Pular para o conteúdo principal

Menina de Óculos Amarelos


A menina tinha certeza que tinha nascido para ser alguém que viria fazer a diferença no seu mundo. Alguém que seria lembrada por algo especial que fez durante a sua vida, deixando uma marca positiva na história, no futuro das pessoas.
Entretanto, ela não sabia o que deveria fazer para tanto e, muito menos o como.
Então começou a pensar, a imaginar o que o mundo, as pessoas precisariam para ser melhores, para serem mais felizes. Pensou em várias coisas, mas não chegou a nenhuma conclusão. Por exemplo: sorvete gratuito na escola, a qualquer tempo – mesmo durante as aulas; que na TV só houvesse programação infantil; que o período de férias fosse maior do que o de aulas, etc.
Estava difícil decidir. Mas uma coisa ficou clara para ela: tudo o que ela estava pensando iria beneficiar apenas uma parte das pessoas, uma parte que, infelizmente, ainda não tinha poder de decisão. Então ela resolveu não perder tempo com isso, e passou e imaginar algo que beneficiasse a todos.  
Ela sabia da dificuldade que seus pais tinham para pagar o colégio que ela frequentava. O custo mensal era desproporcional ao que eles ganhavam. Porém, eles se sacrificavam para pagar o que era cobrado porque sabiam – e ela também – que uma boa educação era importante, fundamental, para viabilizar um futuro melhor – um  bom emprego e salário.
A partir de então ela começou a prestar atenção ao que acontecia na sua escola. Observou que, apesar de cara, ela não era muito diferente das outras e que, além disso, era muito conservadora no sentido que vinha ensinando as mesmas coisas, da mesma forma ano após ano, independentemente de todas as facilidades de comunicação e de acesso às informações  que foram disponibilizadas para todos nos últimos anos. Além disso, percebeu que ela e todos os seus amigos, após as aulas, que tomavam meio período do dia, praticavam esportes em clubes ou academias ou aprendiam um idioma numa escola especializada, tendo que pagar por isso também.. 
Toda essa reflexão a levou a duas pergunta: ‘Por que não mudar isso?’  ‘Como?’
Teve uma ideia. Foi falar com a sua professora e colocou seus pensamentos. Ela, a professora, concordou. Também achava que deveria haver uma mudança, mas ponderou que elas não tinham poder para promover essa mudança. Isso deveria ser feito a nível de Governo, do Ministério da Educação... Ou seja, era praticamente impossível.
Ela saiu desse encontro, meio que assim, desanimada. Durante a noite, naquele dia, teve uma ideia que apareceu na sua cabecinha como se fosse um sonho. Nesse sonho ela estava falando com um homem muito importante, alguém que era representante do povo na capital do país, colocando as suas ideias. E, por incrível que pareça, ele estava concordando com ela.
No dia seguinte, falou com seu pai que, por conta de suas atividades, era muito bem  relacionado. Ele ouviu o que ela tinha a dizer e, mesmos tendo se surpreendido com uma preocupação social tão precoce, compreendeu e aceitou suas conclusões. Então, depois dela muito insistir, resolveu promover um encontro entre ela e um Deputado Federal, seu conhecido, para tratar do assunto.
Ela foi encontrar com o homem que a recebeu muito bem, a ouviu, ponderou algumas coisas e, finalmente concluiu que ela tinha razão. Propôs, inicialmente, ouvirem a opinião de um especialista na área de educação para saber a opinião dele.
O educador também considerava o sistema atual arcaico e falido, e que deveria ser promovida uma mudança no processo, para evitar que o país ficasse defasado nessa área em relação aos demais. Isso deveria ser tratado prioritariamente, considerando que a educação dos jovens é fundamental para a evolução social do povo, preparação de mão de obra para suprir as carências existentes, enfim para garantir um melhor futuro, progresso do país.
Ele colocou os principais pontos que esse projeto deveria considerar: 
1. Ser restrito à Educação Fundamental e Ensino Médio.
2. Estabelecimento de uma base curricular  que previsse e definisse:
  • Que educação pública é um direito do povo, e que é dever do estado provê-la
  • O que deveria ser ensinado, com detalhamento da profundidade em que deveria ser passado.
  • O que cada aluno deveria aprender em cada etapa do percurso escolar, independentemente de sua origem territorial, social ou cultural.
  • Que os cursos fossem ministrados em período integral, considerando a necessidade de aumento do volume do conteúdo, e da qualidade do aprendizado.
  • Liberdade aos diversos órgão de educação, deste e daquele Município ou Estado,  para complementação da base curricular comum, considerando os contextos locais - o projeto social, as aspirações e especificidades regionais.
  • A possibilidade da prática esportiva, considerando os benefícios físicos e psicológicos que se obteria, facilitando assim o aprendizado.
  • O ensino de pelo menos uma língua estrangeira, de forma que o aluno saísse fluente e capacitado a frequentar universidades e cursos de especialização em outros países.  
  • Uma política de formação de professores, inicial e continuada.
  • Uma política salarial para os profissionais da área de educação condizente com a sua formação e responsabilidade                                            

3. Além disso tudo, considerando as diferenças existentes entre as diversas  regiões do país, para  viabilizar o mesmo tipo de ensino para todos, deveria ser prevista a possibilidade do Ensino à Distância, pelo menos para transmissão do conteúdo das principais matérias.  Para tanto, seriam contratados os melhores professores existentes, desta e daquela área, que gravariam as aulas que seriam transmitidas para os alunos de todo o país. Eles, os alunos, assistiriam essas gravações, sob a coordenação de monitores locais. E, se restasse alguma dúvida, poderiam colocá-las digitalmente  para o ‘Mestre’, que providenciaria  e   a resposta para a aula seguinte.
4. Naturalmente, esse projeto deveria contemplar a adequação das escolas para ser viabilizado.  Seriam desenvolvidos projetos para criação de algumas ‘Escolas Laboratório’. Após implantação,   acompanhamento, e avaliação do desempenho dessas unidades experimentais, esse projeto seria readequado, corrigido até se chegar a um modelo ideal. Após a aprovação do desse modelo,  seriam tomadas medidas para estimular a implantação de unidades semelhantes em todas as regiões do país. .
O Deputado ouviu o especialista e ficou entusiasmado com a ideia, com suas possibilidades. Saíram dali e ele disse à menina que iria preparar o projeto e colocá-lo em discussão no Congresso, o mais rápido possível. Acreditava haver uma grande chance de sucesso, considerando o momento político e a sua relevância. Agradeceu a iniciativa. Disse ainda que esse projeto levaria o nome dela, e que, certamente, representaria um marco na área da educação, e do futuro do país. Ela passou então a acreditar que seu sonho, embora parecesse impossível inicialmente, poderia se transformar em realidade. 
Assim foi feito.  O projeto ‘Menina de Óculos Amarelos’ foi desenvolvido e, depois de muita discussão e emendas, foi aprovado na sua essência, e implantado. A viabilização da implantação, do ponto de vista financeiro, foi a abertura da possibilidade de parcerias público privadas. O setor privado se interessou e investiu no projeto, diante da  possibilidade do abatimento tributário do  dinheiro aplicado. O fato das empresas participarem trouxe um benefício adicional pela inclusão no curriculum normal dessas unidades de cursos técnicos profissionalizantes, para atender à demanda do mercado de mão de obra especializada. Assim, os alunos, ao concluírem o Ensino Médio, passaram a contar com a possibilidade de serem contratados para um estágio remunerado pelas empresas da região.
Nos vinte anos passados desde então, a menina agora moça, cursou Pedagogia e  Administração de Empresas, e ainda vários cursos de especialização. Foi professora por um determinado período e, mais recentemente, assumiu a direção de um desses colégios que hoje representam o que há de melhor em termos de educação básica e serve de modelo para todo o mundo. No futuro, ela pretende participar do grupo gestor, sediado na capital do país. Sua carreira veio ao encontro de suas aspirações: “Faz o que gosta, é bem remunerada, e fica feliz de ver o resultado do seu trabalho”. Aquele Deputado Federal que a ajudou lá atrás, atualmente é um Senador da República, muito respeitado, tendo sido reeleito para vários mandatos. 
De vez em quando, pensava na concretização do seu sonho ‘infantil’, tentando entender como isso foi possível. Com base nos conhecimentos que acumulou durante a sua formação, chegou à conclusão de que foi porque ela, inconscientemente, conseguiu responder positivamente a algumas perguntas, cujas respostas definem a possibilidade de um sonho se tornar realidade. A chamada ‘Sonhabilidade’. Perguntas:
  • Qual a sua missão de vida?
  • Qual a sua visão de mundo e de si mesmo?
  • Quais são os seus valores?
  • Quais são seus sonhos, e como você poderá alcançá-los?
  • Você tem sonhos, mas considera sua realização impossível.?
  • Que tipos de habilidades e competências você necessita para realizar os seus sonhos?
  • Como a sua carreira se encaixa em seu sonho?

Ela sempre acreditou que poderia fazer, e que merecia o que imaginava. Além disso, teve uma ‘atitude espiral’ para realização – sempre esteve um passo acima ou adiante do anterior e, pouco a pouco, o sonho foi evoluindo, deixando de ser uma ideia, se tornando realidade .

 "Nós somos apenas os sonhos que sonhamos." (Fernando Pessoa)



(JA, Ago14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,