Pular para o conteúdo principal

Fases da Vida



Cada época da nossa vida tem uma característica própria que a identifica. Refletir sobre elas com antecedência poderá ajudar a nos prepararmos para a fase seguinte, e a superá-la com maior facilidade, competência.
Quanto maior for nossa capacidade para superar cada fase, além de nos sentirmos realizados, estaremos contribuindo para a evolução da nossa sociedade -  aquela imagem que projetamos servirá como exemplo positivo para os demais, para ajudá-los a enfrentar e a superar as suas próprias fases – naturalmente, vale o inverso.  
Se projetarmos isso em escala, ficará fácil concluir que dependendo da nossa atuação, estaremos contribuindo mais ou menos para o processo de aproximação da humanidade daquilo que seria a sociedade ideal.  Uma sociedade na qual as necessidades básicas fossem normalmente atendidas, sem estresse, deixando espaço para elevação da capacidade de cognição e produção racional das pessoas, além do desenvolvimento, valorização e disseminação dos melhores princípios éticos e morais.
Fases
        Formação
Na melhor das hipóteses, somos filhos de pais responsáveis, que nos incentivaram a estudar, a nos comportarmos adequadamente, e que nos ajudaram a nos prepararmos para o futuro, para o mundo do trabalho. 
É nessa época que começamos a nos relacionar com outras pessoas que não são da nossa família. Aprendemos a compreendê-los, a conviver com eles ou, dependendo, a evitá-los. 

     Carreira
Começamos a trabalhar e vamos aprendendo como funciona o mundo empresarial. A nos relacionarmos com os colegas, chefias  e clientes. 
Se tudo der certo, descobriremos uma área de trabalho com a qual nos identificamos mais, e daremos um jeito de trabalhar nela. Essa identificação irá facilitar e potencializar nosso desempenho. Assim, rapidamente conseguiremos nos destacar positivamente, e ter nossa capacidade reconhecida. Esse reconhecimento resultará em promoções e melhores salários.
     Casamento
Como a nossa carreira bem definida e, em consequência uma estabilidade financeira garantida, acabamos por nos relacionar mais seriamente com aquela pessoa com quem vínhamos namorando, e acabamos nos casando.
Casamento implica em se ter uma moradia – tanto para o casal como para os filhos que certamente virão. 

     Investimentos
Além da casa própria, se for possível podemos adquirir uma casa de veraneio, imóveis para rendimento (locação).
E, além desses investimentos imobiliários, vamos investir também na educação dos nossos filhos: escola, faculdade, estágios, viagens, etc.  para ajudá-los a iniciar sua própria vida, de preferência com maior qualificação que nós próprios tivemos na nossa época, para facilitar sua evolução. 

      Relações
No meio de tudo isso, passamos a valorizar mais as pessoas de nossa relação: amigos que permaneceram, apesar do tempo passado; familiares...
Percebemos quão importantes eles foram para nossa vida e, à medida em que forem rareando -por diversos motivos-, os valorizamos e os preservamos ainda mais.
Os encontros, embora raros, são cada vez mais significativos, e ficam indeléveis na nossa melhor memória – aquela lembrança que, ao ser percebida, nos faz sentir bem. 

     Acidentalidades
Todos estamos sujeitos a acidentalidades. Por isso é necessário nos precaver, fazer o possível para evitar, minimizar.  E, além disso, nos prepararmos psicologicamente para resistir da melhor maneira ao impacto das inevitáveis, mantendo sempre uma reserva de força para reagir, se recompor. 

     Aposentadoria
O tempo passa e, inevitavelmente, somos levados a assumir nossa aposentadoria profissional. Então, nossos rendimentos acabam sendo reduzidos, independentemente de quanto tivermos poupado. Assim, somos levados, compulsoriamente, a adequar nosso padrão de vida para essa  nova condição. 

        Declínio Físico
Paralelamente sofremos um declínio físico mais acentuado – normal em função da maior idade. Também temos que nos adaptar a isso, passando a viver de acordo com as limitações decorrentes, para não extrapolar - o que só iria acelerar o processo. 
Nessa época da vida, as amizades vão se tornando cada vez mais reduzidas –ou por não terem sido cultivadas como deveriam - por uma ou ambas as partes-, ou por diversos motivos, inclusive por morte, cada vez mais comum nessa faixa etária. 
Os familiares mais velhos, igualmente, vão aos poucos se afastando, pelos mesmos motivos. Os mais novos, preocupados com as suas próprias vidas, valorizando conceitos que muitas vezes desconhecemos ou que consideramos pouco importantes, acabam se afastando também. 
Nossos filhos, por conta da formação que lhes demos, nunca serão indiferentes a nós. Eles nos darão atenção, carinho e cuidarão para nos amparar no nosso declínio físico e social. Essa dedicação caridosa e desinteressada, servirá como um excelente exemplo para os filhos deles que, muito provavelmente,  também agirão assim, num processo positivo recorrente. 

       Doença e Morte
Normalmente, isolados, solitários na maior parte do tempo, desimportantes para o dia a dia dos demais, vamos nos fechando num mundo particular, onde, pouco a pouco, mas cada vez mais, vamos nos encontramos com aquele que nos tornamos, cuja imagem irá ficar na memória dos que conviveram conosco, foram afetados pelo que construímos, ajudamos a construir, ou muito pelo contrário. 
Esse encontro pode ser positivo ou negativo, dependendo, basicamente, de como vivemos as diversas fases da nossa vida.   


"Não existe um final para ninguém. O que existe é  apenas uma parte em que você sai da história. Entretanto, a sua participação será eterna. Ela ficará registrada para sempre."





(JA, Set18)



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,