Pular para o conteúdo principal

Criando espaço para a dúvida, para o diferente





Quando alguma polêmica captura as paixões e o debate público, passamos por uma espécie de exercício coletivo de lidar com conflitos e divergências. Algumas que me vêm à mente: a causa da morte do Ayrton Senna, os rolezinhos em São Paulo, o impeachment de Dilma Rousseff, a eleição de Donald Trump, o corpo nu no museu, o 7x1, o acordo das Coreias, Marielle Franco assassinada, o clipe da Anitta ou a revelação sobre as autorizações de Ernesto Geisel para assassinatos de opositores ao regime.
Com o tempo, as discussões e assuntos vão esfriando até serem esquecidos ou ofuscados por um novo tema da vez. Sejam banalidades ou coisas muito sérias, há qualquer coisa de ameaçador quando somos frontalmente contrariados. Por exemplo, nos debates políticos recentes, fala-se bastante da cisão ou polarização das opiniões como algo muito ruim ou perigoso para a sociedade.
O sentimento de estarmos certos é muito prazeroso. Essas polêmicas são prato cheio para acaloradas conversas de bar, gostamos de chegar a opiniões sobre tudo. Mas nem sempre a coisa acontece no registro do prazer, e ficamos ansiosos ou angustiados quando não estamos muito seguros, ou quando percebemos contradições naquilo de que achávamos ter certeza.
É difícil sustentar o reconhecimento da ignorância ou a incerteza. Alguns estrangeiros reclamam que o brasileiro é tão zeloso ao dar informações na rua, que aponta a direção e dá instruções até quando não sabe o caminho. Mas, para além das situações pitorescas, algo mais preocupante acontece quando, em vez de suportar a dúvida e a insegurança, preferimos o discurso rápido que se impõe ao outro pela força e de modo violento.
Não à toa, as fake news são um sucesso. Em vez de ter que lidar com a complexa e frustrante realidade de uma determinada questão (que exigiria tempo e estômago) tudo pode se resolver com uma única mensagem de WhatsApp ou uma notícia que diz tudo aquilo que você gostaria de ouvir. O principal objetivo de toda fake news é encerrar uma questão, impedir que se pense mais adiante sobre ela.
A palavra pode se tornar algo como um aríete, em que colocamos toda nossa força para abrir caminho e derrubar tudo na frente. O diálogo é substituído por uma luta de sumô – quem empurrar mais forte, acha que levou. A capacidade para a dúvida é substituída pelo fascínio da força, que dispensa a frustração de suspender as próprias certezas para poder conversar com alguém que pensa de forma diferente.
Ninguém gosta muito de ficar na dúvida, de não saber onde está pisando. Mas se colocar intencionalmente na dúvida – e  suportar ficar com ela – é indispensável para tentar entender por que o outro pensa de forma tão contrária à nossa.
Ela é indispensável para o pensar, inclusive sobre nossas próprias ideias.
Se não conseguimos pensar algo, o máximo que podemos fazer com uma ideia que nos contradiz e questiona, é vomitá-la, colocá-la para fora, projetar para outra coisa, recusar, aniquilar. Nesse tipo de situação, usamos a linguagem não para nos comunicar, mas para nos livrar de um excesso, palavras e pensamentos que são intoleráveis. O grito ou o xingamento são formas de nos livrar da frustração ou da raiva. A palavra – o palavrão – carrega uma parte das intensidades para fora, trazendo um alívio imediato.
 Reconhecer a dimensão trágica de nossa existência significa nos tornarmos mais capazes de suportar a dor e a dúvida.  É justamente isso que a atitude obtusa não consegue, ou prefere não fazer. 

Em certa medida, com maior ou menor sutileza, todos nós fazemos isso, e faz parte da natureza da linguagem também funcionar dessa forma. Os bebês urram com todas as forças por coisas como fome, frio, calor, desconforto físico, falta da mãe, sono... Aos poucos, quando começam a adentrar mais a linguagem, vão aprendendo outras formas de lidar com a frustração e dor, e passam a ser capazes de antever a remediação daquela situação. Além de chorar, começam também a entender que o adulto diz algo sobre aquilo que eles sentem – o que mais tarde eles próprios poderão fazer. Contudo (e há uma bela ironia nisso), mesmo no adulto as palavras e a linguagem podem, por sua vez, ser usadas não para comunicar, mas como válvula de escape, como um urro. 
A psicanálise encontrou na tragédia grega um modelo que reflete a complexidade da mente humana: nascemos em um mundo que supera em muito os recursos que temos para apreendê-lo, somos atravessados por forças e destinos que vão muito além de nosso controle e de nossa apreensão pela consciência. A realidade (e nisso também se inclui a realidade interna de nossa própria mente) possui uma complexidade que nos obriga a conviver com a dúvida e parcialidade do conhecimento.
Reconhecer a dimensão trágica de nossa existência significa nos tornarmos mais capazes de suportar a dor e a dúvida. É justamente isso que a atitude obtusa não consegue ou prefere não fazer – ao invés, busca soluções mágicas e dogmáticas – simples – que resolvam as contradições e deem a sensação (ainda que ilusória) de ausência de dúvida.
A demonização do outro, do opositor, pode também carregar um motivo mais profundo: ele passa a ser depositário daqueles aspectos da realidade que eu prefiro não enxergar ou reconhecer em mim mesmo. As dúvidas e incertezas, quando não temos a capacidade para suportá-las, podem ser perturbadoras da confiança na realidade: o mundo passa a ser um lugar ameaçador e hostil, cheio de demônios. Nesse caso, alguma compensação é conseguida com muito esforço mental, por meio de fantasias de controle e onipotência – como mais muros e armas, por exemplo.
Uma das características mais estarrecedoras dos genocídios dos judeus na Alemanha nazista, dos indígenas na colonização das Américas, ou dos congoleses sob domínio do príncipe belga Leopoldo II era a aparente racionalidade asséptica dos extermínios, realizados de forma lógica e simples. O pensar, nesses períodos, era substituído pela simplicidade brutal das ordens, pelos dogmas e pela burocracia. Não havia espaço para a dúvida, para o diferente, para o meio termo, para o que fosse mestiço. Nesse estado paranoide, o que quer que contrarie as certezas é visto como contaminado, sujo, degenerado, e precisa ser eliminado.
Um mundo de certezas rígidas, avesso a transformações, constitui um cenário compensatório ideal quando a capacidade para a dúvida está ausente. Por exemplo, a atitude conservadora exagerada ou excessiva pode ser indicadora de que quaisquer mudanças, por si só, são sentidas como ameaçadoras. O que se ameaça, do ponto de vista psicológico, é a própria identidade, ou o sentimento de confiança no mundo. A certeza ignóbil, além disso, se esforçará ao máximo para tornar tudo aquilo que é desconhecido e estrangeiro em coisa conhecida. A familiaridade é o terreno a ser defendido, e não raro a xenofobia também encontra aqui seu lugar: o mesmo, a uniformidade, “os meus”, a recusa da diferença. Contudo, o contato com a realidade exige mais: é preciso espaço para a surpresa, para a dúvida e para o desconhecido.
 Wilfred Bion, um psicanalista inglês, debruçou-se sobre o tema da arrogância em sua clínica, fazendo a correlação entre três elementos: a curiosidade, a arrogância e a estupidez. Nesta relação, a curiosidade é o elemento que se perde, quando há o predomínio de um estado de arrogância. A estupidez passa a estar presente de maneira oculta, enquanto des-conhecimento dessa perda – faz parte da arrogância, o ocultamento ou não reconhecimento da própria estupidez. Por fim, a própria ligação entre esses três elementos é perdida.
Em um cenário assim, a estupidez não é acidental, mas tem um propósito. Ela ativamente busca suprimir qualquer fragmento de curiosidade ou indício que leve ao evento que gerou o estado de arrogância, e à perda da curiosidade. De modo inverso, o reconhecimento da própria estupidez representaria um primeiro passo na recuperação daquilo que foi perdido.
A capacidade para a dúvida é uma conquista fundamental que exige suportarmos uma dose considerável de frustração. Sem ela temos uma receita certa para catástrofes.



Texto:  André De Martini, psicanalista e professor doutor pelo Instituto de Psicologia da USP.     |    =Nexo



(JA, Set18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,