Pular para o conteúdo principal

Empatia


Atualmente vivemos num mundo que a moda é apenas olhar para si mesmo. Colocamos nossa felicidade e nossos desejos num pedestal e nos esquecemos de pensar nos outros. É importante desenvolvermos sentimentos como de empatia e solidariedade nesta época individualista em que vivemos. Cooperação e gentileza fazem bem para a nossa própria felicidade, para nossa saúde, e até para a economia.
A competição entre as espécies e os comportamentos egoístas decorrentes, de acordo com o biólogo britânico Richard Dawkins,  são normais, uma vez que o objetivo prioritário dos seres vivos é se propagar.  Isto poderia ser verdadeiro para os nossos ancestrais. Entretanto, diante do processo evolutivo pelo qual passou a humanidade, ficou evidente que nem sempre colocar as próprias vontades e necessidades em primeiro lugar é o mais aconselhável.  Para preservar a sobrevivência da espécie os homens precisaram cooperar uns com os outros, mesmo com os que estivessem fora do seu círculo familiar.
Colaborar com o vizinho não é mais uma questão de vida ou morte. Ainda assim, vale a pena ser generoso. Boas ações estimulam as mesmas partes do cérebro que nos dão a sensação de prazer como quando comemos chocolate.
Além disso, estudos de pesquisadores da Universidade Autônoma de Madri, Espanha, e da Universidade de Montreal, Canadá, mostram que os mais solidários também vivem mais.
Todos somos capazes de nos preocuparmos com os outros. A explicação para isso são as relações e os valores que construímos e adquirimos durante a nossa criação. Eles são decisivos para determinação do grau de importância que damos aos outros.  Para os que não tiveram a oportunidade de desenvolver essa capacidade pelo caminho, ela pode ser aprendida. Uma dessas característica da empatia é saber ouvir – uma qualidade em extinção.  É preciso ouvir os outros com atenção e interesse genuínos, sem interrupções, e sem querer ser o centro das atenções durante a conversa. Ter interesse por realidades distintas das nossas é também uma qualidade comum entre os empáticos. Essas pessoas fazem questão de conhecer novas culturas e universos – seja viajando, seja se colocando em situações que não fazem parte do seu cotidiano.
Num mundo tão interdependente como o nosso, estar disposto a ser generoso é o primeiro passo para recebermos algo em troca, além de ficarmos mais felizes e vivermos mais
Egoísmo inteligente é ter uma visão ampla e reconhecer que nosso próprio interesse individual, a longo prazo, depende do bem estar de todos.

Dicas para melhorar a Empatia:
1.        Acreditar que o ser humano é bom.
Uma maneira de desenvolver essa crença é anotar cada vez que você tiver ou presenciar em outra pessoa um sentimento ou reação de empatia. 

2.        Colocar-se no lugar do outro de uma maneira consciente
Para ajudar a analisar sobre como você enxerga o outro, questionar-se:
  • Como sou visto pelos outros?
  • Eles estão sempre certos a meu respeito?
  • Quando foi a última vez que julguei alguém errado? 
3.        Explorar culturas e realidades diferentes
Maneiras/ recursos para se  mergulhar em realidades diferentes:
  • Praticar algum trabalho voluntário
  • Tentar viver a vida de um total desconhecido
  •  Obrigar-se a viver com uma renda menor do que a sua durante um mês
  •  Cuidar dos sobrinhos num fim de semana ... 
4.        Gostar de Ouvir o que os outros têm a dizer
Seja curioso sobre os outros e não enxergue desconhecidos como potenciais inimigos. Quando falar com alguém, esqueça os assuntos banais; fale sobre ideias e sonhos. Escute as respostas com atenção, evitando interromper. Expor-se é fundamental para ajudar o outro falar. 

5.        Interessar-se por Arte, Literatura e tudo o que nos ajude a conhecer a mente alheia
Assista os filmes com atenção e tente se colocar no lugar dos personagens. Histórias dramáticas que nos levam a épocas e situações que jamais poderíamos viver, são as mais indicadas.  O mesmo vale para outras obras de arte. Faça um esforço para se colocar no lugar e nas situações vividas pelos personagens nas obras de ficção. 

6.        Ter vontade de melhorar o mundo
Depois de seguir todos esses passos a tendência é tornar-se mais empático. Você estará mais atento aos sentimentos e necessidades do outro, e então, será mais fácil perceber como ajudar, tanto ao próximo como ao planeta.  Coloque-se no lugar das próximas gerações. Como você poderá ajudá-las?  Preservando o meio ambiente? Investindo na educação dos mais jovens? ...

Concluindo,  a empatia, além de fazer bem para quem a pratica, tem o poder de despertar bons sentimentos e boas ações. Desta forma, contribui significativamente para a evolução do ser humano e, em decorrência, para construção de um mundo melhor.




       * Roman Krznaric, filósofo, em seu livro ‘Empaty (Empatia)’, Reino Unido
       * Stefan Klein, escritor alemão, em 'Survival of the Nicest’ (Sobrevivência dos Bonzinhos), EUA

(JA, Jun14)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,