Pular para o conteúdo principal

Ser Melhor


Todos os sábados e domingos, quando estava em casa, nas primeiras horas da manhã, olhava  para o prédio vizinho ao meu e lá estava ele. Um senhor idoso, lendo seu jornal na varanda envidraçada do seu apartamento. Como esse era o horário em que eu saia para o meu fitness semanal, sempre o observava. Nesses dias, contava com a sua presença lá.  Num determinado fim de semana, ele não apareceu. Ele devia ter ido viajar ou cumprir algum outro compromisso, pensei.  Entretanto, de lá para cá ele não apareceu mais.  Será que viajou? Ficou doente? Morreu?  Ele nunca mais apareceu;  acabei por não saber o que houve. Embora eu nunca tivesse tido oportunidade de conhecê-lo, até hoje sinto a sua falta.
Refletindo sobre cheguei à conclusão que nos apegamos a muitas coisas; coisas que, em princípio, não teriam nada a ver com a nossa vida, com o nossos interesses, expectativas. Entretanto, isso ocorre. Por que?  Ocorre porque todos os nossos sentimentos têm a tendência de se projetar e tentar se materializar.  Aquele homem idoso que eu via ali, poderia ser eu mesmo daqui há alguns anos. E me sentia bem ao vê-lo numa situação que eu gostaria de estar quando estivesse na idade dele. E por que gostamos de crianças?  Talvez por conta disso mesmo - enxergamos nelas nossos filhos, nossos netos e, quem sabe, a nós mesmos num passado remoto. Por que sentimos repulsa dos bandidos que vemos/ouvimos falando alguma bobagem numa eventual reportagem de TV/rádio? É que nos imaginamos sendo vítimas daquela pessoa ali, sem escrúpulos, maldosa.  E por aí vai.
Tudo que ocorre à nossa volta, ou do que tomamos conhecimento, reflete em nós, de acordo com as nossas expectativas, medos e desejos mais íntimos - nós não somos indiferentes à nada; o que varia é o grau. Tudo o que acontece no nosso ‘entorno’ nos impacta.
  • Aquele casal, apaixonado, demonstrando grande carinho, um pelo outro.
  • Aquela linda casa,
  • Aquele carro,
  • Aquele emprego,  ...

Será que é o chamam de inveja? Não creio. Só se for a ‘inveja do bem’, se é que isso existe. Não queremos para nós o que é dos outros; não desejamos o mau de ninguém.  O que acontece é que, inconscientemente, como nos filmes que assistíamos na nossa adolescência, quando nos projetávamos no papel do protagonista, imaginando fazer exatamente aquilo que ele conseguia fazer, e acabávamos saindo da sala de projeção mais felizes do que quando entramos - cheios de entusiasmo, de energia.
Isso me leva a inferir que, se nos proporcionássemos mais dessas visões, dessas impressões positivas - lendo um livro, ou assistindo um filme, uma peça, vendo uma obra de arte, conhecendo pessoas, que despertem nossos melhores sentimentos, batalhando por causas que nos sensibilizem -, no finalmente,  mesmo sem sabermos exatamente o porque, vamos acabar sendo melhores como seres humanos e, certamente, mais capazes para cumprir o que devemos, o que nos propusemos, fazer, ser.

"Você atrai para a tua vida tudo o que pensa ou imagina. É importante controlar os pensamentos, dirigi-lo para o positivo, para o bem. Você sempre terá algo de bom em que pensar. Assim, você fabrica a sua melhor realidade."



(JA, Jun15)







Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,