Pular para o conteúdo principal

Brasil, Final da 2ª Guerra Mundial

 

De 1944 a 1945, em pleno final da 2ª Guerra Mundial, muitos alimentos ficaram faltando nos armazéns paulistanos. Havia falta de trigo, açúcar refinado etc. Houve então um racionamento de vários produtos, os quais antes se compravam normalmente nas famosas vendas e mercadinhos, mas que, nesse período, só eram vendidos para possuidores de ticket ou no câmbio negro.

Na época eu era uma criança ainda, com sete aninhos, e ia sempre com minha mãe tentar comprar as coisas necessárias para a nossa alimentação. Foi nessa época tão difícil que eu perdi meu pai; lembro-me bem disso, era junho de 1945.

Para se comprar pão, além de dinheiro ou ter crédito para poder mandar marcar na caderneta o valor da compra, ainda era obrigatório possuir um ticket especial que limitava a quantidade a ser comprada. Não me lembro como era adquirido esse ticket, só sei que ele era necessário para se comprar pão, farinha de trigo e carne. Caso acabasse o nosso ticket antes do final do mês, ficávamos impedidos de comprar esses produtos nos mercados, empórios e padarias.

Havia um afrodescendente, nosso vizinho, muito simpático, (nunca mais eu soube dele, como também nunca soube seu verdadeiro nome); toda vizinhança o conhecia como Gaúcho, e era famoso por ter o dom de botar apelido em todo mundo. Esse bom homem trabalhava em uma grande empresa de distribuição de carne chamada Tendal da Lapa, situada na Rua Guaicurus, e, com isso, conseguia trazer carne para vender no câmbio negro, naturalmente um pouco mais cara que o preço dos açougues, mas com a vantagem de não haver exigência do citado ticket.

Gaúcho gente boa, conhecendo as dificuldades que minha mãe, uma viúva recente, que tinha três filhos para criar, fazia mais barato e, às vezes, até mesmo não cobrava a carne que trazia.

E assim, essa fase tão difícil de ser vivida era minimizada pela fraternidade, amor e amizade entre os vizinhos.

Vivíamos na ‘fartura’: fartava trigo, fartava pão, fartava carne, fartava leite, fartava luz, fartava combustível.

Havia o chamado blecaute, em que, em determinado horário noturno, as luzes de toda a cidade de São Paulo se apagavam, e então ficávamos à luz de vela ou lampião, por algum tempo. Até hoje eu não sei para que servia isso. Diziam alguns que era treinamento para a população apreender a obedecer às regras Militares para o caso de um ataque aéreo. 

Certo dia um, cara que era taxista apareceu com o seu velho (na época novo) Chevrolet 38, com dois enormes fornos cilíndricos na traseira, onde era colocado carvão redondo, feito bolas de Ping Pong, e que, depois de acesos, criavam um gás que movimentava o motor do carro - chamava-se gasogênio. Objetivo era poupar o consumo de gasolina.

Nessa época surgiram muitas piadas proibidas para nós crianças, contadas bem baixinho pelos adultos, mas que a gente ouvia e contava meio escondido, no dia seguinte para os amiguinhos no recreio da escola. Lembro-me de uma famosa que era uma pergunta:

“- Sabe o que a gasolina falou para o gasogênio? - Nossa! Como você corre. - Sabe o que o gasogênio respondeu? - Também, pudera, com uma brasa no rabo, quem é que não corre!”            

Creio que rodando pela Freguesia do Ó, vi pelo menos uns dois ou três carros com esse tubo de gasogênio instalado. Inclusive me recordo, que um deles era um enorme e belíssimo Buick preto.

Não havia ainda televisão no Brasil; o rádio era o grande companheiro de todo mundo. Nessa época não havia o Rádio portátil, assim ouvir Rádio era só dentro de casa, ou dentro de um carro que possuísse o aparelho instalado, o que também era uma raridade.

Na minha casa, depois das 18h00, ouvíamos o grande Nhô Totico e sua ‘Escolinha da Dona Olinda’; depois a ‘Hora do Brasil’ em cadeia Nacional; e então a Famosa Novela Sertaneja. Essa novela era escrita pelo Fernando Balerone, e contava com a interpretação da sua mulher, sua Excelência Laura Cardoso - até hoje na ativa, aos 90, na novela ‘O Outro Lado...’- e do Cantor Sólon Sales, e mais um grande elenco. 

 

Depois disso as famílias iam para as frentes das casas, na rua, ou no Largo da Matriz, sentavam-se e batiam o maior papo. Falava-se sobre quase tudo - a vida, a situação do povo, histórias antigas, medos de cada um, piadas (sempre de salão) enquanto a criançada brincava. Alguns, cansados, vinham ouvir histórias e contos sobre vampiros, sacis, fantasmas. Geralmente a garotada ia dormir cheia de medos.

Acho que foi essa convivência que fez com que eu, até hoje, me lembre dos nomes e sobrenomes de todos os moradores da minha rua daqueles anos.  

Faltava muita coisa naqueles tempos. Mas sobrava fraternidade, amizade, afeto e, principalmente, honestidade e lealdade entre as pessoas. 

“Saudade é a coisa mais gostosa que existe.”

 


Fonte: Arthur Miranda

 

(JA, Abr21)

 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,