Pular para o conteúdo principal

Servir


“Uma talentosa menina de 13 anos ganhou um prêmio num concurso de canto, e, por conta disso, foi convidada para cantar o hino nacional, num estádio de futebol lotado, antes de do início de uma partida importante. 
Na hora de cantar, todos aguardando, ela percebeu a grandeza do momento e a sua fragilidade. Começou a tremer, engasgou, esqueceu a letra .... deu um branco!
O público não perdoou e começou a 'zoar', ameaçando  vaiar.
O técnico de um dos times, que estava próximo dela,  diante da situação, se adiantou, se colocou a seu lado, e começou a cantar, incentivando a menina e o público a cantar também.  A  cena foi emocionante. Sua iniciativa salvou o momento.”
Diante desse fato, a questão que fica é: ‘Por que só o técnico tomou a  iniciativa  de ajudá-la, enquanto que os demais, em volta dela, só observaram estupefatos... ?'
É simples: ‘Ele teve uma  atitude que poucos estão preparados para ter. Demonstrou solidariedade e desprendimento.'  Naquele momento, se sujeitou a SERVIR. Uma ação dessas, na hora certa, faz uma grande diferença em termos de resultado.
A palavra ‘Servir’, tem uma conotação pejorativa - é uma ação própria de um servo, de um subordinado. Porém, servir nem sempre é um ato de submissão; pode ser também, como foi neste caso, um ato de nobreza. 
Em administração é muito comum hoje em dia a denominação ‘Líder Servidor’. O líder servidor é aquele que tem como estratégia ajudar seus liderados a aprenderem o que precisam saber, a se superarem, a encontrarem soluções. Ele elimina barreiras e, ao mesmo tempo, promove um ambiente de solução criativa de problemas.
Também tem consciência de  que não existe melhor maneira de conquistar o respeito dos seus funcionários do que se colocar por algum tempo na pele deles – o técnico se colocou na pele da menininha e sentiu o que ela estava sentindo;  imediatamente soube que tinha que fazer algo, quando aconteceu o que aconteceu. .
A liderança exercida assim se fundamenta numa empatia tal, que faz com que o líder tenha facilidade para compreender, entender, o ponto de vista do subordinado. Ele vê coisas tão bem, tanto pelo ângulo dele próprio, como pelo do outro. Assim,  cria uma ponte entre eles o que facilita o entendimento, a correção, motivação, e a obtenção de resultados.
Podemos dizer que a liderança servidora cultua o chamado ‘Amor Devocional’, ou seja, o amor que cria a disposição para conhecer e a atender as necessidades, os interesses, e o bem-estar da outra pessoa, independente de como se sinta.  Na prática, isso pode ser complicado, pois existem pessoas e pessoas. Fazer isso com quem gostamos, pode ser tranquilo e fácil de aplicar. Porém, muito pelo contrário, se tivermos que trabalhar com pessoas com as quais não temos afinidades, que são resistentes, e que nitidamente lutam contra. Nesse último caso, embora inicialmente seja difícil, aos poucos, à medida em que forem surgindo os resultados, a resistência irá ceder, e a ação tornar-se-á prazerosa, compensadora.  
Por conta disso, ao contrário do que ocorria até recentemente – quando o  líder era aquele que só fazia planejamento estratégico, e mandava executar -, ele passou também a participar da execução. Além disso, acompanha o desempenho das pessoas da sua equipe, periodicamente, de uma forma recorrente; oferece orientação quando necessário e cobra resultados. Eventualmente, dá  um tapa na mesa para demonstrar a sua autoridade.
Um exemplo prático de líder servidor, é a atuação de Jesus Cristo na divulgação da sua ‘Verdade’, como descrito na Bíblia.  O mais marcante do seu processo evangelizador foi muito mais o seu exemplo, seus atos, do que as suas  palavras.  Quando expulsou os mercadores do templo; quando defendeu a mulher que seria apedrejada; quando transformou água em vinho, naquele casamento; quando soube que seria traído por um de seus discípulos e, mesmo assim, não teve nenhuma atitude contra ele; e por aí vai.  Considerando o sucesso da sua causa, podemos inferir a eficácia do seu desempenho.
Portanto, o líder servidor faz com que  cada integrante da sua  equipe saiba exatamente o que deve fazer e como. Logo, todos alcançarão os melhores resultados possíveis.  Fazer bem o que deve ser feito, leva a as pessoas a  uma maior autoestima, a serem mais felizes no seu dia a dia. E, consequentemente, a terem menos problemas de saúde, a viverem mais.

“A melhor maneira de se conseguir realizar, é atender as necessidades daqueles que possam participar da ação. Só quem serve, será servido. “


(JA, Jun14) 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,