Pular para o conteúdo principal

Festa Junina


Ontem estivemos na Festa Junina do Clube Paineiras do Morumby. Uma festa prestigiada por um grande público. Tudo lindo, muito bem arranjado: a decoração perfeita, uma praça de alimentação muito bem estruturada, apresentação de várias bandas e grupos de dança bem selecionados. Enfim, nada a criticar. Muito pelo contrário.
Como não podíamos perder o show principal da noite, o do ‘Michel Teló’, marcado para as 20h, todos  ficamos aguardando. Eram 20:20h e todos ainda permaneciam no aguardo – havia sido  ultrapassada a barreira dos 15' que, como os estrangeiros são informados, é considerado um atraso normal aqui no Brasil . Estranhei porque havia visto pela manhã o ônibus da equipe naquele estacionamento do clube que está interditado.  Será que que o MT estava dormindo no ônibus, e esqueceram de chamar?!  Ou será que ele adotou o ‘Padrão Globo’ de qualidade do passado? Lembram-se quando a ‘novela das oito’ começava às nove horas da noite?  Até que resolveram corrigir, e passaram a chamar acertadamente de ‘novela das nove’. O show começou às 20:30h, pontualmente. 
Eu estava curioso. Era a  primeira vez que iria ver pessoalmente a celebridade cuja música "Ai Se Eu Te Pego" -  depois da sua improvável descoberta pelo craque português Cristiano Ronaldo -, atingiu em 2012, apenas nos primeiros dias do lançamento, a surpreendente marca de ‘80 milhões de acessos’ (dizem...)
A explicação é que esse resultado foi fruto de uma campanha viral. Algo que se espalha pelas redes sociais, como um vírus de gripe que se pega no ar, e que atinge milhões.
Pretendia apenas ouvir, observar e sentir a performance,  e dar um “Michel Atélógo”. Mas não fui bem sucedido.  Quando propus isso, todos já estavam pulando ao ritmo da música, cantando junto, e acharam um absurdo eu querer ir embora. Não sei como, quase todos que estavam ao meu lado, e o público em geral, sabiam de cor as letras das músicas cantadas, sendo que a única música dele que eu já tinha ouvido era a famigerada ‘Aí Se ..”
Uma das coisas que me surpreendeu também foi o aglomerado do pessoas que se formou e ficou em pé, na frente ao palco. Imagino que eles não estivessem conseguindo ver o show direito, mas permaneceram ali o tempo todo, atrapalhando a visão dos que estavam sentados. Deve ser por isso que instalaram o ‘Michel Telón”. Um telão permitia  apreciar o show de qualquer lugar da plateia.
E aqueles flashes dos celulares, pipocando, registrando cada momento?! Pareciam aquelas velas que os fiéis ascendem nos eventos religiosos para homenagear o santo do dia...
Quanto à música, essa podia ser ouvida num raio de quilômetros, transmitida por equipamentos poderosos, de última geração.  Não tinha nada de especial, embora bem ritmada, bem tocada, alegre, barulhenta. 
Mas tudo isso não explica, justifica, o resultado surpreendente. Sou levado a acreditar que, atualmente, não há mais celebridades boas ou más, mas apenas celebridades. E o  público, não é o público do artista, mas o do sucesso. O público do artista vem depois.
Em resumo, não fui envolvido pela emoção como a maioria.  A pergunta que fica é: ‘Por que?’  Será que, à exemplo do personagem do filme de Woody Allen, “Meia Noite em Paris”, eu valorize e respeite mais as celebridades do passado, minimizando as do presente?  Pode ser. Mas até lá, até que eventualmente eu passe a ser público desse artista, vou continuar dizendo:  ‘Michel, Atélógo’.
Tudo isso que vivenciei e que estou relatando aqui, foi válido e só pode acontecer pela oportunidade criada pelo Clube Paineiras do Morumby. Agradeço, e deixo aqui meus parabéns pelo planejamento e produção, impecáveis.


(JA, Jun14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,