Pular para o conteúdo principal

Rotina


Ela já tinha passado dos cinquenta anos. Um dia acordou no meio da noite, começou a pensar que a sua vida atual consistia numa rotina recorrente. Todos os dias eram mais ou menos iguais, tirando uma coisa ou outra. Refletindo ainda mais, chegou à conclusão de que sempre foi assim, exceto pelos eventos naturais, aqueles que  ocorrem na vida de qualquer um: começar a frequentar a escola, primeiro namorado, formatura, primeiro emprego, aumento de salário,  noivado, compra do primeiro apartamento, casamento, filhos, desemprego, negócio próprio, etc.
Mais tarde, procurando se informar descobriu que
“O que faz a diferença numa vida, individual ou coletiva, são os atos. E os atos são raros.” (Jacques Lacan)
Um ato não é apenas algo inédito (muitas novidades são repetições disfarçadas), mas é algo que transforma a pessoa radicalmente, que produz  um novo sujeito. Não é pouco frequente que a maioria passe a vida inteira sem produzir ato algum, só cumprindo o que lhe é destinado, só preenchendo as expectativas da comunidade em que está inserida.
Era isso mesmo que acontecia com ela. Quando ocorria um evento, parecia que tudo havia mudado. Entretanto, logo logo, entrava na rotina novamente, numa constante repetição que, por não ser um retorno exatamente idêntico, inicialmente passava despercebida. Como sair disso? Como evitar a sensação de estar sempre vivendo o mesmo dia?
A verdade é não poderia sair por aí tendo atitudes que não tinham nada a ver com ela. Mas, por outro lado, se não as tivesse, como poderia se transformar num nova mulher? E ela tinha consciência que é isso que a sociedade moderna valoriza -  o indivíduo que cria suas próprias regras, que sai do destino coletivo comum, enfim, que faça a diferença.
Porém, nem toda mudança, nem toda novidade é boa. E a vida repetitiva, trivial  pode ser interessante, digna. Por que não?
Embora parecesse que  estivesse  desperdiçando a sua vida numa constante repetição, apenas cumprindo o seu destino ‘chato’, tinha nostalgia de muitos momentos vividos. Foram momentos felizes, que valorizaram a sua existência, em que não se sentia como agora – aflita, angustiada por encontrar um ato transformador, libertador.  Libertador? Por que não se 'libertar' livrando-se dessa neura e passar a ter os sonhos normais que a maioria das pessoas tem nessa fase da existência? Ter como objetivo uma aposentadoria, criar a possibilidade de poder eventualmente descansar num lugar tranquilo e inspirador, torcer pelos sucesso dos filhos, dos netos, ...?
Pensando assim, tirou da cabeça, definitivamente, a  obsessão que vinha alimentando  - a necessidade de quebra da rotina. Passou a se empenhar em aproveitar melhor da companhia das pessoas interessantes da sua relação, a participar e promover atividades que lhe davam prazer, a se cuidar mais, e a cuidar dos que lhe eram caros.  
Atualmente,  já não acorda mais durante a noite, não perde o sono, preocupada em descobrir o que deveria fazer para ser feliz. Ela já é.

“Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça de que a felicidade é um sentimento simples, que você pode encontrar e deixar ir embora por não perceber.”       (Mário Quintana)


(JA, Jun14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,