Pular para o conteúdo principal

Natal em Jerusalém



No Natal, em Jerusalém, não se celebra apenas a fé cristã. Judeus e muçulmanos também atribuem a essa região um forte caráter religioso –que é, inclusive, motivo de alguns dos conflitos mais sérios que temos nos nossos tempos (reforçados recentemente com a iniciativa controversa do atual presidente americano em reconhecer Jerusalém como capital de Israel).

Nada dessa tensão, no entanto, podia ser percebida ali, no último dia 24,, quando a maior ameaça parecia ser a chuva. Jerusalém em si parecia tranquila, senão um pouco agitada, com seu comércio todo aberto na véspera de Natal. Alguns cartazes pela cidade agradeciam a iniciativa do governo americano (‘God bless Trump, from Jerusalem DC’, ou ‘Deus abençoe Trump’, com o ‘DC’ fazendo referência direta à capital americana, Washington DC). De resto, a atmosfera era de pura comunhão.
Na cidade antiga, uma garoa, no final da tarde, deixava escorregadias as velhas pedras –com marcas de bigas dos tempos romanos. A luz do dia que já havia caído, tornava o caminho ainda mais misterioso.
Entrando pela rua São Jorge –tudo sempre indicado em árabe e hebraico também– e seguindo por vias estreias, encontra-se um colégio copta, um mosteiro ortodoxo grego, uma congregação cristã (com convite para os cultos escrito em português!), a mesquita de Omar, até um arco na rua Santa Helena que leva a um grande átrio, onde está a basílica do Santo Sepulcro.
É nesse lugar que, acredita-se, Jesus teria sido crucificado, sepultado e ressuscitado. ‘Só’ isso... Inevitável então que, diante da modesta fachada, observando o fluxo de fiéis que se debruçam na pedra da unção –onde o corpo de Jesus teria descansado depois da cruz, os que oram na capela de Adão; os que fazem fila para a capela do Anjo –por onde passavam por uma estreita entrada e inevitavelmente se ajoelhavam diante do suposto túmulo de Jesus, os visitantes entrem numa espécie de transe.
Que transe era esse? Era de fé, sim –mas tinha menos a ver com a formação católica do que com a atmosfera geral de uma cidade que concentra tanta religiosidade. Circulando mais um pouco pela cidade antiga, percebe-se novamente essa força maior que é a devoção –independentemente de uma doutrina específica. Todas são relevantes, sabemos, nenhuma mais do que a outra.
Mas, nesta véspera de Natal, nesta terra onde surgiu a tradição desta festa, é impossível dormir sem sentir a força de um homem chamado Jesus. Força essa, renovada na manhã do dia 25, quando se pode observar  essas colinas tão sagradas...

Texto: Base crônica jornalista Zeca Camargo   |   FSP
Imagem: Prédio de Jerusalém visto de frente ao sol, durante um eclipse.  


(JA, Dez17)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,