Pular para o conteúdo principal

Inverno Paulista






No século 19, o frio de São Paulo assustava os velhos paulistanos, e surpreendia os forasteiros, mesmo os europeus que passavam pela cidade.

Quando estudantes de todo o país vinham fazer o curso de Direito na Academia do Largo de São Francisco, o frio era um flagelo para quem era de fora.  

Castro Alves, que frequentou a escola no fim dos anos 1860, disse numa carta:  ‘São Paulo é um pedaço do polo, grudado nos trópicos!’




Com a inauguração da ferrovia que transformou a viagem a Santos num trajeto de poucas horas, começou também o hábito da elite de fugir do frio, e passar a temporada de inverno na praia.

Ao contrário do que acontece hoje, a praia não era procurada no verão, e o auge do movimento dos paulistanos em direção ao mar se dava em julho. Mas não era Santos o destino principal. A elite paulistana rejeitava a cidade em razão do Porto, e do seu movimento comercial. As primeiras casas de veraneio ficavam em São Vicente, com suas praias limpas e vida tranquila.




Em 1892, um grupo de paulistanos ricos, comprou, de Antônio da Silva Prado, a Cia. Balnearia de Santo Amaro, e construiu um hotel no Guarujá, com bangalôs de madeira importados semiprontos dos Estados Unidos.

Rapidamente o negócio se expandiu e o Grand Hotel La Plage, reformado e ampliado com projeto de Ramos de Azevedo, se transformou num grande hotel de luxo. Como os principais balneários da Europa, tinha restaurantes, grandes salões de festas, e um cassino.




Como na Europa, possuía uma centena de cabinas para banho e, mais tarde, uma piscina, que foi uma das primeiras vistas em São Paulo. O hotel se ampliou com o passar dos anos, apesar de vários incêndios que sofreu.

Foi num quarto do hotel que Santos Dumont morreu, em 1932. 

Com o fim dos cassinos entrou em decadência e foi demolido nos anos 60. A piscina sobreviveu e, em torno dela, foi instalado o Clube da Orla, que também acabou sendo substituído por um shopping center.

Até o final dos anos 50, o veraneio a beira mar era um antídoto ao áspero inverno paulistano, e os ricos mantinham o hábito de fugir para a praia. 

Mas, os costumes mudam e, hoje em dia, como se o inverno de São Paulo não fosse suficiente, quem pode pagar, procura ainda mais frio em Campos do Jordão, que atrai multidões no mês de julho.





Fonte: Lembranças de São Paulo Cultura





(JA, Ago19)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,