Pular para o conteúdo principal

Quem sou eu ?



Qual o meu significado como Ser Humano?


Qual o meu propósito interior? E este está em sintonia com o exterior que me rodeia?




O questionamento sobre o sentido da vida surgiu em todas as religiões, em todas as culturas, em todos os continentes. Pensadores, filósofos, artistas sempre buscaram respostas para o que é oculto. Na adolescência estas questões existenciais são comuns entre os jovens, mas parecem diluir-se ao longo da vida adulta, para depois, em alguns casos, ressurgir na velhice!

Todos os dias me autoquestiono e as respostas vão sofrendo alterações evolutivas ou involutivas, às vezes nem sei bem! Hoje, cheguei a outra pseudoconclusão: a integração do SER é mais importante e mais fácil do que o FAZER. Mas o sentido de vida altera-se perante cada ciclo.

O psiquiatra Flávio Gikovate diz que a vida não tem sentido nenhum, mas não é proibido dar-lhe algum, através de um projeto pessoal e individual. Urge então que este projeto seja a fusão entre a ciência funcionalista que responda ao COMO, e, a filosofia, a arte e a espiritualidade, que responda ao PORQUÊ ! São polos opostos complementares, ambos necessários, mas de formas diferentes e em tempos intercalados.

Vamos imaginar uma ilha que simboliza o SER conhecido, mas está rodeada de mar que simboliza o SER desconhecido. Logo o conhecimento é sempre incompleto e a busca de mais conhecimento é infinita, porque nada nos trás um equilíbrio definitivo, apenas temporário na escalada da evolução.

Quanto mais nos relacionamos, mais possibilidades se nos apresentam. Mas, objetivamente, é necessário discernir o problema para procurar a solução fundamental. A passividade perante o próprio muro/barreira requer observação consciente, porque, ‘tudo um dia será nada, e esse nada, será o todo que toda a vida procuramos’ (Paulo de Tarso Lima).

Liberdade é tomar consciência e assumir a autoria da sua própria existência, através da matriz criativa, que espalha beleza (= autoconhecimento), faz refletir, confronta, provoca convulsões na vida para que a revelação surja no momento mais fugaz. Ser do mesmo modo e fazer tudo de igual forma não é persistência é tacanhice mental, porque o que nasce acabado são as máquinas, o ser humano evolui, e forma-se ao longo da vida através das suas interações com o microcosmos e macrocosmos.

A beleza (= autoconhecimento) existe para lutar contra a tragédia, assim, a felicidade é a possibilidade de SER, e esta é original e única, sendo que a missão é procurar ter uma visão verdadeira e bela de nos próprios.

Imaginemos que vamos passear dentro de nós próprios, simbolicamente vamos subir a nossa montanha. O seu vale é verde e florido, com ar puro e pássaros que cantam, mas quanto mais subimos menos vegetação temos, e o ar é mais rarefeito, mas o angulo de visão é cada vez maior. Quanto mais evoluímos, mais temos de nos esforçar porque temos uma visão maior, à qual corresponde maior responsabilidade.

O grande catalisador do Homem são as situações de ‘crise’, quando tudo cai e fica só a substância pura e realmente essencial. A causa do sofrimento é a ignorância, e a solução é a liberdade do autoconhecimento. A tristeza e a solidão, de que todos fogem, ou pelo menos tem dificuldade em conviver, são a ajuda interior tão esperada, que proporciona o luto para depois renascer. Afinal, o que estou a fazer da minha vida enquanto a morte não chega?


“O que interessa é o querer saber, e não o saber tudo. Isso não existe!”







Fonte: Margarida Seco de Oliveira, Psicóloga clínica,    |  Psicologia



(JA, Abr19) 



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,