xadrez,

o    Botões para as roupas,

o    Tear horizontal,

o    Sabonete pastoso,

o    Amuletos para noites de tempestade,

o    Calças, cuecas e roupa íntima feminina,

o    Anestesia,

o    Bússola e o Timão,

o    Tremular das bandeiras nas batalhas, com seus brasões coloridos,

o    Pólvora para os fuzis e canhões,

o    Papel e o livro,

o    Números arábicos e o zero,

o    Nome das notas e a escala musical,

o    Tarô,

o    Hábito de se sentar à mesa para comer,

o    Filigrana,

o    Lareira 

E, com certeza, daria para acrescentar mais algumas. 

 

Fonte: La Lectura es Cultura | Site Curiosidades

 

(JA, Jul21)

 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,