Pular para o conteúdo principal

A lenda urbana do impossível






"Se até agora você não tenha se dado a permissão para não aceitar o impossível, quem sabe não seja este o momento?

Eu tinha um chefe muito louco, daqueles caras cativantes, cheio de energia e ideias. Mas um dia foi marcante para mim, pois foi de onde tirei uma daquelas grandes lições que encontramos em coisas muito simples. Era 5 de outubro de 2011, aquela loucura de final de ano em São Paulo, um tempo gostoso daqueles que não é muito quente, nem frio e as pessoas apenas se cumprimentam falando – “Bom tempo né?”. Praticamente já faz tudo começar bem.
Porém, esse era o dia que viria falecer a lenda – Steve Jobs. Isso mesmo, um dos caras mais audaciosos da história encerrou suas atividades por aqui. Eu não sou um grande fã do temperamento dele ou da forma como conduziu a Apple internamente, mas ninguém pode negar a ousadia, a coragem e a genialidade de sua percepção. De qualquer forma, ele era o cara.
Foi um tsunami de notícias, documentários, homenagens e tributos a Steve. Porém algo estava em alta naquelas primeiras horas também e, por sinal, era a grande questão do momento: "Quem será o próximo Jobs?”.
Mais para o fim da manhã, o meu ex-chefe chegou na empresa com um olhar astuto depois das suas reuniões. Ele abriu a porta e falou pro pessoal: "Vocês viram o que aconteceu?”. Um meio tímido respondeu: "O Steve Jobs morreu" (naquela dúvida de “será que tá certo?"). O meu ex-chefe retrucou rapidamente, sem respirar”: "Isso é o fato…”. E, aumentando o tom de voz, subiu em cima da mesa, sem tirar o que tinha em cima, e gritou: "Venham todos aqui!”.
Quando chegamos na sala, ele olhou e comentou: "Que o Steve faleceu, essa grande figura e nome do mercado, vocês já estão sabendo, mas o que aconteceu também é que agora todo mundo quer saber quem será a próxima empresa que vai desafiar o mercado e lançar as tendências como a Apple. Seria ela mesma? Ou algum outro personagem vai aparecer, com uma nova organização visionária?”.
Todo mundo ficou atônico, era aquela apreensão de final de novela para saber quem matou quem, e o pensamento coletivo: “Será que já comunicaram isso? O que não captamos?”.
Foi então que ele disparou, com uma convicção impermeável: “Nós seremos ela”.
Acredito que a galera não soltou a gargalhada porque era o chefe e ficou com medo de uma demissão por justa causa (não se pode se engasgar de rir da cara do seu patrão), mas ele rapidamente percebendo, ou até prevendo isso, falou uma das frases mais importantes que guiaria a minha vida: “Quem pode provar que não?”.
Eu não lembro tão bem como foi o resto do discurso, talvez porque aquela frase fez tanto sentido para mim quanto, quando crianças, aprendemos a caminhar e pensamos “aha, então é assim” ou usar a peniquinho. Seja lá o que for, algo estupendo aconteceu.
Eu sempre fui uma pessoa que desafiou limites. Até uma frase que sempre usava era: “O céu é o limite apenas para quem não conhece o espaço”. A ousadia fazia parte de mim, mas eu tinha um pouco de medo das coisas tão grandiosas, do que os outros pensariam, se era possível... Mas foi aquela frase, naquele momento, que fez o “plim” na minha cabeça e começou a martelar: "eu não posso provar que ele não vai conseguir, se ele tomar as atitudes, dedicar-se e fizer coisas incríveis, ele pode mesmo. Depende mais dele do que da minha opinião". Na verdade não depende da opinião de ninguém aqui, não podemos provar que ele está errado.
Esse foi o insight: o impossível não existia, a opinião dos outros como barreira não faz diferença alguma a partir daquilo que você realmente acredita. Milhões de pessoas até aquele dia na face da Terra tinham esquecido de pensar em limitações e regras para dar um impulso na humanidade. Eu fico pensando no Santos Dumont falando “Ops, foi mal galera, esqueci que era impossível voar” ou o Willis Carrier (inventor do ar-condicionado – um herói para nossa realidade hoje) dizendo: "Ah, que saco, foi mal, eu não sabia que não dava para criar algo que deixasse o ambiente gelado e gostoso".
O Walt Disney já dizia que ele gostava do impossível porque lá a concorrência era menor. Isso é uma grande verdade. Porém, cheguei a uma conclusão ainda mais intrigante. Talvez essa história do impossível seja apenas uma lenda para manter grande parte das pessoas fazendo o comum e apenas alguns “loucos” alcançarem o extraordinário.
Se até então você não tinha se dado essa permissão de não aceitar o impossível, quem sabe não seja esse o momento?
Deixo você com uma frase que tem norteado meus dias e crenças e talvez lhe seja útil nesse novo momento de pensar:  'Quem pode provar que não?'”   Bruno Perin

(JA, Jun15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,