Pular para o conteúdo principal

Transumanismo


Sempre existiram inúmeras possibilidades de conexão entre as pessoas. No passado era mais difícil, considerando que, para transmissão da mensagem, havia  a necessidade de deslocamento pessoal do próprio emitente, ou do envio de um mensageiro. Entretanto, pouco a pouco, essas limitações estão sendo minimizadas. Dispõe-se atualmente de inúmeros meios que permitem a  conexão em tempo real com qualquer pessoa ou instituição, em qualquer lugar do mundo.  
Todas esses meios vem integrando a nossa vida e passaram a ser extensões das nossas faculdades mentais. Elas, por sua vez,  é que irão deixar a nossa marca no mundo, e acabarão por definir quem somos – a nossa realidade.  
Essa conectividade contemporânea, embora profusa, é superficial, e tem um lado negativo. Somos atualizados, mas, ao mesmo tempo, distraídos pelo volume de informações que continuamente nos chegam. E, por conta disso, deixamos cada vez mais de nos interiorizar,  de ter um maior contato com a nossa bagagem emocional. Em decorrência, temos cada vez menos insights criativos que precedem e são indispensáveis para produção de grandes obras que caracterizam a nossa cultura histórica.  
O lado positivo é que  o ser humano,  pela facilidade de conexões e de  acesso às informações e tecnologias,  está cada vez mais identificado com aparelhos,  instrumentos e recursos que utiliza. Em decorrência,  irá evoluir além de suas tradicionais limitações mentais e físicas -  terá facilitado, em escalas inimagináveis, o processo de locomoção, sua força, memória, tempo de vida, etc.
O ser humano incorporando esses recursos à sua existência, muitas vezes no seu próprio corpo, está assumindo uma nova natureza. É como se estivesse atravessando uma ponte, sendo que, ao final da travessia, terá se transformado em um outro ser. E, considerando a tendência de aumento da disponibilidade desses aplicativos – cada vez mais aprimorados -, as principais questões que se colocam são as seguintes: ‘Aonde vamos parar? Como será esse outro ser? Como será então organizada a sociedade?’ 
Acreditamos que o maior desafio do homem será conseguir, não só manter, mas também aumentar  a sua humanidade, principalmente no sentido de ‘Clemência, Afabilidade, Benignidade’.  
A história da raça humana, suas lutas e conquistas, inclusive as superações do corpo físico, do tempo e do espaço,  que ora estão sendo alcançadas, devem ser valorizadas no seu sentido mais elevado - o do homem se aproximando cada vez mais do divino que existe originalmente dentro de si. Despojando-se das paixões mais baixas e egoístas – muitas vezes disfarçadas de ‘nobres’ intenções -,  que no passado o levaram exatamente para o outro lado, o lado da ‘involução’, marcado pelos conflitos e guerras, procurando atender a interesses localizados, de domínio e poder.    


"A civilização é um protesto contra a natureza; o progresso exige que nós assumamos o controle da evolução." (Thomas Huxley)



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,